Feira da Kantuta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A feira da Kantuta acontece no distrito do Pari na cidade de São Paulo, próximo à estação Armênia do metrô. É tradicional reduto de imigrantes bolivianos[1][2][3] e de outros países latinos.

Flor Kantuta

A Cantuta ou Kantuta é uma flor do altiplano andino que possui as mesmas cores da bandeira da Bolívia.    

História[editar | editar código-fonte]

A feira começou a ser realizada em 2001 na praça Padre Bento e no ano seguinte se mudou para a atual Praça Kantuta, entre as ruas Pedro Vicente, Carnot e das Olarias.

Segundo a Pastoral do Migrante, existem cerca de 200 mil bolivianos na cidade de São Paulo.[4]

Comidas tradicionais[editar | editar código-fonte]

Entre as comidas tradicionais bolivianas que são vendidas na feira estão o anticucho (coração de boi no espeto), o churrasco acompanhado de batata e molho de amendoim, as empanadas e salteñas, as sopas, o api (suco de milho roxo) e o buñuelo (massa frita parecida com o pastel brasileiro).[1]

Artesanato[editar | editar código-fonte]

Na feira também podem ser encontrados artesanatos tradicionais bolivianos, dentre eles vários objetos em barro e madeira, e também a tradicional flauta boliviana chamada .

Folclore[editar | editar código-fonte]

Na praça, principalmente nas datas festivas, também ocorrem diversas apresentações folclóricas com música e dança bolivianas.[3]

Referências

  1. a b Beatriz Camargo (22 de julho de 2006). «Kantuta é um pedaço de Bolívia na capital paulista». Repórter Brasil 
  2. «Feira Kantuta é pedacinho dos andes em SP». Folha de S. Paulo. 26 de junho de 2009 
  3. a b Rafael Carvalho (15 de julho de 2012). «Feira Kantuta: Um pedaço legítimo da Bolívia no centro de SP». Esse Mundo É Nosso 
  4. «Pastoral do Migrante». Consultado em 24 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 25 de dezembro de 2013 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.