Gibson Girl

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Desenho de Charles Dana Gibson.

A Gibson Girl é considerada o primeiro ideal de beleza feminina nos Estados Unidos. Criada pelo artista Charles Dana Gibson (1867–1944), Gibson Girl apareceu em várias revistas e reproduções, tornando-se um dos ícones do século XX.[1]

Na Primeira Guerra Mundial, o corpo e as características aristocráticas da garota, eram consideradas como um modelo que muitas jovens norte-americanas queriam copiar, e um retrato romântico dos traços femininos. Também foi uma das primeiras pin-ups.

Além de alta e magra, mas com formas, ela usava espartilho. Tinha o nariz e a boca pequena que foram bem desenhados, mas seus olhos eram grandes. Elegante e bem vestida, correspondia com a imagem de uma senhora bem-educada.

A Gibson Girl representava na época a imagem completa da moda, da beleza e do êxito social.

Buscava também uma certa independência e realização pessoal. Não abandonava os seus estudos e ela queria que fosse ela que escolhesse o homem que gostava. Desportista, auto-confiante, sorria com frequência, mas não costumava rir, sempre mantendo uma certa distância.

Com o aumento das sufragistas, a moda mudou consideravelmente. Logo se ficaram para trás os corsets, a favor dos vestidos curtos e sem formas. Na década de 1920 a Garota Gibson foi ultrapassada em comparação com a moda de melindrosas.

Com base nos ideais tradicionais de beleza feminina, Gibson criou uma imagem muito peculiar da mulher perfeita.


Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Gibson Girl's America: Drawings by Charles Dana Gibson». Gibson Girl (em inglês). Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Consultado em 9 de abril de 2015 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Gibson Girl