Jeffrey C. Alexander

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Jeffrey C. Alexander é um dos mais importantes sociólogos norte-americanos da atualidade, professor de sociologia da Universidade de Yale, nos EUA e co-diretor do Centro de Sociologia Cultural deste mesmo departamento de ensino e pesquisa. Para Alexander, cultura e sociedade formam um binômio indissolúvel e por isso criou um novo modelo de análise sociológica: a Sociologia Cultural. Na Sociologia Cultural, seu trabalho tem sido associado ao que ele chama de o “programa forte” em estudos da cultura, em comparação ao “programa fraco” que é como nomeia a Sociologia da Cultura. Alexander é autor de mais de dez livros e foi traduzido em árabe, coreano, chinês, italiano, japonês, húngaro, francês e espanhol. A Sociologia Cultural de Alexander já foi tema de tese na UFRJ, bem como citada em diversos artigos acadêmicos publicados no Brasil. Sua obra de mais relevo é The Meanings of Social Life – A Cultural Sociology (Os Significados da Vida Social – Uma Sociologia Cultural), Oxford University Press, New York – NY: 2003. 296pp.


A Sociologia Cultural[editar | editar código-fonte]

The Meanings of Social Life – A Cultural Sociology é o livro que introduz ao leitor os princípios da Sociologia Cultural distinguindo-a didaticamente da Sociologia da Cultura. Alexander diz que se formos questionados a respeito do porquê de nos sentirmos compelidos a prestar honras e homenagens às vitimas do Holocausto que foram assassinadas por causa injusta, responderemos apenas que “é preciso fazê-lo” ou que “é o que as pessoas boas fazem”. No entanto, o que é discutido em seu livro é que nenhuma ação como esta é natural. Não fazemos guerras ou homenagens ou apontamos injustiças por impulsos naturalmente humanos. Somos levados a realizar essas ações. Todas elas são estruturas culturais desenvolvidas em sociedade. O problema é que não as compreendemos, pois tais estruturas culturais possuem significados invisíveis originados e produzidos socialmente.

A tarefa da Sociologia Cultural é trazer estas estruturas de ações, que são inconscientes e regulam a sociedade, à luz do raciocínio científico; e explorar a interpretação desses significados coletivos. A tradicional Sociologia da Cultura preocupou-se com este mesmo tema a partir de uma perspectiva bem diferente, averiguando, então, os efeitos sociais dos significados coletivos ou ainda analisando o que criou estes significados na coletividade, ou seja, como foram construídos e por meio de quais estruturas sociais. Mas aos métodos da revolucionária Sociologia Cultural, as idéias e emoções coletivas são o foco das abordagens. Sintaticamente, o que interessa à pesquisa de Jeffrey C. Alexander são os aspectos morais e emocionais pelos quais os indivíduos e grupos são influenciados a realizar certos comportamentos – os detalhes da construção de uma determinada sensibilidade no meio social.


Alguns de seus livros[editar | editar código-fonte]

1.The Meanings of Social Life - A Cultural Sociology (2003)

2.The Civil Sphere (2008)

3.The Performance of Politics: Obama's Victory and the Democratic Struggle for Power (2010)

4.Performance and Power (2011)

5.Performative Revolution in Egypt: An Essay in Cultural Power (2011)

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.