Ilse Schwidetzky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilse Schwidetzky
Nascimento 6 de setembro de 1907
Leszno
Morte 18 de março de 1997 (89 anos)
Mainz
Cidadania Alemanha
Ocupação antropólogo, professora universitária
Empregador Universidade de Mainz, Universidade de Breslávia

Ilse Schwidetzky, casada Rösing (Leszno, 6 de setembro de 1907Mainz, 18 de março de 1997) foi uma antropóloga alemã nascida na Polônia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ilse Schwidetzky nasceu em Leszno, então parte da Posnânia e hoje da Polônia, onde seu pai, Georg Schwidetzky, era prefeito, e foi radicada na Alemanha, havendo-se mudado com a família para Leipzig em 1920.[1] Em 1935, passou a ser pesquisadora assistente de Egon von Eickstedt, um dos principais antropólogos raciais do país.[2] Em 1947, tornou-se professora em Mainz, e foi admitida, por influência de Leopold von Wiese, na Sociedade Alemã de Sociologia.[3] Tornou-se a figura central da antropologia alemã do pós-Guerra, além de uma notória promotora da tradição de tipologias raciais que recebeu de Eickstedt.[4] Faleceu em 18 de março de 1997 em Mainz, aos 89 anos de idade.[5]

Referências

  1. Hans-Christian Harten, Uwe Neirich, Matthias Schwerendt. Rassenhygiene als Erziehungsideologie des Dritten Reichs. Bio-bibliographisches Handbuch. Berlim, 2006, p. 471
  2. Dirk Preuß: „Anthropologe und Forschungsreisender“: Biographie und Anthropologie Egon Freiherr von Eickstedts (1892–1965). Munique, 2009, p. 132
  3. Henning Borggräfe, Sonja Schnitzler: Die Deutsche Gesellschaft für Soziologie und der Nationalsozialismus. Verbandsinterne Transformationen nach 1933 und nach 1945, in: Michaela Christ, Maja Suderland (Herausgeberinnen), Soziologie und Nationalsozialismus: Positionen, Debatten, Perspektiven. Berlim: Suhrkamp, 2014, p. 462.
  4. Hubert Fehr: Germanen und Romanen im Merowingerreich. Berlim/Nova Iorque, 2010, p. 120
  5. Wolfram Bernhard, Rainer Knußmann, Friedrich W. Rösing: Ilse Schwidetzky 6.9.1907–18.3.1997. Homo, 48, 1997, pp. 205–212.