Galinha caipira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Frango caipira)
Ir para: navegação, pesquisa
Galinha de capoeira com pintos recém-eclodidos
Galinhas caipiras soltas
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela ave enquanto animal vivo, veja Gallus gallus domesticus.

Galinha caipira ou galinha de capoeira[nota 1] é, na culinária brasileira, o termo usado para se referir ao galináceo doméstico criado solto em quintais e fazendas, em contraste com o de criação industrial ou de granja.[3][nota 2] Tal iguaria aparece como receita tradicional da culinária mineira e da maioria dos outros estados brasileiros.[4]

Relata-se que os tropeiros comiam apenas carne de sol e farinha durante suas viagens e, ao retornar para casa, ansiavam por algo diferente. Assim, as famílias preparavam o frango caipira acompanhado de pirão, arroz branco e feijão tropeiro. Outros autores afirmam que a galinha caipira com quiabo e angu, herança indígena, era usada para alimentar escravos.[5]

No livro Um, dois, feijão com arroz: a alimentação no Brasil de norte a sul há a seguinte citação:

A galinha de capoeira é aquela criada em sítios, de forma natural, ou seja, criada em seu habitat natural, sem ter sido submetida a nenhum tratamento para crescimento rápido.[3]

Já no livro Ser tão mineiro, de 1984, há a seguinte narrativa complementar:

No interior todo mundo criava galinhas no quintal. (...) Criadas em terrenos abertos, eram as chamadas galinhas caipiras, que botavam aqueles ovos vermelhos na casca e na gema.[6]

Notas

  1. Segundo o Dicionário Aulete, capoeira é “terreno com mato, cuja vegetação anterior foi roçada ou queimada para o cultivo da terra ou para outro fim”.[1] Do tupi ko'puera: ko (roça) + puera (que já foi).[2]
  2. Em virtude da influência da criação da indústria, tem havido uma tendência a chamar o preto “frango caipira” em áreas urbanas.

Referências

  1. Editores do Aulete (2013). «Verbete capoeira». Dicionário Caldas Aulete. Consultado em 15 de julho de 2017 
  2. CUNHA, Geraldo da (2003). Os estrangeirismos da língua portuguesa: vocabulário histórico-etimológico. [S.l.]: Humanitas, FFLCH/USP. 197 páginas. ISBN 9788575061237 
  3. a b FISBERG, Mauro; WEHBA, Jamal; COZZOLINO, Silvia M. Franciscato (2002). Um, dois, feijão com arroz: a alimentação no Brasil de norte a sul. [S.l.]: Atheneu. 418 páginas. ISBN 8573795336 
  4. BARRETO, Maria Laura; e NETORodrigo Galvani (2001). O ouro de Minas. [S.l.]: Fotoinverso. 94 páginas 
  5. Guia quatro rodas (2007). Minas Gerais. [S.l.]: Editora Abril 
  6. SILVA, Manoel Crisóstomo; SILVA, Cristiano Siquinelli (1984). Ser tão mineiro. [S.l.]: Edição do Autor 

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.