Farah Pahlavi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Farah Pahlavi
Farah Pahlavi em 1972
Imperatriz Consorte da Pérsia
Reinado 20 de março de 1961
a 11 de fevereiro de 1979
Coroação 26 de outubro de 1967
Sucessora Monarquia abolida
Rainha Consorte da Pérsia
Reinado 21 de dezembro de 1959
a 20 de março de 1961
Predecessora Soraya Esfandiary-Bakhtiari
 
Nascimento 14 de outubro de 1938 (83 anos)
  Teerão, Irão
Marido Mohammad Reza Pahlavi
Descendência Reza Pahlavi, Príncipe Herdeiro
Farahnaz Pahlavi
Ali-Reza Pahlavi
Leila Pahlavi
Casa Pahlavi (por casamento)
Pai Sohrab Diba
Mãe Farideh Ghotbi
Religião Islamismo xiita
Assinatura Assinatura de Farah Pahlavi
Brasão

Farah Pahlavi (em persa: فرح پهلوی, nascida Farah Diba (فرح دیبا); (Teerão, 14 de outubro de 1938) é viúva do último xá do Irã, Mohammad Reza Pahlavi, e foi a Shahbanu (imperatriz consorte) do Irã de 1959 a 1979.[1] Ela nasceu em uma família próspera cujas fortunas diminuíram após a morte prematura de seu pai. Enquanto estudava arquitetura em Paris, França, ela foi apresentada ao Xá na embaixada iraniana, e eles se casaram em dezembro de 1959. Os dois primeiros casamentos do Xá não produziram um filho - necessário para a sucessão real - resultando em grande alegria com o nascimento do príncipe herdeiro Reza em outubro do ano seguinte. Diba estava então livre para perseguir outros interesses além dos deveres domésticos, embora não tivesse permissão para um papel político. Trabalhou para muitas instituições de caridade e fundou a primeira universidade de estilo americano do Irã, permitindo que mais mulheres se tornassem estudantes no país. Ela também facilitou a compra de antiguidades iranianas de museus no exterior.

Em 1978, a crescente agitação anti-imperialista alimentada pelo comunismo, socialismo e islamismo em todo o Irã mostrava sinais claros de uma revolução iminente, levando Shahbanu e o Xá a deixar o país em janeiro de 1979 sob a ameaça de uma sentença de morte. Por esse motivo, a maioria dos países relutou em abrigá-los, com o Egito de Anwar Al Sadat sendo uma exceção. Enfrentando a execução caso retornasse, e com problemas de saúde, o Xá morreu no exílio em julho de 1980. Na viuvez, Diba continuou seu trabalho de caridade, dividindo seu tempo entre Washington, D.C. nos Estados Unidos e Paris, França.

Nascimento e casamento[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Teerão, única filha de Sohrab Diba e Farideh Diba. Seu pai era um militar cuja família era originária do Azerbaijão iraniano. Ele faleceu quando ela ainda era criança. Sua mãe supervisionou sua educação: Farah estudou na escola francesa de Terã e na École Spéciale d'Architecture, em Paris, onde foi aluna de Albert Besson. Enquanto estudante, foi apresentada ao Xá Mohammed Reza Pahlavi pelo então genro do mesmo, Ardeshir Zahedi. Após algum tempo, o Xá a pediu em casamento, e os dois contraíram núpcias em 21 de dezembro de 1959. Com o Xá, Farah deu à luz quatro filhos:

Participação social e social[editar | editar código-fonte]

Farah Diba, durante a visita do presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, em 30 de Maio de 1972

A imperatriz participou de questões culturais e de bem-estar social que interessavam ao xá e criou seu próprio círculo de patrocínio e influência. Ela foi patrocinadora do Festival Internacional de Shiraz. Farah, em geral, não estava envolvida na corrupção e nas ações repressivas da corte imperial, mas sua família tinha ampla representação em instituições culturais, caso do primo da imperatriz, Reza Qotbi, que foi nomeado diretor da rádio-televisão nacional iraniana.

Ele apoiou fortemente a política de modernização do xá, chamada de "Revolução Branca": expropriação de grandes propriedades, sufrágio feminino, ocidentalização e assim por diante. Embora essas reformas acabassem não atingindo mais que uma pequena parcela da população, a política econômica ligada ao petróleo favoreceu o enriquecimento excessivo da classe ligada ao poder e o empobrecimento de amplas camadas da população.

Revolução e exílio[editar | editar código-fonte]

Após a revolução iraniana de 1979, ela acompanhou o marido no exílio, até que ele morresse, em 27 de julho de 1980. Farah atualmente reside em Connecticut, Estados Unidos e em Paris, França.

Farah Pahlavi recentemente lançou um livro sobre seu casamento com o Xá, cujo título em inglês é An Enduring Love: My Life with the Shah- A Memoir.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Farah Pahlavi