Francisca Peixoto de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Francisca Peixoto de Sousa (São Paulo, 20 de agosto de 1895 - 7 de agosto de 1958 (62 anos)) foi uma benemérita brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filha de Francisco Peixoto de Sousa, natural de Merelim, no Distrito de Braga. Quando faleceu no Brasil, em 1913, deixou à filha uma considerável fortuna.

Francisca mudou-se para Portugal, casando-se ainda em 1913 com João José Ferreira do Rego (nascido em 7 de maio de 1893 em Palmeira, Braga, passando o casal a viver em Palmeira.

Em pouco tempo começou a dar nas vistas no ambiente rural português da época, pelo seu ostentar de riqueza, festas e luxúria. Em 1915 mandou iniciar as obras de um palácio de sonhos (mais tarde chamado Castelo da D. Chica), onde esperava realizar faustosas festas, tendo convidado para projetá-lo o arquitecto suíço Ernesto Korrodi.

Francisca apresentava um estilo de vida digno de aristocratas. Possuía quatro carros luxuosos e três motoristas. António Gomes do Vale Peixoto, célebre empresário bracarense, conhecido por "Pachancho", era o chefe da equipa e mecânico responsável. Francisca acreditando no seu talento emprestou-lhe 10 contos, para montar a sua primeira oficina na rua de santo André, em Braga.

Depois de várias desavenças com o marido, o casal separou-se, tendo Francisca ido viver para o Porto e casado com Henrique Ventura Teixeira (de quem dizem já ser amante), de quem teve um filho.

Anos mais tarde separou-se novamente, tendo regressado ao Brasil com o seu filho. Segundo a tradição local, antes de partir lançou uma maldição ao palácio: "Anda Castelo que nunca vais ser acabado ou habitado!"

Depois de viver em Paris, regressou ao Brasil, estabelecendo-se em Santos em 1927. Casou pela terceira vez com o capitalista italo-brasileiro Atílio Giordani.

Sabe-se que tem dois netos vivos.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.