Estesícoro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Estesícoro (em grego: Στησίχορος, transl. Stēsíkhoros, trad. "aquele que dirige o coro", c. 640-556 a.C.) é o nome pelo qual ficou conhecido um poeta lírico grego originário da Magna Grécia. Apesar de integrar o cânone dos nove poetas líricos arcaicos, hoje pouco sabemos acerca da vida e obra de Estesícoro. A sua vasta obra foi reunida em 26 volumes pelos Alexandrinos (c. séc. III ou II a.C.). No entanto, até meados do séc. XX, apenas eram conhecidos pequenos comentários dos antigos e algumas citações dos poemas de Estesícoro. De 1957 até 1990 foram publicados (por Oxford e Lille) os fragmentos de pelo menos 7 poemas a que se juntam outros 7 que nos chegaram por tradição secundária (testemunhos antigos) que nos permitem hoje apreciar a criatividade narrativa e formal do poeta. Na verdade, nos últimos anos temos vindo a assistir a profícua revisitação da obra de Estesícoro, abrindo caminhos a novas abordagens.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estesícoro é associado à cidade de Hímera, na Sicília, por diversas fontes antigas.[1] No entanto, estas são pouco unânimes quanto à cidade natal do poeta. Se umas mantém Hímera como berço de Estesícoro, outras atribuem ao poeta outras origens, como a cidade de Metauro, ou Lócris Epicefíria,[2] ambas no sul da Itália (Magna Grécia).

Busto de Estesícoro. Jardim de Bellini, Catânia, Itália

Segundo a Suda, ele foi o criador dos corais em que o canto era acompanhado pela Lira. Mas ainda que seja incluído entre os poetas líricos, na escala e no tratamento seus poemas encontram-se mais próximos dos épicos de Homero do que das outras obras líricas. Exemplo disso é o poema "Gerioneida", que narra, detalhadamente, a morte de Gerião às mãos de Héracles.

Se na forma Estesícoro parecia ter nos épicos homéricos um modelo a ser imitado (como o demonstram vários fragmentos de sua produção poética), ele não relutava em contrariar a narrativa do autor da Ilíada sobre a Guerra de Troia. Em seu poema mais famoso, "Palinódia", insiste que Helena foi para o Egito e somente seu fantasma esteve em Troia, revitalizando uma antiga lenda bem aceita em vários pontos do mundo helênico.

Os musicólogos também atribuem a Estesícoro a adaptação do nomo aulódico "Harmateios", talvez condizente com sua métrica dactílica.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Davies, M. and Finglass P. J., 2014 Stesichorus: The poems. Cambridge.
  • Ercoles, M. 2013, Stesicoro: La testimonianze antiche. Bologna.
  • Kelly, A. and Finglass, P. J., 2015 Stesichorus in Context. Cambridge.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Ercoles, Marco (2013). Stesicoro: le testimonianze antiche [S.l.: s.n.] p. 67-8; 257-270. ISBN 978-88-555-3250-1. 
  2. Ercoles, Marco (2013). Stesicoro: le testimonianze antiche [S.l.: s.n.] p. 69; 160; 270-275. ISBN 978-88-555-3250-1.