Gyðinga saga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Gyðinga saga (Saga dos Judeus) é um relato em Nórdico Antigo da história judaica compilado a partir de traduções de vários textos latinos. Começando com um relato das conquistas de Alexandre, o Grande, passa a cobrir cerca de 220 anos de história judaica, desde a ascensão de Antíoco IV Epifânio em 175 AEC até Pôncio Pilatos se tornar procurador da Judéia em 26 EC.[1][2] A principal fonte manuscrita da Gyðinga saga conclui com um epílogo que atribui sua tradução para o nórdico antigo a Brandr Jónsson (falecido em 1264), bispo de Hólar. Neste manuscrito, a saga Gyðinga segue a Alexanders saga, que também é atribuída a Brandr Jónsson.[3][4] A saga não tem título em AM 226 fol; o nome saga Gyðinga parece datar do século XIX. Árni Magnússon referiu-se a ele como 'Historia Judaica' e 'Historia Macchabeorum '.

Preservação e autoria[editar | editar código-fonte]

A Gyðinga saga é preservada em cinco manuscritos em velino e dezesseis manuscritos em papel, dos quais sete têm valor independente.[1][2] A saga é preservada intacta em AM 226 fol de 1350-1360. No entanto, a comparação com os fragmentos mais antigos AM 655 XXV 4to e AM 238 XVII fol mostra que a Gyðinga saga era originalmente mais longa e que a versão em AM 226 fol foi reduzida em comprimento em cerca de um terço.[5]

A Gyðinga saga termina com o seguinte epílogo:

O santo sacerdote Jerônimo traduziu este livro do hebraico para o latim, mas foi traduzido do latim para o nórdico pelo padre Brandr Jónsson, que mais tarde foi bispo de Hólar; e [Brandr] então [traduzido] Alexandre, o Grande, a mando do senhor honorável, Senhor Rei Magnus, filho do Rei Hákon, o Velho.[4]

Como Brandr morreu em 1264, isso é tão tarde quanto a saga poderia ter sido originalmente compilada, se de fato foi escrita por ele. Essa data pode ser adiada para 1263, já que o epílogo se refere a Brandr como "sacerdote" e não como "bispo"; ele serviu como bispo de Hólar de 1263 até sua morte no ano seguinte. Magnus Haakonsson detém o título de rei desde 1257. Isso coloca a autoria da saga Gyðinga em algum momento entre 1257 e 1263, se a atribuição do epílogo estiver correta.[6]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Em AM 226 fol, a Gyðinga saga é dividida em 39 capítulos; estes se enquadram em 3 seções com base em fontes diferentes. Os primeiros 21 capítulos são baseados em 1 Macabeus, com material adicional retirado de 2 Macabeus e da Historia Scholastica de Pedro Comestor. Os capítulos 22-32 são baseados na Historia scholastica. A seção final, capítulos 33-38, é baseada no precursor da Lenda Dourada de Tiago de Voragine.[1] Esta seção final fornece um relato apócrifo das vidas de Pôncio Pilatos e Judas Iscariotes, bem como uma versão curta da história judaica de Calígula se tornando imperador em 37 EC até a morte de Herodes Agripa em 44 EC.[2] Perto do final da saga, parte de seu conteúdo coincide com o da Rómverja saga.[7]

Apesar de ser baseada em fontes bíblicas, a Gyðinga saga minimiza os aspectos morais e religiosos de suas fontes e é apresentada como uma obra de historiografia.[8]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Wolf, Kirsten (1995). Gyðinga saga. Stofnun Árna Magnússonar á Íslandi. [S.l.: s.n.] 

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Kirsten, Wolf (1993). «Gyðinga saga». In: Pulsiano; Wolf. Medieval Scandinavia: An Encyclopedia. Garland. New York: [s.n.] pp. 253–254. ISBN 0824047877 
  2. a b c Wolf. «The sources of Gyðinga saga». Arkiv för Nordisk Filologi. 105. 140 páginas 
  3. «Stjórn mm. | Manuscript | Handrit.is». handrit.is. Consultado em 26 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  4. a b Wolf. «Gydinga Saga, Alexanders Saga, and Bishop Brande Jónsson». Scandinavian Studies. 60: 371–400. ISSN 0036-5637. JSTOR 40918962 
  5. Wolf. «The sources of Gyðinga saga». Arkiv för Nordisk Filologi. 105. 141 páginas 
  6. Wolf. «Gydinga Saga, Alexanders Saga, and Bishop Brande Jónsson». Scandinavian Studies. 60: 371–372. ISSN 0036-5637. JSTOR 40918962 
  7. Würth, Stefanie (2005). «Historiography and Pseudo-History». In: McTurk. A Companion to Old Norse-Icelandic Literature and Culture. Blackwell Publishing. Malden, Oxford, Victoria: [s.n.] pp. 166 
  8. Würth, Stefanie (2005). «Historiography and Pseudo-History». In: McTurk. A Companion to Old Norse-Icelandic Literature and Culture. Blackwell Publishing. Malden, Oxford, Victoria: [s.n.] pp. 167