Estátuas falantes de Roma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estátua do Pasquino, a primeira estátua falante de Roma.

Estátuas falantes de Roma (em italiano: statue parlanti di Roma ou Congrega degli Arguti) foram uma série de estátuas — tradicionalmente seis — em que, desde o século XVI, imortalizaram sátiras contra tentativas de repressão de papas, cardeais e nobres. As estátuas proveram uma alternativa para a expressão política anónima em Roma.[1][2] As críticas, na forma de poemas ou gracejos eram publicadas nas estátuas mais conhecidas de Roma, como uma instância dos primeiros quadros de avisos.[1]

As estátuas encontram-se em pontos estratégicos no centro da cidade de Roma, e apesar de nenhuma ter sido primorosamente esculpida, ou se encontre em bom estado de conservação, com excepção de Marfório, todas prestaram grandes serviços para a difusão de ditos espirituosos e das atividades políticas de uma época em que a cidade era massacrada pela vontade exclusiva de potentes cardeais que elegiam papas e ao mesmo tempo roubavam e dilapidavam o acervo histórico da Roma Antiga. As sátiras e criticas de censura jocosa, eram mensagens frequentemente chamadas de "pasquinadas" que advém da mais popular estátua falante, o Pasquino. Além desta, as estátuas falantes incluem:a Madame Lucrezia, Facchino, Marfório, Abade Luigi e Babuino.[1][3][4]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Piperno, Roberto. «The Talking Statues of Rome». Consultado em 1 de junho de 2015 
  2. Statue Parlanti.it - Restauro delle statue parlanti di Roma
  3. Sullivan, George H. (2006). Not built in a day: exploring the architecture of Rome. [S.l.]: Carroll & Graf Publishers. 117 páginas. ISBN 0-7867-1749-1 
  4. Varriano, John L. (1995). A literary companion to Rome. [S.l.]: Macmillan. 167 páginas. ISBN 0-312-13112-7 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estátuas falantes de Roma