Gonçalo Mendes de Brito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Doutor Gonçalo Mendes de Brito, de Viana do Castelo[1], deputado e presidente da Mesa da Consciência e Ordens[2], juiz desembargador dos Agravos da Casa da Suplicação e do Paço. Esteve como corregedor com alçada de Viseu e sua comarca (1675 a 1676)[3] e também visto simultâneamente como curador da Comarca da mesma cidade de Viseu[4]. Assim como o era, em 25 de Junho de 1678, corregedor do crime do Bairro de São Paulo, em Lisboa [5].

Foi igualmente juiz da Confraria de Nossa Senhora da Encarnação da Ameixoeira (16851690) e que durante esse período, em 1688, é o responsável pelo pagamento ao azulejador pela colocação de azulejos na nave da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação da Ameixoeira, na referida cidade capital[6]; é a custa do desembargador Gonçalo Mendes de Brito, que foi feito o retábulo-mor e a tribuna para expor o Santíssimo Sacramento[7].

Ainda em 4 de Fevereiro de 1700 foi juiz relator numa sentença[8].

E segundo refere Carvalho da Costa, na sua edição de 1712, apesar que ocupar o lugar de desembargador foi também superintendente do Tabaco em Lisboa[9].

Igualmente surge como procurador do Visconde de Vila Nova de Cerveira, D. Diogo de Lima[10].

Tirou o bacharelato em cânones na Universidade de Coimbra[11].

Como curiosidade, é uma das duas pessoas que o médico João Curvo Semedo, pioneiro na investigação da medicina natural, se refere como tendo curado das aparições de seres fantasmagóricos durante o sono[12].

Dados genealógicos[editar | editar código-fonte]

Filho do 1.º casamento de Susana Barbosa de Almeida (filha herdeira de Francisco de Abreu Pereira, o Cacheiro, senhor do Paço de Lanheses e de Ana Barbosa de Almeida[13]), com Gonçalo Mendes de Brito seu homónimo e seu pai que era, por sua vez, filho de outro do mesmo nome. Sem geração.

Referências

  1. Gonçalo Mendes de Brito, 1655-10-22 a 1662-06-15, Arquivo da Universidade de Coimbra
  2. Suely Creusa Cordeiro De Almeida, O Sexo Devoto, Editora Universitária UFPE, pág. 192-193
  3. Documentos Respeitantes à Contenda entre o Doutor Gonçalo Mendes de Brito, do Desembargo do Paço, Corregedor com Alçada na Cidade de Viseu e sua Comarca, e o Vigário Geral da Comarca, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, cota Viscondes de Vila Nova de Cerveira, cx. 29, n.º 14
  4. Contestação a uma Sentença Embargada, apresentada por Gonçalo Mendes de Brito, Curador da Comarca de Viseu, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, cota Viscondes de Vila Nova de Cerveira, cx. 60, n.º 58
  5. Arquivo Nacional Torre do Tombo, Portal Português dos Arquivos, Código de referência: PT/TT/VNC/N/27104
  6. Igreja Paroquial da Ameixoeira / Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, Sistema Electrónico para o Património Arquitectónico
  7. Luiz Cardoso, Diccionario Geografico, ou Noticia Historica de todas as Cidades, Villas, Lugares e Aldeas ... dos Reynos de Portugal e Algarve, Officina Sylviana da Academia Real, Lisboa, pág. 445
  8. António Caetano de Sousa, Memorias historicas, e genealogicas dos grandes de Portugal, que contém a origem, e antiguidade de suas familias: os estados, e os nomes dos que actualmente vivem, suas arvores de costado, as allianças das casas, e os escudos de armas, que lhes competem, até o anno de 1754, pág. 337
  9. António Carvalho da Costa, Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal, na Off. de Valentim da Costa Deslandes, 1712, pág. 583
  10. Cota atual: Viscondes de Vila Nova de Cerveira, cx. 22, n.º 28, ANTT
  11. Gonçalo Mendes de Brito, 1655-10-22 a 1662-06-15, Arquivo da Universidade de Coimbra
  12. Observaçones medicas doutrinaes de cem casos gravissimos: que em serviço da patria, & das naçoes estranhas escreve em lingua portugueza, & latina, por João Curvo Semmedo, na officina de Antonio Pedrozo Galram, Lisboa, 1707, pág. 588
  13. Nobiliário das Famílias de Portugal, Felgueiras Gayo, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989-vol. II-pg. 271 (Barbosas § 62 N 26)