Filipe de Sousa Holstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
D. Filipe de Sousa Holstein

Filipe de Sousa Holstein (Lisboa, Mártires, 26 de Dezembro de 1841 - Oleiros, Madeirã, 22 de Fevereiro de 1884), 1.º Marquês de Monfalim, foi um político português.

Família[editar | editar código-fonte]

D. Filipe de Sousa Holstein era o décimo quinto dos filhos e filhas (o caçula) de D. Pedro de Sousa Holstein, 1.º Conde, 1.º Marquês e 1.º Duque de Palmela (antes 1.º Duque do Faial), e de sua mulher D. Eugénia Francisca Xavier Teles da Gama.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era Bacharel formado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e foi Deputado da Nação, Oficial-Mor da Casa Real em 1858, elevado a Par do Reino em 1874, Comendador da Imperial Ordem da Rosa, do Brasil, etc.[2]

O título de 1.º Marquês de Monfalim foi-lhe concedido por Decreto de D. Luís I de Portugal de 9 de Agosto de 1861. Era já Marquês Honorário por Decreto de D. Pedro V de Portugal de 8 de Agosto de 1860, concessão feita aos filhos mais novos dos 1.ºs Duques de Palmela, a exemplo do que era uso em certas Casas Ducais, e usou as Armas dos Duques de Palmela: de Sousa dos Senhores de Arronches; timbre: de Sousa dos Senhores de Arronches; Coroa de Marquês.[3]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Casou a 29 de Julho de 1861 com sua sobrinha materna Eugénia Maria Filomena Brandão de Melo Cogominho Correia de Sá Pereira de Lacerda do Lago Bezerra e Figueiroa (Lisboa, Encarnação, 21 de Maio de 1840 - Lisboa, Lumiar, Quinta das Camélias, 30 de Junho de 1900), 4.ª Condessa e 3.ª Marquesa de Terena e 3.ª Viscondessa de São Gil de Perre por direito próprio como filha herdeira dos 3.ºs Condes e 2.ºs Marqueses de Terena e 2.ºs Viscondes de São Gil de Perre, sem geração. Não tiveram sucessão, pelo que a Representação do título de Marquês de Monfalim se incorporou na Casa Palmela, seguindo a Representação dos pessoais da Marquesa para a Casa dos Condes de Bertiandos, seus imediatos sucessores neles.[4]

Referências

  1. "Nobreza de Portugal e Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 13
  2. "Nobreza de Portugal e Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 13
  3. "Nobreza de Portugal e Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 13
  4. "Nobreza de Portugal e Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 13