João Glama Ströberle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Glama Ströberle
Nascimento
Morte
12 de janeiro de 1792 (84 anos)
PortoVisualizar e editar dados no Wikidata
Pseudónimo
Pastor Talarco Alessiano
Atividade
Influenciados
Área
'Magnum opus'
Alegoria ao Terramoto de 1755
A Virgem, o Menino, S. José e um Anjo

João Glama Ströberle (Lisboa, c. 1708Porto, 12 de Janeiro de 1792) foi um pintor português, de origem alemã. Nascido em Lisboa, estudou pintura em Roma e, após o terramoto de Lisboa de 1755 — que testemunhou — veio a fixar-se no Porto, onde deixou vasta obra de trabalhos de âmbito profano e religioso.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O seu pai, João Armando Glama, terá vindo para Portugal no séquito da rainha D. Mariana da Áustria.[1]

Após ter estudado com Vieira Lusitano e outros pintores em Lisboa, partiu para Roma em 1734, a fim de aperfeiçoar o seu nível de conhecimento artístico, onde obteve a protecção de Frei José Maria da Fonseca e Évora, futuro bispo do Porto.[2] Aí, terá frequentado a célebre Academia de São Lucas, onde ganhou o 3º Prémio da Primeira Classe de Desenho, em 1738, com o tema O Martírio dos Sete Irmãos Macabeus[2] e estabelecido contacto com as oficinas de reputados mestres italianos. Terá ainda sido membro da Arcádia Romana, onde utilizava o pseudónimo Pastor Talarco Alessiano.

Auto-retrato de corpo inteiro, pormenor da pintura O Terramoto de 1755 (c. 1756-1792)

Conhecem-se três cadernos de desenhos executados durante a sua longa estada romana (1734-c. 1747), onde estudou com Marco Benefial até 1740 e Agostino Masucci desde 1741. Contêm cópias de obras dos grandes mestres, desenhos de antiguidades, estudos de figura, vistas de cidades e paisagens, apontamentos autobiográficos, retratos e outras composições originais, algumas desenhadas já após o regresso a Portugal.[2]

Após a morte do pai em 1741, João Glama terá regressado a Portugal. Em Lisboa, é encarregado da decoração dos murais do Teatro Real do Paço, e terá ainda sido responsável por projectar o monumental mausoléu utilizado nas exéquias de D. João V.[3] Mais tarde, testemunhou o Terramoto de 1755, tendo pintado um quadro, intitulado precisamente O Terramoto de 1755, alusivo à catástrofe natural.

Fixa-se, posteriormente, no Porto, onde deixa uma vasta obra de trabalhos de âmbito profano e religioso.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Vítor, Serrão (1989). Dicionário da Arte Barroca em Portugal. Lisboa: Editorial Presença. p. 205-206 
  2. a b c Nota descritiva da obra na exposição "Anatomia de uma Pintura - João Glama e o Terramoto de 1755", no MNAA, de 19 de Janeiro a 27 de Maio de 2018.
  3. Robert C., Smith (1963). Alguns Retábulos e Painéis de Igrejas e Capelas do Porto. Porto: Câmara Municipal do Porto. p. 331-312 

[1]

  1. Reuter, Anna (2018). Anna Reuter, “The sketchbooks of a Disciple of Marco Benefial and Agostino Masucci: Apprenticeship and Invention in the Work of João Glama Ströberle (1708-92)”, Getty Research Journal, n° 10, 2018, pp. 83-104. [S.l.]: Getty Research Journal