Geometria molecular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Geometria molecular da água

Geometria molecular é o estudo de como os átomos estão distribuídos espacialmente em uma molécula. Esta pode assumir várias formas geométricas, dependendo dos átomos que a compõem. As principais classificações são: linear, angular, trigonal plana, piramidal e tetraédrica. É um parâmetro de importância fundamental para a previsão da polaridade de uma molécula.[1]

Para se determinar a geometria de uma molécula, é preciso conhecer a teoria da repulsão dos pares eletrônicos da camada de valência.

Teoria da repulsão dos pares eletrônicos[editar | editar código-fonte]

A Teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência (VSEPR, em inglês)), proposta por R. Gillespie (1963), aponta que os pares eletrônicos (elétrons de valência, ligantes ou não) do átomo central se comportam como nuvens eletrônicas que se repelem e, portanto, tendem a manter a maior distância possível entre si. Mas, como as forças de repulsão eletrônica não são suficientes para que a ligação entre os átomos seja desfeita, essa distância é verificada no ângulo formado entre eles. Técnicas como espectroscopia e difração de raios X são utilizadas para a determinação experimental de ângulos de ligação.

Tipos de geometria molecular[editar | editar código-fonte]

As geometrias moleculares são obtidas a partir dos arranjo molecular assumido por suas nuvens eletrônicas. As geometrias moleculares fundamentais são aquelas em que o átomo central não apresenta pares de elétrons não ligantes, são elas: geometria linear, trigonal ou trigonal plana, tetraédrica, bipiramidal trigonal ou bipirâmide trigonal, octaédrica e bipiramidal pentagonal ou bipirâmide pentagonal. Contudo, caso existam pares eletrônicos não ligantes, as geometrias moleculares assumem nomes específicos, sendo alguns deles: geometria angular, piramidal, gangorra, "T" e quadrada plana.

  • Linear: Acontece em toda molécula biatômica (que possui dois átomos), a exemplo do Ácido clorídrico (HCl), ou em outra molécula cujos ângulos de ligação formem 180°, como a do gás carbônico (CO2), por exemplo, que contém apenas dois pares eletrônicos ligantes e nenhum isolado, apresentando um ângulo de 180° entre as ligações;
  • Trigonal plana ou triangular: Acontece quando há três nuvens eletrônicas ao redor do átomo central . Estas devem fazer ligações químicas, formando um ângulo de 120° entre os átomos ligados ao átomo central. Obs: caso duas das nuvens eletrônicas forem de ligações químicas e uma de elétrons não ligantes a geometria é angular, como descrita abaixo;
  • Tetraédrica: Acontece quando há quatro nuvens eletrônicas ao redor do átomo central e todas fazem ligações químicas. O átomo central assume o centro de um tetraedro regular. Ângulo de 109º 28' ;
  • Bipirâmide Trigonal: Acontece quando há cinco nuvens eletrônicas ao redor do átomo central, todas fazendo ligação química. O átomo central assume o centro de uma bipiramide trigonal, sólido formado pela união de dois tetraedros por uma face comum. Como exemplo cita-se a molécula PCl5. Os ângulos entre as ligações são 120° e 90°;
  • Octaédrica: Acontece quando há seis nuvens eletrônicas ao redor do átomo central e todas fazem ligações químicas, formando ângulos de 90° nas regiões axiais e 180° nas regiões equatoriais;
  • Piramidal Pentagonal: Acontece quando há sete nuvens eletrônicas ao redor do átomo central e todas fazem ligações químicas, totalizando oito elementos na estrutura. Os ângulos que podem ser obtidos com essa geometria são 90° e 72°.

Tabela de geometria molecular[editar | editar código-fonte]

Domínios eletrônicos ou Nuvens eletrônicas D.E. ligantes D.E. não ligantes Geometria Ângulo das ligações Exemplo Imagem
2
2
0
linear
180°
CO2
Linear-3D-balls.png
3
3
0
trigonal
120°
BF3
AX2E1-3D-balls.png
3
2
1
angular
120° (119°)
SO2
Bent-3D-balls.png
4
4
0
tetraédrica
109,5°
CH4
AX4E0-3D-balls.png
4
3
1
piramidal
109,5° (106,5°)
NH3
AX3E1-3D-balls.png
4
2
2
angular
109,5° (104,5°)
H2O
AX2E2-3D-balls.png
5
5
0
bipiramidal trigonal
90°, 120°
PCl5
Trigonal-bipyramidal-3D-balls.png
5
4
1
gangorra
180°, 120° (173,1°, 101,6°)
SF4
AX4E1-3D-balls.png
5
3
2
forma de T
90°, 180° (87,5°, < 180°)
ClF3
AX3E2-3D-balls.png
5
2
3
linear
180°
XeF2
AX2E3-3D-balls.png
6
6
0
octaédrica
90°
SF6
AX6E0-3D-balls.png
6
5
1
piramidal quadrada
90° (84,8°)
BrF5
AX5E1-3D-balls.png
6
4
2
quadrada plana
90°
XeF4
AX4E2-3D-balls.png
7
7
0
bipiramidal pentagonal
90°, 72°
IF7
Pentagonal-bipyramidal-3D-balls.png

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. VALENTE, Mário; MOREIRA, Helena. (out/nov 2006). «Estrutura de Lewis e Geometria Molecular... mas não necessariamente por essa ordem!» (PDF). Sociedade Portuguesa de Química. Consultado em 20 jan 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)

2. ATKINS, P.W.; JONES, Loretta. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

 
Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.