Ginette Hamelin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ginette Hamelin
Nascimento 4 de março de 1913
Clermont-Ferrand
Morte 14 de outubro de 1944 (31 anos)
Campo de concentração de Ravensbrück
Cidadania França
Alma mater ESTP Paris
Ocupação engenheira, arquiteta, membro da Resistência Francesa
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra

Ginette Hamelin (Clermont-Ferrand, 4 de março de 1913 – 14 de outubro de 1944), nascida Ginette Sylvere, foi uma engenheira e arquiteta francesa que se tornou membro da resistência francesa e oficial de inteligência na Segunda Guerra Mundial. Ela morreu em um campo de concentração em 1944.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hamelin nasceu em Clermont-Ferrand, Puy-de-Dôme, França, em 4 de março de 1913. Seu pai era o Major Antoine Sylvère, o qual liderou um grande grupo de maquis na região sudoeste da França. Sua irmã era a cantora Jany Sylvaire. Hamelin estudou engenharia e arquitetura na Escola Especial de Obras Públicas, onde foi a primeira mulher a se formar nessa área. Casou-se com N. Hamelin, cunhado do futuro primeiro-ministro Jacques Chaban-Delmas. Em 1934, Hamelin tornou-se membro da Juventude Comunista da França.[2][3]

Praça Ginette-Hamelin

O marido de Hamelin foi morto em 1940, e ela se juntou à Resistência em 1941. Ela fazia parte da Frente Nacional de Libertação e Independência da França junto de sua irmã. Elas lutaram ao lado de André Debon. Hamelin juntou-se aos Francs-Tireurs et Partisans, onde se tornou segunda-tenente e também chefe de um serviço de inteligência. No dia 13 de abril de 1943, Hamelin foi capturada e enviada para Fort de Romainville. De lá, foi deportada para o campo de concentração de Ravensbrück em 29 de agosto. Ela morreu no campo em 14 de outubro de 1944.[2][4][5][3][6][7]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Seu nome está inscrito nos memoriais de guerra de Joigny e Auxerre. Uma praça no 12º distrito de Paris recebeu seu nome em 2003.[2][8]

Referências

  1. Bailly, R. (1984). Occupation hitlérienne et résistance dans l'Yonne (et zones limitrophes) (em francês). [S.l.]: A.N.A.C.R.-Yonne 
  2. a b c «HAMELIN Ginette [née SYLVERE Ginette]». Maitron (em francês) 
  3. a b Maurel, M. (2016). Un camp très ordinaire (em francês). [S.l.]: Minuit. ISBN 978-2-7073-4301-7 
  4. Debon, A.; Pinson, L. (1994). La Résistance dans le Bocage normand (em francês). [S.l.]: Editions Tirésias. ISBN 978-2-908527-21-6 
  5. Jérôme, J. (1985). Les Clandestins: 1940-1944 : souvenirs d'un témoin. Col: Témoignages et documents (em francês). [S.l.]: FeniXX réédition numérique. ISBN 978-2-402-00407-7 
  6. Terre de cendres: Ravensbrück et Belsen, 1943-1945 (em norueguês). [S.l.]: Oeuvres françaises. 1946 
  7. Bailly, R. (1990). Si la Résistance m'était contée: --á travers les événements de l'Yonne (et environs) (em francês). [S.l.]: ANACR-Yonne 
  8. «Place Ginette Hamelin». Place Ginette Hamelin