Igreja do antigo Mosteiro de Jesus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Convento de Jesus de Setúbal
Estilo dominante Manuelino
Arquiteto Diogo Boitaca
Construção 1491-1495 (igreja)
Função inicial Mosteiro feminino da Ordem de São Francisco
Proprietário atual Estado Português
Função atual Igreja e museu
Património Nacional
Classificação  Monumento Nacional
Data 1910
DGPC 70218
SIPA 3439
Geografia
País Portugal
Cidade Setúbal

A Igreja do antigo Mosteiro de Jesus ou Convento de Jesus de Setúbal é uma igreja de estilo gótico situada em Setúbal, considerada como um dos primeiros exemplos do estilo manuelino.[1]

Foi desenhada pelo arquitecto Diogo Boitaca em 1494, por voto de Justa Rodrigues Pereira, ama de D. Manuel I.[2]

Planta da Igreja de Jesus, da vila de Setúbal e do seu convento de freiras (1699-1743) por João Tomás Correia. Este desenho representa vários detalhes do edifício hoje perdidos.

O interior tem arcos, janelas e colunas torsas feitas em brecha da Arrábida, que suportam as abóbadas. O tecto apresenta nervuras espiraladas.

A inclusão do Convento de Jesus na lista inicial das Marcas do Património Europeu, corresponde ao reconhecimento internacional do mais importante monumento nacional urbano de Setúbal e de um dos mais relevantes exemplares da arquitectura manuelina a sul do Rio Tejo.

O objectivo destas Marcas, promovidas no âmbito do Conselho da Europa e da União Europeia, é “dar visibilidade aos sítios que celebram e simbolizam a integração, os ideais e a história da Europa”. Recorde-se que Setúbal foi palco da ratificação do Tratado de Tordesilhas, em 5 de Setembro de 1494 pelo rei D. João II (em cujo reinado foi fundado o convento). Este facto, aliás, foi evocado em 1994, aquando das comemorações do quinto centenário do tratado e que trouxeram à cidade o monarca espanhol Juan Carlos.

Em Junho de 2013, a federação pan-europeia de património cultural, Europa Nostra, incluiu o Convento de Jesus, numa lista dos sete monumentos mais ameaçados da Europa.[3]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AFONSO, Patrícia Cristina dos Reis Fonseca. O Retábulo em Setúbal. Dissertação de mestrado em História da Arte (História da Arte Portuguesa) apresentada à Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve em 2009.
  • ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de. «A Igreja de Jesus de Setúbal» in Revista da Faculdade de Letras [da Universidade do Porto].
  • ALMEIDA, Mariana Brito. Convento de Jesus (Setúbal) Arqueologia e História: Faiança decorada. Dissertação de mestrado em Arqueologia apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em setembro de 2012.
  • CÂNDIDO, Maria João; NETO, José Luís. «A Arqueologia no Museu de Setúbal/Convento de Jesus» in Revista da Faculdade de Letras [da Universidade do Porto] I série, volume VII-VIII, pp. 115-125.
  • CARVALHO, João Carlos de Almeida. Acontecimentos, lendas e tradições da região setubalense. Setúbal: Junta Distrital de Setúbal. Volume 3: Convento de Jesus, 1969.[1]
  • COUTO, João. «O Calvário», painel do políptico da Igreja do Convento de Jesus, em Setúbal» in Boletim da Academia Nacional de Belas Artes, fasc. IV. Lisboa 1938.
  • GOMES, Saúl António. «Doces Obrigações: O Exercício Abacial no Mosteiro de Jesus de Setúbal: Séculos XVI a XVIII» in Revista de História da Sociedade e da Cultura, 9 (2009), pp. 43-85. ISSN: 1645-2259.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista. «Sobre o manuelino de Setúbal» in Setúbal na História. Setúbal : Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão, 1990.
  • PORTELA, Manuel Maria. «Sepultura no Convento de Jesus» in O Archeologo Portugues, pg. 159
  • SILVA, Carlos Tavares da Silva. «O Largo e a Igreja de Jesus de Setúbal : Uma Abordagem Arqueológica» in Convento de Jesus, 500 anos, Arqueologia e História. Setúbal : Câmara Municipal de Setúbal, 1989, pgs. 5-21.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja do antigo Mosteiro de Jesus


Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Publicação de parte dos textos de João Carlos de Almeida Carvalho existentes no Arquivo Distrital de Setúbal. Organização e notas de Óscar Paxeco.