Haftorá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Haftorá ou haftará (em hebraico הפטרה‎; "separação", "tomar licença", plural haftarot ou haftorás - apesar das semelhanças ela não está relacionada com a palavra Torá) é uma série de seleções dos livros dos Neviim ("Profetas") da Bíblia Hebraica (Tanakh) que é lido publicamente na sinagoga como parte da prática religiosa judaica. A leitura da haftará segue a leitura da Torá em cada shabat e nos festivais judaicos e dias de jejum. Normalmente, a haftará é tematicamente ligada à parashá (porção da Torá) que a precede.[1] A haftará é entoada em um canto (conhecido como "trop" em idish ou "Cantilação" em Português). Bençãos relacionadas precedem e seguem a leitura da haftará.

Origens[editar | editar código-fonte]

O costume da leitura das haftarot tem origens desconhecidas. A maioria dos estudiosos defende que se trate de uma prática originária dos tempos de Antíoco IV Epifânio que ao proibir a leitura da Torá encontraram na leitura dos Neviim um substituto para burlar esta lei.

Outras explicações foram oferecidas. Os rabinos Reuven Margolies e Samson Raphael Hirsch defenderam que a haftará foi instituida como uma maneira de combater a influência de seitas como os samaritanos que defendiam o uso apenas da Torá.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Goswell argumenta que o arranjo "sugere que devemos entender os livros de Josué a Reis como ilustrando e aplicando a teologia e a ética do Pentateuco." Gregory Goswell, "The Hermeneutics of the Haftarot," Tyndale Bulletin 58 (2007), 100.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.