Saltar para o conteúdo

Garça-branca-grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Garça-branca-grande
Adulto em plumagem de reprodução
Classificação científica edit
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes
Família: Ardeidae
Gênero: Ardea
Espécies:
A. alba
Nome binomial
Ardea alba
Linnaeus, 1758
(excluindo A. a. modesta)
  Reprodução
  Ano todo
  Inverno
Sinónimos
  • Casmerodius albus (Linnaeus, 1758)
  • Egretta alba (Cramp & Simmons, 1977)

Garça-branca-grande[2][3] (Ardea alba), também conhecida apenas como garça-branca, é uma ave da ordem Pelecaniformes. É uma garça de vasta distribuição e pode ser encontrada em todo o mundo, exceto Antártica.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome científico vem do latim ardea, "garça", e alba, "branco".[5]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Quatro subespécies são encontradas em várias partes do mundo, que diferem pouco. As diferenças entre elas incluem a coloração das partes nuas na época de reprodução e o tamanho. A menor subespécie, A. a. modesta, é da Ásia e da Australásia e alguns taxonomistas a consideram uma espécie distinta, a garça-real-oriental (Ardea modesta), mas a maioria dos cientistas a trata como uma subespécie.

Sinónimos[editar | editar código-fonte]

  • Egretta alba
  • Casmerodius alba
  • Ardea albus

Aparência[editar | editar código-fonte]

Adulto em voo (Califórnia, EUA)

Trata-se de uma ave de plumagem completamente branca, com bico longo e amarelado e as pernas e dedos negros. Apresenta enormes egretas no período reprodutivo. A íris é amarela.

Plumagem de reprodução (Karnataka, Índia)

Quando em pé, tem em média 90 centímetros de altura, podendo medir 80 a 104 centímetros de comprimento e uma envergadura de 131 a 170 centímetros.[6][7] A massa corporal pode variar de 700 gramas a 1 quilo e meio, com média em torno de 1 quilo.[8] É, portanto, apenas ligeiramente menor do que a garça-azul-grande (Ardea herodias) ou a garça-real-europeia (A. cinerea). Além do tamanho, a garça grande pode ser distinguida de outras garças brancas por seu bico amarelo e pernas e pés pretos, embora o bico possa ficar mais escuro e as pernas mais claras na época de reprodução. Na plumagem reprodutiva, delicadas penas ornamentais são carregadas no dorso. Machos e fêmeas são idênticos na aparência; juvenis parecem adultos não reprodutores. Diferencia-se da garça intermediária (A. intermedia) pelo bico, que no caso da garça-branca-grande se estende bem além da parte posterior do olho, mas termina logo atrás do olho no caso da garça intermediária.

Compartilhando um tronco com outras espécies (Karnataka, Índia)

Seu voo é lento, com o pescoço retraído. Isso é característico das garças e as distingue de cegonhas, grous, íbis e colhereiros, que estendem seus pescoços em voo. A garça-branca-grande caminha com o pescoço estendido e as asas fechadas. A garça-branca-grande normalmente não emite muitas vocalizações; emitindo um coaxar baixo e rouco quando perturbada. Em colônias de reprodução, geralmente emite um som alto, como um coaxar, cuk cuk cuk, e guinchos mais agudos.[9]

Devido à sua ampla distribuição em grande parte das Américas, bem como na África, Europa e Ásia, a garça-branca-grande compartilha seu habitat com muitas outras espécies semelhantes. Por exemplo, a garça-pequena-europeia (Egretta garzetta), a garça intermediária (Ardea intermedia), a garça chinesa (Egretta eulophotes ) e a garça dos recifes (Egretta gularis). Nas Américas, a garça-branca-pequena (Egretta thula) - uma garça de tamanho médio - é uma dessas espécies. A garça-branca-pequena é facilmente distinguida da garça-branca-grande porque é visivelmente menor e tem um bico mais fino, de cor preta e pés amarelos, enquanto a garça-branca-grande tem bico amarelo e pés pretos. Outra espécie que - na América do Norte - é facilmente confundida com a garça-branca-grande é o morfo branco da garça-azul-grande (Ardea herodias). A garça-azul-grande é um pouco maior e tem o bico mais grosso do que a garça-branca-grande.[10]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A garça-branca-grande é uma espécie muito bem-sucedida, com uma distribuição ampla e em expansão, ocorrendo em todo o mundo em habitats temperados e tropicais. É onipresente em todo o Cinturão do Sol dos Estados Unidos e nos Neotrópicos, incluindo toda a América Latina.[11]

Na Europa[editar | editar código-fonte]

Em 22 de maio de 2012, um casal de garças-brancas-grandes foi observado nidificando no Reino Unido pela primeira vez na reserva natural de Shapwick Heath em Somerset. A espécie era um visitante raro no Reino Unido e Ben Aviss, da BBC, afirmou que a notícia poderia significar que a primeira grande colônia de garças do Reino Unido havia se estabelecido. Na semana seguinte, Kevin Anderson, da Natural England, confirmou que um filhote de garça havia nascido, tornando-se um novo registro de reprodução da ave no Reino Unido. Em 2017, em sete ninhos em Somerset nasceram 17 filhotes,[12] e um segundo local de reprodução foi anunciado na Reserva Natural Nacional Holkham em Norfolk, onde um casal criou três filhotes.[13]

Um movimento semelhante para o norte foi observado nos países nórdicos, onde historicamente era apenas um visitante raro. A primeira reprodução confirmada na Suécia foi em 2012 e na Dinamarca em 2014. Ambos os países agora têm pequenas colônias.[14][15] Em 2018, um casal de garças fez ninhos na Finlândia pela primeira vez, criando quatro filhotes em uma colônia de garças-brancas-grandes em Porvoo.[16]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Na América do Norte, um grande número de garças-brancas-grandes foi morto no final do século 19 para que suas plumas, conhecidas como "aigrettes", fossem usadas para decorar chapéus.[17][18] Desde então, os números se recuperaram como resultado de medidas de conservação. Seu alcance se expandiu até o sul do Canadá. No entanto, em algumas partes do sul dos Estados Unidos, seus números diminuíram devido à perda de habitat, particularmente a degradação das zonas úmidas por meio de drenagem, pastoreio, desmatamento, queima, aumento da salinidade, extração de águas subterrâneas e invasão de plantas exóticas. No entanto, a espécie se adapta bem à habitação humana e pode ser facilmente vista perto de pântanos e corpos d'água em áreas urbanas e suburbanas.[11]

Em 1953, a garça-branca-grande em voo foi escolhida como o símbolo da National Audubon Society, que foi formada em parte para evitar a matança de pássaros por causa de suas penas.  [19][20]

Dieta[editar | editar código-fonte]

A garça-branca-grande forrageia em águas rasas ou em habitats mais secos, alimentando-se principalmente de peixes, sapos, outros anfíbios,[21] pequenos mamíferos (como camundongos)[22] e ocasionalmente pequenos répteis (como cobras),[22] crustáceos (como lagostins) [23] e insetos (como grilos e gafanhotos).[22] Esta espécie normalmente empala sua presa com seu bico longo e afiado; ela fica parada e, quando a presa chega perto, usa o bico como lança. Frequentemente, espera imóvel por uma presa ou persegue lentamente sua vítima.

Espetando um peixe

Parasitas[editar | editar código-fonte]

Um estudo de campo de longa duração (1962-2013) sugeriu que as garças-brancas-grandes da Europa central hospedam 17 espécies diferentes de helmintos. Os indivíduos juvenis mostraram hospedar menos espécies, mas a intensidade da infecção foi maior nos juvenis do que nos adultos. Dos parasitas digenéticos encontrados em grandes garças da Europa central, numerosas espécies provavelmente infectaram seus hospedeiros definitivos fora da própria Europa central.[24]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

A garça-branca-brande é retratada no verso de uma nota de 5 reais do Brasil.[25]

Na Bielorrússia, uma moeda comemorativa tem a imagem de uma garça-branca-grande.[26] Ela também aparece na moeda de $ 2 da Nova Zelândia e na moeda húngara de 5 forints.[27]

Uma fotografia retocada de uma garça-branca-grande em plumagem reprodutiva por Werner Krutein é apresentada na capa do álbum Angel Dust de Faith No More de 1992.[28]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Garça-branca-grande

Referências

  1. BirdLife International (2019). «Ardea alba». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2019: e.T22697043A155465940. doi:10.2305/IUCN.UK.2019-3.RLTS.T22697043A155465940.enAcessível livremente. Consultado em 19 de novembro de 2021 
  2. «Ardeidae». Aves do Mundo. 26 de dezembro de 2021. Consultado em 5 de abril de 2024 
  3. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. ISSN 1830-7809. Consultado em 5 de abril de 2024. Cópia arquivada (PDF) em 23 de abril de 2022 
  4. Veiga, E. F. (1 de junho de 2012). «Ardea alba Linnaeus, 1758». Wiki Aves - A Enciclopedia das Aves do Brasil. Consultado em 12 de maio de 2023 
  5. Jobling, James A (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. pp. 37, 54. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  6. Predefinição:Cite AllAboutBirds
  7. «Animal Bytes – Egrets». Seaworld. Consultado em 25 de setembro de 2013. Arquivado do original em 21 de junho de 2013 
  8. Dunning Jr., John B., ed. (1992). CRC Handbook of Avian Body Masses. [S.l.]: CRC Press. ISBN 978-0-8493-4258-5 
  9. «Great Egret». Audubon Guide to North American Birds. 10 de julho de 2016 
  10. «Similar Species for Great Egret». All About Birds. Ithaca, New York: Cornell Lab of Ornithology. 2021. Consultado em 19 de março de 2021 
  11. a b BirdLife International (2019). "Ardea alba". IUCN Red List of Threatened Species. 2019: e.T22697043A155465940. doi:10.2305/IUCN.UK.2019-3.RLTS.T22697043A155465940.en. Retrieved 19 November 2021.
  12. Adrian Pitches (2017). «England's Mediterranean Breeding Season». British Birds. 110 (9): 430 
  13. «Great White Egret breeds successfully in Norfolk for the first time». Rare Bird Alert. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  14. «Første danske koloni af den sjældne sølvhejre opdaget». Dansk Ornitologisk Forening. 1 de junho de 2017. Consultado em 29 de junho de 2022 
  15. Aronsson, N. (2019). «Snabb framryckning av flera arter i landet». Vår Fågelvärld. 6. ISSN 2002-8717 
  16. «Jalohaikara pesi ensimmäistä kertaa Suomessa – Porvoossa haudotut poikaset lennähtivät maailmalle». Yle Uutiset (em finlandês). 7 de agosto de 2018. Consultado em 11 de agosto de 2018 
  17. Souder, William. «How Two Women Ended the Deadly Feather Trade». Smithsonian Magazine (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2021 
  18. «Aigrette definition and meaning | Collins English Dictionary». www.collinsdictionary.com 
  19. «Timeline of Accomplishments». National Audubon Society. Consultado em 6 de março de 2011. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2013 
  20. «Historical Highlights: Signature Species». National Audubon Society. Consultado em 6 de março de 2011. Cópia arquivada em 30 de março de 2009 
  21. «Ardea alba (Great Egret_» (PDF). The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago. University of the West Indies. Consultado em 6 de agosto de 2022 
  22. a b c «Ardea alba (Great egret)». Animal Diversity Web 
  23. Jones, J. (2002). «Ardea alba: great egret». Animal Diversity Web. University of Michigan. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  24. Sitko, J.; Heneberg, P. (2015). «Composition, structure and pattern of helminth assemblages associated with central European herons (Ardeidae)». Parasitology International. 64 (1): 100–112. PMID 25449288. doi:10.1016/j.parint.2014.10.009 
  25. «Current Banknotes - Banco Central do Brasil». www.bcb.gov.br. Consultado em 7 de junho de 2021 
  26. «1 Rouble, Belarus». en.numista.com (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2021 
  27. «5 Forint». Numista. Consultado em 17 de maio de 2020 
  28. Putterford, Mark. «Faith No More - Dusted». Rip 
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.