Júlia Mesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Júlia Mesa em uma moeda cunhada em Sídon. No verso, a deusa Astarte

Júlia Mesa (em latim: Iulia Maesa; ca. 170 — ca. 226) foi uma integrante da dinastia Severa, do Império Romano, que foi a maior potência por trás do trono nos reinados de seus netos, Heliogábalo e Alexandre Severo,[1] como Augusta do Império de 218 até sua morte.[2] Nascida em Emesa, Síria (atual Homs), em uma família árabe de sacerdotes da divindade Heliogábalo, era filha de Júlio Bassianus e irmã mais velha da imperatriz romana Júlia Domna.

Através do casamento da irmã, Maesa tornou-se cunhada de Septímio Severo e tia de Caracala e Geta, que se tornaram imperadores. Ela mesma se casou com o sírio Júlio Avito, que era de posição consular.[3][4] Ela lhe deu duas filhas, Júlia Soémia e Júlia Mameia,[1] que se tornaram mães de Heliogábalo e Severo Alexandre, respectivamente.[3]

A dinastia severa foi dominada por mulheres poderosas, uma das quais era Maesa. Como sua irmã, ela também exerceu o maior poder político e exerceu o poder de comando em todo o Império Romano. Politicamente capaz e implacável, ela lutou pelo poder político após o suicídio de sua irmã.[1] Ela é mais conhecida por suas tramas e intrigas que resultaram na restauração da dinastia Severa ao trono romano após o assassinato de Caracalla e a usurpação do trono por Macrino.[5] Depois disso, ela manteve o poder até morrer em Roma.[6] Mais tarde, ela foi deificada na Síria junto com sua irmã.[7][3] A dinastia severana terminou em 235.[8]

Primeiros anos e casamento[editar | editar código-fonte]

Júlia Mesa nasceu em 7 de maio[7] antes de 160, a filha mais velha do sacerdote Júlio Bassiano em Emesa, Síria, atualmente chamada de Homs,[9] como parte da dinastia Emesana.[10] Ela tinha uma irmã mais nova, Julia Domna, que mais tarde se tornaria imperatriz romana após seu casamento com Septímio Severo, que na época de seu casamento era senador.[11]

Como Maesa era árabe,[10][2] seu cognome, Maesa, é o nomen agentis feminino do verbo árabe "masa", que significa caminhar com um andar oscilante.[12][2] Esse seria um nome feminino apropriado, pois o verbo do qual foi derivado foi usado por poetas árabes para descrever as figuras das mulheres sobre as quais eles escrevem.[12] Embora nenhum relato escrito descrevendo sua aparência sobreviva, seus traços marcantes e formidáveis, que contradizem os delicados e sensíveis de sua irmã,[13] estão bem expostos nas moedas cunhadas durante o reinado de seus netos.[3]

Mesa, mais tarde, se casou com um companheiro sírio, Júlio Avito, um cônsul que também serviu como governador da província no império.[3] Ela lhe deu duas filhas, sua filha mais velha, Júlia Soémia, nasceu por volta de 180 D.C.[14] ou algum tempo antes,[15] e foi seguida por outra filha, Júlia Mameia, pouco depois.[4]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Salisbury 2001, p. 183.
  2. a b c Birley 2002, p. 222.
  3. a b c d e Grant 1996, p. 47.
  4. a b Burns 2006, p. 207.
  5. Burns 2006, p. 209.
  6. Burns 2006, p. 217.
  7. a b Lee 2016, p. 16.
  8. «The Severan Dynasty (193–235 A.D.)». The Metropolitan Museum of Art. Outubro de 2000. Consultado em 6 de junho de 2019. Cópia arquivada em 3 de maio de 2019 
  9. Birley 2002, p. 72.
  10. a b Shahid 1984, p. 33.
  11. Levick 2007, p. 23.
  12. a b Shahid 1984, p. 41.
  13. Levick 2007, p. 3.
  14. Kean 2005, p. 120.
  15. Icks 2011, p. 56.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]