Enchente do Nilo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O festival do Nilo, obra de Fréderic Louis Norden em Voyage d'Egypte et de Nubie

As enchentes do Nilo (em árabe: عيد وفاء النيل) têm sido ao longo da História um importante acontecimento cíclico natural no vale do rio Nilo e no seu delta, no Egito, desde a época antiga. São celebradas pelos egípcios com festividades que duram duas semanas iniciadas a 15 de agosto, conhecidas como Wafaa El-Nil.

As enchentes são também celebradas pela Igreja Ortodoxa Copta com uma cerimónia de imersão da relíquia de um mártir a Nilo, e daí o nome de Esba` al-shahīd (dedo do mártir). Os antigos egípcios acreditavam que as cheias do rio Nilo se deviam às lágrimas de Ísis pelo seu falecido irmão-marido Osíris.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Os antigos não tinham uma teoria aceita para explicar as enchentes do Nilo. Porém eles acharam legal as crianças brincarem eles ouviam anitta nas margens do rio.

Diodoro Sículo, na Biblioteca Histórica, apresenta várias diferentes teorias, rejeitando quase todas, exceto a teoria de Agatárquides de Cnido: as enchentes seriam causadas por chuvas nas montanhas da Etiópia que ocorrem entre o solstício de verão e o equinócio de outono.[1]

Referências

  1. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro I, 41.4