The Human League

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Human League)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Human League
The Human League.jpg
The Human League em 2011
Informação geral
Origem Sheffield, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) New wave
Synth-pop
Eletrônica
Período em atividade 1977 - hoje
Integrantes Joanne Catherall
Philip Oakey
Susan Ann Sulley
Ex-integrantes Ian Burden
Jo Callis
Ian Craig Marsh
Martyn Ware
Philip Adrian Wright
Página oficial www.thehumanleague.co.uk

The Human League é uma banda britânica de new wave e synth-pop[1] formada em 1977 em Sheffield, tendo atingido grande popularidade na década de 1980 e regressado depois em meados dos anos 1990. Originalmente um grupo pós-punk de sintetizadores de Sheffield, Inglaterra, sua composição tem-se alterado ao longo dos anos, sendo que o único membro original ainda na banda é o vocalista e compositor Philip Oakey.[2] Foram um dos grupos pioneiros da música eletrónica, tendo editado os álbuns "Reproduction" em 1979 e "Travelogue" em 1980, ambos com pouco sucesso. Posteriormente Martyn Ware e Ian Craig Marsh sairam da banda para formar os Heaven 17.

Em 1981 editam o álbum "Dare!", com uma sonoridade mais pop, em que se destaca a inclusão de duas novas vocalistas, Joanne Catherall e Susan Ann Sulley.

O álbum "Dare!" é, ainda hoje, considerado como um dos mais importantes álbuns de synth-pop, sendo de destacar os singles "The Sound of the Crown", "Love Action", "Open your Heart" e "Don't you Want Me" (1º lugar em cinco países, incluindo Inglaterra e EUA).[carece de fontes?]

Outros temas de destaque são "Mirror Man" (nº 2 em Inglaterra) e "(Keep Feeling) Fascination" (nº 2 em Inglaterra e nº 8 nos EUA), ambos incluídos no EP "Fascination", "Human" (nº 8 em Inglaterra e nº 1 nos EUA), do álbum "Crash", produzido por Jimmy Jam e Terry Lewis (produtores de Janet Jackson e Alexander O'Neal) e já nos anos 90, "Tell Me When" e "One Man in my Heart", do álbum "Octopus" que é considerado um dos melhores álbuns do grupo.[carece de fontes?]

A banda realizou dois shows no Brasil. Sua primeira apresentação foi no festival Nokia Trends. A segunda apresentação foi em um show em 6 Abril de 2011, no Via Funchal, em São Paulo.

Em Portugal, actuaram em 2007 num concerto na Praça do Comércio, em Lisboa, e em 2019 no Festival EDP Vilar de Mouros, o mais antigo do país.[carece de fontes?]

Desde 1978, the Human League lançou nove álbuns de estúdio, quatro EPs, 30 singles e várias compilações. Eles tiveram cinco álbuns e oito singles no UK Top 10 e venderam mais de 20 milhões de discos ao redor do mundo.[3][4]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

  • 1978: "Being Boiled"
  • 1979: "The Dignity of Labour EP (Instrumental)" / "Empire State Human"
  • 1980: "Holiday '80 EP" / "Only After Dark"
  • 1981: "Boys and Girls" / "The Sound of the Crowd" / "Open Your Heart" / "Love Action" / "Don't You Want Me?"
  • 1982: "Mirror Men"
  • 1983: "(Keep Feeling) Fascination"
  • 1984: "The Lebanon" / "Life on your own" / "Louise"
  • 1986: "Human" / "I Need Your Loving" / "Love Is All That Matters"
  • 1990: "Heart like a Wheel" / "Soundtrack to a Generation"
  • 1994: "Tell me when" / "One man in my Heart" / "Filling up with Heaven"
  • 1996: "Stay with me tonight"
  • 2001: "All I ever wanted"

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

  • 2002: The Golden Hour of The Future (Recordings by The Future and The Human League)
  • 2002: Dare / Love And Dancing - 21st Anniversary Edition
  • 2003: The very best of
  • 2005: Live at the Dome

Membros[editar | editar código-fonte]

Membros atuais
  • Philip Oakey – vocais, teclados (1977–presente)
  • Joanne Catherall – vocais (1980–presente)
  • Susan Ann Sulley – vocais (1980–presente)

Referências

  1. Ankeny, Jason. «The Human League Biography». AllMusic. Consultado em 20 de outubro de 2018. Synth pop's first international superstars, the Human League were among the earliest and most innovative bands to break into the pop mainstream on a wave of synthesizers and electronic rhythms, their marriage of infectious melodies and state-of-the-art technology proving enormously influential on countless acts following in their wake. 
  2. Harvel, Jess (12 de setembro de 2005). «Now That's What I Call New Pop!». Pitchfork Media. Consultado em 20 de outubro de 2018 
  3. «Human League Back in Big League». Contactmusic.com. 11 de janeiro de 2010. Consultado em 20 de outubro de 2018 
  4. «Human League record first album for nine years». Sheffield Telegraph. 14 de janeiro de 2010. Consultado em 20 de outubro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]