Jerónimo Baía

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jerônimo Baia
Nome completo Jerónimo Baia
Nascimento c. 1620-1630
Coimbra
Morte 1688
São Romão de Neiva Viana do Castelo
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação frade, poeta, cronista, orador
Escola/tradição Barroco

Jerônimo Baia (Coimbra, 1620-30 – São Romão de Neiva (Viana do Castelo), 1688) foi frade beneditino e poeta barroco português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Professou no convento beneditino de São Martinho de Tibães (Braga), tendo realizado seus estudos em Coimbra e em Lisboa. Em 1674, a ordem beneditina atribuiu-lhe o cargo de cronista. Frequentador da corte de D. Afonso VI, foi nomeado pregador régio dada a facilidade com que escrevia os seus poemas, e mais tarde afastado da corte aquando da ascensão de D.Pedro II ao reinado português.

Obra[editar | editar código-fonte]

Além dos livros “Lampadário De Cristal“ ,considerado como poesia que servia de entretenimento e glorificadora dos feitos da corte, e “Tardes De Verão“, sua poesia está espalhada nos cancioneiros “Fénix Renascida“ (1716-1728) e “Postilhão de Apolo“ (1761).

Poesia[editar | editar código-fonte]

“A uma crueldade formosa”, "A uma trança de cabelos negros", "Ao Menino Deus em metáfora de doce" e “A f., favorecendo com a boca e...” estão entre seus poemas mais conhecidos, com características profundamente barrocas. Há outros como “A morte do conde de Castelo” e “Falando com Deus”, “Ao rigor de Lísi“, “Sonhando que vira a Márcia”, “Retrato (romance)”, "Ao Menino de Deus em Metáfora Doce" e "A um Pé Pequeno". A sua poesia procura muitas vezes tentar explorar temas e formas do conceptismo e do cultismo, através de um "jogo de ideias" ou de " um jogo de palavras".

Ligações externas

[1]