Incidente de 26 de Fevereiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Incidente de 26 de Fevereiro
Rebel troops in February 26 Incident.JPG
Data 26-29 de fevereiro de 1936
Local Tóquio, Japão
Desfecho Revolta reprimida.
Perda de influência do Kōdō-ha.
Aumento da influência militar sobre o governo.
Combatentes
Exército Virtuoso Exército imperial japonês
Naval Ensign of Japan.svg Marinha Imperial Japonesa
Principais líderes
Shirō Nonaka
Kiyosada Kōda
Yasuhide Kurihara
Teruzō Andō
Takaji Muranaka
Asaichi Isobe
Hisashi Kōno
Imperador Hirohito

Príncipe Kan'in Kotohito
Kōhei Kashii
Yoshiyuki Kawashima
Hajime Sugiyama

Forças
1.558 ou 1.483[1] 23.841[2]

O Incidente de 26 de Fevereiro' (二・二六事件, Niniroku Jiken?) (também conhecido como Incidente 2-26) foi uma tentativa de golpe de Estado no Japão em 26 de fevereiro de 1936. Foi organizada por um grupo de jovens oficiais do Exército Imperial Japonês, com o objetivo de expurgar seus rivais e facções ideológicas oponentes da liderança do governo e das forças armadas.

Embora os rebeldes conseguissem assassinar várias altas autoridades (incluindo dois ex-primeiros-ministros) e ocupar o centro do governo de Tóquio, não conseguiram assassinar o primeiro-ministro Keisuke Okada ou garantir o controle do Palácio Imperial. Seus partidários no exército fizeram tentativas para tirar partido de suas ações, mas as divisões entre os militares, combinada com a raiva imperial no golpe, demonstrou que não seriam capazes de conseguir uma mudança de governo. Diante da esmagadora oposição, visto que o exército moveu-se contra eles, os rebeldes se renderam em 29 de fevereiro.[3]

Ao contrário de exemplos anteriores de violência política por jovens oficiais, a tentativa de golpe teve consequências graves. Após uma série de julgamentos fechados, 19 dos líderes da revolta foram executados por motim e outros 40 presos. A facção radical Kōdōha perdeu sua influência dentro do exército, o período de "governo pelo assassinato" chegou ao fim e os militares aumentaram seu controle sobre o governo civil.[4]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Chaen (2001), p. 130
  2. Chaen (2001), p. 146. Number does not include IJN personnel.
  3. Jansen (2002), p. 598
  4. «The 2.26 Incident of 1936». Modern Japan in archives - National Diet Library 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bix, Herbert P. (2000). Hirohito and the Making of Modern Japan. Perennial.
  • Brown, Delmer M. (1955). Nationalism in Japan. University of California Press.
  • Chaen Yoshio (2001). Zusetsu Ni Niroku Jiken. Nihon Tosho Center.
  • Crowley, James B. (1962). "Japanese Army Factionalism in the Early 1930's" The Journal of Asian Studies (21:3).
  • Hane, Mikiso (1983). Emperor Hirohito and His Chief Aide-de-Camp: the Honjo Diary, 1933-36. University of Tokyo Press.
  • Jansen, Marius (2002). The Making of Modern Japan. Harvard University Press.
  • Kita Hiroaki (2003). Ni Niroku Jiken Zenkenshō. Asahi Shimbun.
  • Shillony, Ben-Ami (1973). Revolt in Japan: The Young Officers and the February 26, 1936 Incident. Princeton University Press.
  • Storry, Richard (1957). The Double Patriots: A Study of Japanese Nationalism. Greenwood Press.
  • Yoshii Hiroshi (ed.) (1989). Mokugekisha ga Kataru Showa-shi (Vol. 4): 2/26 Jiken. Shin-Jinbutsuoraisha.