Hieracômpolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hieracômpolis
Localização atual
Hieracômpolis está localizado em: Egito
Hieracômpolis
Localização de Hieracômpolis no Egito
Coordenadas 25° 50' N 32° 46' E
País  Egito
Dados históricos
Fundação Período pré-dinástico
Abandono Reino Novo

Hieracômpolis (em grego clássico: Ἱεράκων πόλις; transl.: Hierakōn polis , lit. "Cidade do Falcão"[1]), Nequém (Nekhen) ou Com Alamar (em árabe: الكوم الأحمر‎; transl.: Kōm el-Aḥmar , lit. "O Monte Vermelho"[2]) foi capital política e religiosa do Alto Egito no fim do pré-dinástico (3200–3100 a.C.) e talvez durante o início da Época Tinita (3100–2686 a.C.). O sítio compreende um assentamento e necrópole e está a 80 quilômetros ao sul de Luxor.[1]

Sítio[editar | editar código-fonte]

Hieracômpolis esteve particularmente associada ao culto do deus Hórus, razão pelo qual foi chamada dessa forma em grego. Floresceu durante o final do pré-dinástico e Época Tinita (4000–2686 a.C.). Sua má registrada escavação realizada por James Quibell e Frederick W. Green descobriu em 1894 o "Depósito Principal", um estrato entre duas muralhas ligadas a um complexo templário do Reino Antigo (2686–2181 a.C.) dentro do assentamento.[3][4] O estrato parece ter consistido sobretudo de objetos cerimoniais do protodinástico (ca. 3 000 a.C.) como a paleta de Narmer e a cabeça de clava de Escorpião. Outras escavações conduzidas nos anos 70 e 80 descobriram sítios pré-dinásticos no deserto circundante, o único santuário pré-dinástico conhecido e ajudaram a ampliar a compreensão do padrão sócio-econômico dela na Época Tinita. O chamado "forte" do faraó Quenerés (m. 2 686 a.C.) é agora entendido como recinto funerário como o Xunete Elzebibe de Abidos.[5][6][7]

Uma das mais importantes descobertas em Hieracômpolis no cemitério pré-dinástico foi a Tumba 100, a tumba de tijolos alinhados do fim de Nacada II (3500–3200 a.C.) decorada com pinturas murais, mas cuja localização é hoje desconhecida.[8] Em 2009, foi achada a mais antiga coleção zoológica conhecida do planeta, datada de 3 500 a.C.; dentre os animais havia hipopótamos, elefantes, babuínos, gatos-bravo e vacas-do-mato.[9] Também foram encontradas ao longo das escavações túmulos posteriores, datados do Reino Médio, Segundo Período Intermediário e Reino Novo. No túmulo pintado de Horencauefe, do Segundo Período Intermediário, foi encontrada uma inscrição biográfica que relata a jornada de Horencauefe à capital.[10]

História[editar | editar código-fonte]

Pinturas murais da Tumba 100

Hieracômpolis era um dos grandes centro do pré-dinástico do Alto Egito. Já era relevante desde Nacada I (4000–3500 a.C.),[11][12] mas em Nacada II tornar-se-ia o mais importante centro, talvez conquistando a antes predominante Nacada. Pensa-se que se tornou capital de um reino por esse tempo, junto de Abidos mais ao norte, e conflitaram entre si por hegemonia e melhor acesso às terras férteis.[13] [14][15][16][17] A supracitada Tumba 100 certamente pertenceu a um governante local da cidade.[18] Em Nacada III (3200–3000 a.C.), o maior centro de poder era Abidos, mas Hieracômpolis manteve muito de seu poder pelo acesso privilegiado às rotas comerciais do sul, assim como as minas da Núbia.[19] Com a unificação do Egito, Hieracômpolis tornou-se capital do terceiro nomo do Alto Egito, posição que brevemente perdeu durante o Reino Novo, quando Nequebe, na outra margem do rio, superou-a.[20]

Referências

  1. a b Shaw 1995, p. 127.
  2. Richardson 2003, p. 429.
  3. Shaw 2000, p. 197.
  4. Shaw 2003, p. 32.
  5. Shaw 1995, p. 127-128.
  6. Friedman 2006, p. 31; 36.
  7. Friedman 2002.
  8. Shaw 1995, p. 128.
  9. Rose 2010.
  10. Hoffman 1986, p. 186.
  11. Grimal 1988, p. 24.
  12. Shaw 2000, p. 479.
  13. Carneiro 1987, p. 50.
  14. Kemp 2005, p. 32.
  15. Byrnes 2007c.
  16. Wilkinson 2000, p. 376-94.
  17. Kohler 1995, p. 79.
  18. Byrnes 2005c.
  19. Byrnes 2007b.
  20. Shaw 1995, p. 92.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Byrnes, Andie (2007c). «Naqada II». The Archaeology of the Eastern Desert 
  • Carneiro, Robert L. (1987). «The chiefdom: Precursor of the state». In: Jones, G. D.; Kautz, R. R. The transition to statehood in the New World. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Friedman, Renee (2006). «The Fort at Hierakonpolis». Ancient Egypt. 6 (6) 
  • Grimal, Nicolas (1988). A History of Ancient Egypt. Hoboken, Nova Jérsei: Wiley-Blackwell 
  • Hoffman, Michael Allen; Hamroush, Hany A.; Allen, Ralph O. (1986). «A Model of Urban Development for the Hierakonpolis Region from Predynastic through Old Kingdom Times». Jornal do Centro de Pesquisa Americano no Cairo. 23. doi:10.2307/40001098 
  • Kemp, B. (2005). Ancient Egypt Anatomy of a Civilisation (em inglês). Routledge: Londres 
  • Kohler, C. (1995). «The State of Research on Later Predynastic Egypt: New Evidence for the Development of the Pharaonic State?». GM. 147: 79-92 
  • Shaw, Ian; Paul Nicholson (1995). «Nierakonpolis (Kom el-Ahmar; anc. Nekhen)». In: Harry N. Abrams. The Dictionary of Ancient Egypt (em inglês). Nova Iorque: Princeton University Press. ISBN 0810932253 
  • Shaw, Ian (2000). The Oxford History of Ancient Egypt. Oxônia: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-280458-7 
  • Shaw, Ian (2003). The Oxford History of Ancient Egypt. Oxônia: Oxford University Press 
  • Wilkinson, Toby (2000). «Political Unification: Towards a Reconstruction». Mitteilungen des Deustchen Archaologischen Instituts, Abteilung Kairo. 56: 377-395