Fürstenbund

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Deutsche Fürstenbund (em portugês: Liga dos Príncipes) foi uma aliança de príncipes maioritariamente protestantes no Sacro Império Romano-Germânico, formada em 1785, sob a liderança de Frederico II da Prússia. A aliança, que inicialmente compreendia os três principais estados do norte de Brandemburgo / Prússia, Hanôver e Saxónia, foi criada oficialmente para salvaguardar a integridade constitucional e o status quo territorial do Império, mas com o objectivo mais imediato de se opor à ambição de José II de adicionar a Baviera aos domínios do Habsburgo.

Pouco depois de se tornar o único governante das terras de Habsburgo à data da morte da sua mãe Maria Teresa em 1780, José II reviveu uma ambição antiga e entrou em negociações com o eleitor Karl Theodor do Palatinado e a Baviera com o objectivo de trocar a Baviera pelos Países Baixos Austríacos. Se o plano tivesse sido realizado, os Habsburgos aumentariam os seus domínios principais com um grande território de língua alemã contígua e, ao mesmo tempo, livrar-se-iam de províncias distantes que se mostraram difíceis e dispendiosas de defender sempre que a Áustria entrasse em guerra com a França e/ou a Prússia. Para Karl Theodor, o seu interesse no negócio era principalmente uma questão de prestígio pois ele imaginava-se como o governante, possivelmente com o título de rei, de um reconstruído Ducado da Borgonha composto pelos Países Baixos do Sul e pelas possessões na região do Alto e Baixo Reno, como o Palatinado do Reno e o Ducado de Berg-Jülich.

O acordo revelou-se desagradável tanto para o ambicioso Frederico II, que se viu como o principal monarca alemão, e para os eleitores de Hanôver e Saxónia, que se sentiam incomodados pelas profundas implicações políticas e estratégicas do projecto de troca territorial. Quando declararam publicamente a sua oposição através da criação de um Deutsche Fürstenbund, os governantes dos pequenos estados protestantes, incluindo Brunswick-Wolfenbüttel, Saxe-Gota, Saxe-Weimar, Mecklemburgo, Baden e Brandeburgo-Ansbach, depressa se juntaram a eles. O arcebispo-eleitor de Mainz, arqui-chanceler do Império, acabou por dar o seu apoio, não menos importante porque sabia que Karl Theodor e José II também pensavam em secularizar o arcebispado de Salzburgo, Inconvenientemente encravado entre a Baviera e a Áustria.[1]

Joseph II ficou surpreso com a súbita e forte oposição ao seu plano, e, após algumas belicosidades, suspendeu seu projecto. Tendo alcançado o seu verdadeiro objectivo, o Fürstenbund gradualmente desintegrou-se, e desapareceu completamente depois o início da Revolução Francesa em 1789, e da morte de José II no ano seguinte.

Referências

  1. John G. Gagliardo, Reich and Nation, The Holy Roman Empire as Idea and Reality, 1763–1806, Indiana University Press, 1980, pp. 74–75.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]