Enquéleas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa do Epiro e cidades e povos vizinhos

Enquéleas ou enquélios (em latim: Encheleae; em grego: Ἐγχέλιοι/Ἐγχελεῖς; transl.: Enchelioi/Encheleis) foram uma tribo ilíria que viveu na Enquélia (em grego: Ἐγχέλη; transl.: Enchele), uma região em torno do lago de Ócrida e Lincéstida,[1][2] nas atuais Albânia, República da Macedônia e Grécia. Seu nome em grego antigo significa "povo enguia"[3] e provavelmente viveram da pesca no lago de Ócrida.[4]

Os enquéleas estiveram frequentemente em guerra pelo domínio da região com o Reino da Macedônia que estabeleceu-se a leste. Seus vizinhos respectivamente a noroeste e norte eram os ilírios taulâncios e dardânios e a sul os dassaretas, uma antiga tribo grega.[5][6]

Mitologia[editar | editar código-fonte]

A mitologia grega atribui um progenitor aos enquéleas, um filho de Ilírico chamado Enqueleu.[7] Diz-se que Cadmo da Fenícia e sua esposa Harmonia chegaram à Enquélia onde, após ser orientado por um oráculo, Cadmo auxiliou os enquéleas em sua guerra contra as tribos ilírias vizinhas. Após a vitória contra seus inimigos, os enquéleas escolheram Cadmo como seu rei.[8][9]

Durante seu reinado, Cadmo teria fundado as cidades e Butos e Lichnido e após sua morte teria sido sucedido por seu filho Ilírio ou Polidoro.[10] Segundo Pausânias, Laodamante, rei de Tebas e filho de Etéocles, após ser derrotado pelos argivos, refugiou-se com alguns de seus conterrâneos tebanos no país dos enquéleas.[11]

Reino Enquéleo[editar | editar código-fonte]

Desde cedo formaram-se Estados organizados no sul da Ilíria. Há registros dum Reino Enquéleo desde os séculos VIII-VII a.C., quando teria atingido seu ápice. Nos séculos subsequentes, contudo, passaria por um lento declínio, mas não desapareceria das fontes até o século IV a.C..[12] Os enquélios estiveram constantemente em guerra com os gregos do norte, inclusive havendo referências na obra de Heródoto de ataques realizados contra Delfos e Tebas.[13]

Referências

  1. Wilkes 1996, p. 98-99.
  2. Estrabão século I, VII.7.
  3. Wilkes 1996, p. 98.
  4. Levi 1932.
  5. Hammond 1994.
  6. Hammond 1982, p. 284.
  7. Wilkes 1996, p. 92.
  8. «Cadmus - Κάδμος». Consultado em 16 de julho de 2016 
  9. Hammond 1982, p. 265.
  10. Wilkes 1996, p. 99.
  11. Smith 1873, p. 718.
  12. Stipčević 1977, p. 42.
  13. Stipčević 1991, p. 46-47.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hammond, Nicholas Geoffrey Lemprière; Griffith, Guy Thompson (1972). A History of Macedonia: Historical Geography and Prehistory I. Oxford, RU: Clarendon Press 
  • Hammond, Nicholas Geoffrey Lemprière (1982). Boardman, John, ed. The Cambridge Ancient History - The Expansion of the Greek World, Eighth to Sixth Centuries B.C., Part 3: Volume 3 (Second Edition). Cambridge, RU: Cambridge University Press. ISBN 0-521-23447-6 
  • Levi, Doro (1932). «Enchelei». Enciclopedia Italiana. [S.l.: s.n.] 
  • Smith, William (1873). A Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. 2. Londres: John Murray 
  • Stipčević, Aleksandar (1977). The Illyrians: history and culture. [S.l.]: Noyes Press. ISBN 0815550529 
  • Stipčević, Aleksandar (1991). Illyrians, The Illyrian Art, The Illyrian Cult Symbols. [S.l.]: Skolska 
  • Wilkes, John (1996). The Illyrians. Oxford, Reino Unido: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-19807-5