Júlia da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Júlia da Costa
Nome completo Júlia Maria da Costa
Nascimento 1 de julho de 1844
Paranaguá
Morte 12 de julho de 1911 (67 anos)
São Francisco do Sul
Residência São Francisco do Sul
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cônjuge Comendador Francisco da Costa Pereira (1871)
Ocupação Poetisa e escritora
Magnum opus Flores dispersas

Júlia Maria da Costa (Paranaguá, 1 de julho de 1844 — São Francisco do Sul, 12 de julho de 1911) foi poetisa e escritora de crônicas-folhetins brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Casou em 28 de outubro de 1871, em São Francisco do Sul por conveniência e imposição familiar, com um homem rico e trinta anos mais velho,o Comendador Francisco da Costa Pereira, viúvo de Anna Maria do Carmo, nascido e batizado na antiga freguesia de São Pedro do Couto de Caparica, arcebispado de Braga, província do Minho, Portugal. Júlia da Costa amou o poeta Benjamin Carvoliva, cinco anos mais novo. Correspondia-se com ele quase que diariamente durante o namoro e, quando casada, em segredo.

Em uma das cartas, que eram colocadas em esconderijos diversos, tais como o oco de uma velha árvore, Júlia sugeriu uma vez que os dois fugissem, mas quem fugiu foi Carvoliva perante a ousadia da poetisa. Desiludida, Júlia passou a escrever, febrilmente, poemas cada vez mais desesperançados e melancólicos, começou a freqüentar mais e mais serões e festas, a pintar os cabelos de negro (em uma época em que somente meretrizes e artistas o faziam), o rosto, a usar muitas joias, a participar de campanhas políticas e a publicar em jornais e revistas, tornando-se uma lenda viva em sua pequena cidade.

A solidão se tornou cada vez maior depois da morte de seu marido, que a habituara a receber catarinenses ilustres em banquetes e saraus, em um dos quais esteve presente o Visconde de Taunay. Viúva, cansada das festas, Júlia da Costa fechou-se em casa com manias de perseguição. Durante o tempo em que permaneceu enclausurada, planejou escrever um romance e, para tanto, confeccionou painéis coloridos com cenas campesinas, interiores de lar e paisagens inspiradoras que espalhou pelas paredes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.