Ivar, o Desossado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ivar Ragnarsson)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ivar, o Desossado (em nórdico antigo: Ívarr hinn Beinlausi), também chamado Ivar, filho de Ragnar (Ivar Ragnarsson), foi um chefe viquingue dinamarquês ou sueco do século IX (teria morrido por volta de 873). Notas posteriores a sua morte referem-no como um dos filhos do poderoso rei viquingue Ragnar Calças Peludas.

Carreira Militar[editar | editar código-fonte]

De acordo com as Crônicas Anglo-Saxônicas, Ivar teria sido um dos líderes - ou mesmo o principal - do Grande Exército Pagão que invadiu a Grã-Bretanha em 865. Nessa invasão, teria sido acompanhado pelos irmãos Ubbe e Biorno. Enquanto as lendas em torno de seu nome apontam, como motivo da invasão, a busca de vingança dos irmãos contra o rei Aella da Nortúmbria, suposto matador de Ragnar, a História aponta como causa mais provável a busca, por parte dos escandinavos, de terras consideradas por eles vastas e férteis.

Após atacar a Ânglia Oriental e a Nortúmbria, Ivar teria se estabelecido em Iorque (chamada pelos escandinavos Jorvic). Após a tomada da cidade, tratou de executar o rei Aella, cumprindo sua suposta vingança. Depois de sustentar sua posição em Iorque, atacaria novamente a Ânglia oriental, dessa vez tomando o reino e aprisionando seu rei, Edmundo, que viria a se tornar santo. O registro da vida do rei Edmundo - A Paixão de Santo Edmundo de Abbo de Fleury - imputa a Ivar a tortura e execução do rei.

Em algum momento dos anos seguintes à tomada de Ânglia Oriental, Ivar parece ter abandonado suas atividades na Grã-Bretanha, deixadas para os irmãos Ubba e Halfdan, para estabelecer um domínio em Dublim. Lá ele teria morrido como rei por volta de 873. Acredita-se que Ivar seria o fundador da casa Uí Ímair (Casa de Ivar), dos governantes do reino de Dublim entre os séculos IX e X, e possivelmente também da Nortúmbria, a partir de Iorque.

Ivar Sem-Ossos[editar | editar código-fonte]

Não se sabe, ao certo, a origem da alcunha "Sem-Ossos". A mais provável seria uma alusão a sua magreza, ou ainda a alguma doença degenerativa dos ossos - essa tese é reforçada por relatos de que Ivar seria carregado por seus homens sobre um escudo, o que seria uma deferência por sua posição, mas poderia ser por uma incapacidade de andar.

Ficção[editar | editar código-fonte]

Ivar é referido como um dos principais personagens do romance O Último Reino, primeiro volume da série Crônicas Saxônicas de Bernard Cornwell. O romance reproduz os episódios da tomada de Iorque e da execução do rei Edmundo. Na ficção de Cornwell, Ivar abandona a Nortúmbria aos cuidados de Ubba e parte com Halfdan para Dublim, onde morre em combate.

No terceiro volume da série, Os Senhores do Norte, é referido que os descendentes de Ivar passaram a governar Iorque, embora não formalmente e sofrendo contestação de outros chefes dinamarqueses.

Ivar também é posto na série Vikings, do Canal History, como filho do Guerreiro e Rei Ragnar. É tido como alguém incapacitado de andar por conta de uma má geração das pernas e que, de início, é carregado pelos irmãos ou servos.

Ver também[editar | editar código-fonte]