Igreja de Nossa Senhora do Pópulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja de Nossa Senhora do Pópulo
Igreja de Nossa Senhora do Pópulo: Portal; Torre Sineira
Estilo dominante Gótico, Manuelino
Religião Igreja Católica
Diocese Patriarcado de Lisboa
Património Nacional
Classificação Logotipo Anta Vilarinho PT.png Monumento Nacional
Data 1910
DGPC 70287
Geografia
País  Portugal
Local Nossa Senhora do Pópulo,
CLD.png Caldas da Rainha

A Igreja de Nossa Senhora do Pópulo, também referida como Igreja Matriz das Caldas da Rainha (1500), integra o conjunto do Hospital Termal Rainha D. Leonor na freguesia de Nossa Senhora do Pópulo, cidade e concelho das Caldas da Rainha, distrito de Leiria, sub-região do Oeste, Portugal. Foi classificada como Monumento Nacional em 1910 (Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910) e é hoje um dos elementos patrimoniais mais significativos do município.

História[editar | editar código-fonte]

A povoação de Caldas da Rainha, tal como a sua Misericórdia e Hospital, foram fundados pela rainha D. Leonor em 1485. Dez anos mais tarde o Papa autorizou a fundação de uma capela anexa, também ela sob a invocação de Nossa Senhora do Pópulo; em comunicação direta com o hospital através de um corredor abobadado, destinava-se ao acompanhamento espiritual dos doentes (no dia de chegada, era aí que se confessavam e comungavam para depois iniciarem os tratamentos).[1] [2]

Os elementos essenciais da igreja (nave e capela-mor) ficaram concluídos em 1500; o templo seria elevado a Igreja Matriz em 1510, ano em que foi terminada a torre sineira e instalaram a pia batismal. Diversas obras de beneficiação e reabilitação teriam lugar ao longo dos anos, entre as quais a construção do coro-alto (1544-46), a inclusão de elementos decorativos em talha, pinturas e esculturas (1518, 1533, 1639, 1659, 1675, 1732, 1750, etc.), o revestimento em azulejo (1658-59), ou a instalação de um novo órgão, doado por D. João VI (1825).[1] [2]

Características[editar | editar código-fonte]

A traça da igreja é de autoria do Mestre Mateus Fernandes (arquiteto do Mosteiro da Batalha durante mais de 25 anos). Neste edifício, pertencente ao ciclo pré-manuelino, as opções tipicamente góticas surgem complementadas por formas orgânicas e por uma gramática decorativa que prenunciam o estilo nascente.[1] [2]

O interior, de nave única, é coberto por abóbada de artesões, comunicando com a capela-mor através de um arco triunfal policêntrico (a simular as dobras de uma cortina), encimado por escudo régio e tríptico de pintura quinhentista com episódios da Paixão de Cristo (atribuído a Cristóvão de Figueiredo[3] ou ao Mestre da Lourinhã[2] ). Cobre a capela-mor uma abóbada de nervuras com decoração heráldica no fecho. O retábulo em pedra do altar-mor – de colunas clássicas, encimado por um baixo relevo que figura o Padre Eterno –, é uma obra tardo-renascentista e poderá datar do final do século XVI. As paredes da nave e da capela-mor são integralmente revestidas com azulejos do tipo padrão, azuis e amarelos (século XVII). Destaquem-se ainda os dois altares laterais, com retábulos de talha dourada barroca e frontais de azulejos quinhentistas, e a pia batismal, de planta octogonal e profusamente rendilhada, atribuída a Pedro (ou Pêro) e Filipe Henriques (escultores da antiga pia da Sé Velha de Coimbra; hoje na Sé Nova).[1] [2] [3]

Exteriormente destaca-se a torre sineira, com arcos policêntricos encimados por relógio; inclui gárgulas de teor zoomórfico e duas esculturas quinhentistas representando o Anjo Gabriel e a Virgem da Anunciação. Na fachada, ornada com ameias, abre-se o portal do início do século XVI, de arco de volta inteira e grande sobriedade decorativa.[1] [2] [3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AA. VV., Guia de Portugal, Vol. II, Coimbra, Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.
  • ALMEIDA, José António Ferreira de (dir.), Tesouros artísticos de Portugal, Porto, Selecções do Reader’s Digest, 1982.
  • ATANÁZIO, M. C. Mendes, A arte do manuelino, Lisboa, Editorial Presença, 1984.
  • BATORÉO, Manuel, “O triptíco da paixão da igreja do Pópulo das Caldas da Rainha. Entre as leituras e as contra-leituras”, Artis – Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, N.º2 – Outubro de 2003, Braga, 2003.
  • BATORÉO, Manuel. O triptíco da paixão da igreja do Pópulo das Caldas da Rainha: Problemas de leitura e contra-leitura.
  • DIAS, Pedro, A arquitectura gótica portuguesa, Lisboa, Editorial Estampa, Lisboa, 1994.
  • PEREIRA, Paulo (dir.), “A igreja do Pópulo e a obra de Mateus Ferandes”, História da arte portuguesa, vol. I, Temas e Debates, 1995.
  • PESSANHA, José, “A igreja de nossa senhora do Pópulo das Caldas da Rainha em 1656”, sepª do Boletim da Real Associação dos Archeologos Portuguezes, Lisboa, Real Associação, 1910.
  • RESENDE, Garcia de, Crónica de D. João II e miscelânia, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1973.
  • SANTOS, Reinaldo dos, O estilo manuelino, Lisboa, Academia Nacional de Belas Artes, 1952.
  • SEGURADO, Jorge, “Boytac e a capela de nossa senhora do Pópulo”, sep.ª de Belas-Artes N.º31, Lisboa, Academia Nacional de Belas-Artes, 1977.
  • SILVA, José Custódio Vieira da, A igreja de nossa senhora do Pópulo das Caldas da Rainha, Caldas da Rainha, 1985.
  • SILVA, José Custódio Vieira da, “A igreja de nossa senhora do Pópulo”, Terra de águas: Caldas da Rainha, história e cultura, Caldas da Rainha, Câmara Municipal das Caldas da Rainha, 1993.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja de Nossa Senhora do Pópulo, Caldas da Rainha

Referências

  1. a b c d e AMartins. Igreja matriz das Caldas da Rainha Direção Geral do Património Cultural. Visitado em 19-08-2015.
  2. a b c d e f Igreja Paroquial das Caldas da Rainha / Igreja de Nossa Senhora do Pópulo SIPA – Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana.
  3. a b c Almeida, José António Ferreira de (coordenação) – Tesouros Artísticos de Portugal. Lisboa: Seleções do Reader's Digest, 1976, p.163