Erliquiose monocítica humana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Erliquiose monocítica humana
Ehrlichia chaffeensis
Classificação e recursos externos
CID-9 082.41
DiseasesDB 31131
MedlinePlus 001381
eMedicine med/3391
MeSH D016873

Erliquiose monocítica humana[1] (HME) é uma forma de erliquiose associada à Ehrlichia chaffeensis.[2]

A bactéria é um parasita intracelular obrigatório, afetando monócitos e macrófagos.

Ecologia e epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, HME ocorre através do centro-sul, sudeste, e estados da costa leste, regiões onde o cariacu (Odocoileus virginianus) e Amblyomma americanum ocorrem.

HME ocorre na Califórnia, em Ixodes pacificus e Dermacentor variabilis.[3]

Cerca de 600 casos foram reportados ao CDC em 2006. Em 2001-2002, a incidência foi maior no Missouri, Tennessee e Oklahoma, principalmente em idosos com mais de 60 anos.[4]

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais comuns são febre, dor de cabeça, mal-estar e dor muscular (mialgia). Comparada com a erliquiose granulócita humana, erupções cutâneas são mais comuns.[5] Anormalidades laboratoriais incluem trombocitopenia e leucopenia.

A gravidade da doença varia desde assintomática até causar o risco de vida. Septicemia pode ocorrer em pacientes imunodeprimidos.[6]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

A exposição ao carrapato geralmente é negligenciada. Para pacientes em que passam muito tempo expostos em regiões com alta incidência da doença, é necessário uma maior desconfiança.

A detecção da Ehrlichia pode não ocorrer em período agudo. PCR é a ferramenta mais adequada para se fazder o diagnóstico.[7]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Se há suspeita de erliquiose, o tratamento não pode ser adiado enquanto se espera uma confirmação laboratorial, e uma terapia com doxiciclina deve ser associada para se melhorar o prognóstico.[8]

O tratamento durante início da gravidez é problemático.[9]

Rifampicina tem sido usado durante a gravidez em pacientes alérgicos à doxiciclina.[10]

Referências

  1. Rapini, Ronald P.; Bolognia, Jean L.; Jorizzo, Joseph L. (2007). Dermatology: 2-Volume Set (St. Louis: Mosby). p. 1130. ISBN 1-4160-2999-0. 
  2. Schutze GE, Buckingham SC, Marshall GS; et al. (June 2007). "Human monocytic ehrlichiosis in children". Pediatr. Infect. Dis. J. [S.l.: s.n.] 26 (6): 475–9. doi:10.1097/INF.0b013e318042b66c. PMID 17529862. 
  3. Holden K, Boothby JT, Anand S, Massung RF (July 2003). "Detection of Borrelia burgdorferi, Ehrlichia chaffeensis, and Anaplasma phagocytophilum in ticks (Acari: Ixodidae) from a coastal region of California". J. Med. Entomol. [S.l.: s.n.] 40 (4): 534–9. doi:10.1603/0022-2585-40.4.534. PMID 14680123. 
  4. CDC Ehrlichiosis statistics
  5. Dumler JS, Choi KS, Garcia-Garcia JC; et al. (December 2005). "Human granulocytic anaplasmosis and Anaplasma phagocytophilum". Emerging Infectious Diseases [S.l.: s.n.] 11 (12): 1828–34. PMID 16485466. 
  6. Paddock CD, Folk SM, Shore GM; et al. (November 2001). "Infections with Ehrlichia chaffeensis and Ehrlichia ewingii in persons coinfected with human immunodeficiency virus". Clinical Infectious Diseases [S.l.: s.n.] 33 (9): 1586–94. doi:10.1086/323981. PMID 11568857. 
  7. Prince LK, Shah AA, Martinez LJ, Moran KA (August 2007). "Ehrlichiosis: making the diagnosis in the acute setting". Southern Medical Journal [S.l.: s.n.] 100 (8): 825–8. PMID 17713310. 
  8. Hamburg BJ, Storch GA, Micek ST, Kollef MH (March 2008). "The importance of early treatment with doxycycline in human ehrlichiosis". Medicine [S.l.: s.n.] 87 (2): 53–60. doi:10.1097/MD.0b013e318168da1d. PMID 18344803. 
  9. Muffly T, McCormick TC, Cook C, Wall J (2008). "Human granulocytic ehrlichiosis complicating early pregnancy". Infect Dis Obstet Gynecol [S.l.: s.n.] 2008: 359172. doi:10.1155/2008/359172. PMC 2396214. PMID 18509484. 
  10. Krause PJ, Corrow CL, Bakken JS (September 2003). "Successful treatment of human granulocytic ehrlichiosis in children using rifampin". Pediatrics [S.l.: s.n.] 112 (3 Pt 1): e252–3. doi:10.1542/peds.112.3.e252. PMID 12949322. 

Ver também[editar | editar código-fonte]