Júlio Sumiu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Júlio Sumiu
 Brasil
2014 •  cor •  100 min 
Direção Roberto Berliner
Elenco Lília Cabral
Fiuk
Carolina Dieckmann
Augusto Madeira
Stepan Nercessian
Pedro Nercessian
Gênero Comédia
Companhia(s) produtora(s) Globo Filmes
Distribuição Imagem Filmes
Lançamento Brasil 17 de abril de 2014
Idioma português(brasil)
Página no IMDb (em inglês)

Julio Sumiu é um filme de comédia brasileiro que estreou dia 17 de abril de 2014. É produzido pela Globo Filmes e distribuído pela Imagem Filmes. No elenco, estão: Lília Cabral, Fiuk, Carolina Dieckmann, Augusto Madeira, Stepan Nercessian, Sérgio Bezerra, Giancarlo Di Tomasso, Leandro Firmino, Hugo Grativol, Dudu Sandroni, Babu Santana e Pedro Nercessian como o personagem-título do filme.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Zona sul do Rio de Janeiro. Edna (Lilia Cabral) é mãe de Julio (Pedro Nercessian) e Sílvio (Fiuk). Um dia ela acorda desesperada ao perceber que Julio simplesmente desapareceu, sem deixar pistas. Preocupada, ela vai à delegacia com Eustáquio (Dudu Sandroni), seu marido, mas eles são destratados pelo delegado adjunto J. Rui (Augusto Madeira), que estava mais interessado em conquistar a colega de trabalho Madalena (Carolina Dieckmann). Após receber na secretária eletrônica um aviso de que o filho está com Tião Demônio (Leandro Firmino), o chefão do tráfico do morro ao lado, Edna decide ir até lá negociar. Surpreendida por um tiroteio, ela acaba guardando 20 kg de cocaína para o traficante que, em troca, promete libertar Julio. O problema é que Sílvio, ao descobrir a cocaína, decide vendê-la.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Kadu Silva em sua crítica para o CCine10 escreveu: "A premissa do filme é interessantíssima, no entanto a direção equivocada de Roberto Berliner, acaba por deixar a narrativa cansativa, repleta de cenas que não tem necessidade de existir, sem contar, outras diversas que parecem repetitivas ou mal pensadas. (...) Apesar desses equívocos, o filme apresenta pontos positivos, que valem ser ressaltados, a começar pela presença arrebatadora de Lília Cabral, que por si só, já deixa o filme no nível assístivel. (...) Há espaço também para críticas sociais, religiosas, políticas e principalmente policial. (...) Julio Sumiu no fim é um longa que tenta ser uma comédia, mas acaba ficando só a intenção e com isso se torna chato e cansativo."[1]

Referências

  1. Kadu Silva. «Julio Sumiu». www.ccine10.com.br. Consultado em 31 de outubro de 2016