Garça-branca-pequena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGarça-branca-pequena
SnowyEgret-Florida.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes

Ciconiiformes

Família: Ardeidae
Género: Egretta
Espécie: E. thula
Nome binomial
Egretta thula
Molina, 1782
Sinónimos
Leucophoyx thula

A garça-branca-pequena (Egretta thula) é uma garça que ocorre na América temperada e tropical, com ampla distribuição no Brasil. A espécie chega medir até 54 cm de comprimento, possuindo plumagem branca com grandes egretes no período reprodutivo, bico e pernas negros e dedos amarelos. Também é conhecida pelos nomes de garça-pequena e garceta.

O nome do gênero vem do francês provençal para a garça-pequena, aigrette, que é um diminutivo de aigron, 'garça'. O nome da espécie thula é o termo Araucano para o cisne de pescoço preto, aplicado a esta espécie por engano pelo naturalista chileno Juan Ignacio Molina em 1782.[1]

Houve uma época em que as plumas da garça-branca eram muito procuradas como enfeites para chapéus femininos.[2] Eles foram caçados por essas plumas e isso reduziu a população da espécie a níveis perigosamente baixos.[3] Agora protegida por lei nos Estados Unidos, sob a Lei do Tratado de Aves Migratórias, a população dessa ave se recuperou.

Descrição[editar | editar código-fonte]

As garças-brancas-pequenas adultas são inteiramente brancas, exceto os loros amarelos entre o bico longo e preto e o olho, as pernas pretas e os pés amarelos brilhantes. A nuca e o pescoço apresentam longas plumas desgrenhadas conhecidas como egretes.[4] Garças-brancas-pequenas imaturas têm pernas mais opacas e esverdeadas.

Medidas : [5]

  • Comprimento : 56-66 centímetros
  • Peso : 370 gramas
  • Envergadura : 1 metro

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A garça-branca-pequena é nativa das Américas do Sul, Central e do Norte. Está presente o ano todo na América do Sul, indo até o sul do Chile e Argentina. Também ocorre ao longo do ano nas Índias Ocidentais, Flórida e regiões costeiras da América do Norte e Central. Na parte sul dos Estados Unidos é migratória, reproduzindo-se na Califórnia, Nevada, Utah, Colorado, Arizona, Novo México, Texas, Louisiana e Mississippi. É encontrada em pântanos de muitos tipos; pântanos, margens de rios, lagos, piscinas, sapais e estuários. Não é encontrada em grandes altitudes nem geralmente na costa.[6] A garça-branca-pequena já ocorreu como vagante na Europa, na Islândia, Escócia e Açores.[7]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

São reconhecidas duas subespécies:[8]

  • Egretta thula thula (Molina, 1782) - desde os Estados Unidos até o centro da Argentina e nas Índias Ocidentais.
  • Egretta thula brewsteri (Thayer & Bangs, 1909) - oeste dos Estados Unidos até Baja Califórnia e costa noroeste do México.

As subespécies diferem entre si pelo tamanho, sendo que Egretta thula thula é, em média, menor do que Egretta thula brewsteri e tem o tarso mais curto.[9]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Essa ave come peixes, crustáceos, insetos, pequenos répteis, caracóis, sapos, vermes e lagostins. Ela persegue a presa em águas rasas, geralmente correndo ou arrastando os pés, lançando a presa à vista balançando a cabeça, batendo as asas ou vibrando seus bicos. Ela também pode pairar ou "mergulhar" voando com os pés logo acima da superfície da água. A garça-branca-pequena também pode ficar parada e esperar para emboscar a presa ou caçar insetos incitados por animais domésticos em campos abertos. Ela às vezes se alimenta em grupos mistos de espécies.[10]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

A garça-branca-pequena se reproduz em colônias mistas, que podem incluir garças-grandes, socós, garças tricolores, garças-azuis, íbis pretos e colhereiros. O macho estabelece um território e começa a construir o ninho em uma árvore, cipó ou vegetação rasteira. Ele então atrai uma companheira com uma elaborada exibição de corte que inclui mergulhar para cima e para baixo, levantar contas, exibições aéreas, mergulhar, dar cambalhotas e chamar. A vizinhança imediata do ninho é protegida de outras aves e a fêmea termina a construção do ninho com materiais trazidos pelo macho. É construído com galhos, juncos, junças, gramíneas, musgo espanhol e materiais semelhantes e pode ter 38 centímetros de diâmetro. Colocam-se até seis ovos verde-azulados claros, que eclodem após cerca de 24 dias. Os jovens são altriciais e cobertos de penugem branca quando eclodem. Eles deixam o ninho após cerca de 22 dias.[11]

Achados fósseis[editar | editar código-fonte]

Fósseis da garça-branca-pequena foram relatados nas infiltrações de alcatrão de Talara, no Peru, em Bradenton, no condado de Manatee, e em Haile XIB, no condado de Alachua, na Flórida, Estados Unidos.[12] Os depósitos datavam do Pleistoceno Superior.[13][14][15][16]

Status[editar | editar código-fonte]

No início do século XX, a garça-branca foi amplamente caçada por causa de suas longas plumas reprodutoras que algumas mulheres usavam em seus chapéus. Esse comércio foi encerrado em 1910 na América do Norte, mas continuou por algum tempo na América do Sul e Central. Desde então, as populações se recuperaram.[17] A ave tem um alcance muito amplo e a população total é grande. Nenhuma ameaça particular foi reconhecida e a tendência populacional parece ser de aumento, então a União Internacional para a Conservação da Natureza avaliou seu estado de conservação como sendo de "menor preocupação".[18]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jobling, 2010, p.143, 385
  2. Saikku, Mikko (outono de 1990). «The Extinction of the Carolina Parakeet». Environmental History Review. 14: 9–10. JSTOR 3984724. doi:10.2307/3984724 
  3. «Snowy Egret: Life History». All About Birds. TheCornellLab. Consultado em 29 de março de 2019 
  4. (T. S. Schulenberg, Editor). «Snowy egret (Egretta thula. Cornell Lab of Ornithology: Neotropical Birds Online. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  5. «Snowy Egret Identification, All About Birds, Cornell Lab of Ornithology». www.allaboutbirds.org (em inglês). Consultado em 26 de setembro de 2020 
  6. (T. S. Schulenberg, Editor). «Snowy egret (Egretta thula. Cornell Lab of Ornithology: Neotropical Birds Online. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  7. «Twitchers flock to see UK's first snowy egret». The Scotsman. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  8. Clements, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan & C. L. Wood (2017). «The eBird/Clements checklist of birds of the world: v2017». The Cornell Lab of Ornithology (Planilha Excel) (em inglês). Disponível para download 
  9. «garça-branca-pequena (Egretta thula) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil». www.wikiaves.com.br. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  10. «Snowy Egret: Life History». All About Birds. TheCornellLab. Consultado em 29 de março de 2019 
  11. «Snowy Egret: Life History». All About Birds. TheCornellLab. Consultado em 29 de março de 2019 
  12. Egretta thula at Fossilworks.org
  13. Talara tar seeps at Fossilworks.org
  14. Bradenton at Fossilworks.org
  15. Haile XIB at Fossilworks.org
  16. Ligon, 1966
  17. «Snowy Egret: Life History». All About Birds. TheCornellLab. Consultado em 29 de março de 2019 
  18. BirdLife International (2016). "Egretta thula". IUCN Red List of Threatened Species. IUCN. 2016: e.T22696974A93595536. doi:10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22696974A93595536.en. Retrieved 3 December 2019.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jobling, James A. 2010. The Helm Dictionary of Scientific Bird Names, 143, 385. Christopher Helm. Accessed 11 Dec 2019. ISBN 978-1-4081-2501-4
  • Ligon, J.D. 1965. A Pleistocene avifauna from Haile, Florida. Bulletin of the Florida State Museum, Biological Sciences 10. 127-158. Accessed 11 Dec 2019.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.