John Henry Manley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
John Henry Manley
Nascimento 21 de julho de 1907
Harvard, Illinois
Morte 11 de junho de 1990 (82 anos)
Los Alamos, Novo México
Nacionalidade norte-americano
Alma mater Universidade de Illinois
Universidade de Michigan
Instituições Universidade de Michigan
Campo(s) Física

John Henry Manley (Harvard, Illinois, 21 de julho de 1907 — 11 de junho de 1990) foi um físico americano que trabalhou com Robert Oppenheimer na Universidade da Califórnia em Berkeley antes de se tornar um líder de grupo durante o Projeto Manhattan.[1]

Nasceu em 1907 em Harvard, Illinois. Formou-se como um bacharel pela Universidade de Illinois em 1929 e recebeu seu doutorado em física pela Universidade de Michigan 1934. Era professor da Universidade Columbia e, mais tarde professor da Universidade de Illinois de 1937 até 1942. Casou-se com Kathleen, e teve duas filhas: Kim Manley em Los Alamos, Novo México; e Kathleen Manley em Greeley, Colorado.

No momento em que a Segunda Guerra Mundial eclodiu, estava no Laboratório Metalúrgico da Universidade de Chicago. Em 1942, seu amigo e colega, Robert Oppenheimer, realizou uma reunião com vários dos principais teóricos da Universidade da Califórnia em Berkeley. O tema do encontro: desenvolver planos preliminares para projetar e construir uma arma nuclear. Manley, um dos participantes, foi encarregado de aprender mais sobre as propriedades dos nêutrons rápidos.

Menos de um ano mais tarde, o centro do projeto mudou para o Laboratório Nacional de Los Alamos. Em 4 de abril de 1943, chegou ao laboratório. Passou seus primeiros dias em Los Alamos trabalhando com outros recém-chegados na construção de edifícios de laboratório. Também instalou um gerador de Cockcroft-Walton, que tinha trazido consigo de Urbana-Champaign. Durante a guerra, serviu como um dos principais assessores de Oppenheimer, com especial responsabilidade pela gestão do laboratório.[2]

Após a guerra, deixou Los Alamos para servir como secretário-executivo do comitê consultivo geral para a Comissão de Energia Atômica (AEC), a agência federal encarregada de gerenciar ativos atômicos do país.[3] Depois de deixar o AEC, retornou a Los Alamos como assistente de direção à pesquisa. De 1951 a 1957, lecionou física na Universidade de Washington. Aposentou-se em 1974, e morreu em 1990 em Los Alamos aos 82 anos.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Lawrence Badash, J.O. Hirschfelder, H.P. Broida, eds., Reminiscences of Los Alamos 1943-1945 (Studies in the History of Modern Science), Springer, 1980, ISBN 90-277-1098-8.

Referências

  1. Jakobson, Mark; Rosen, Louis (1991). «Obituary: John Henry Manley». Physics Today (em inglês). 44 (11): 113–114. Bibcode:1991PhT....44k.113J. doi:10.1063/1.2810336 
  2. Goldberg, Stanley (1995). «Groves and Oppenheimer: The Story of a Partnership». Antioch Review. The Antioch Review (em inglês). 53 (4). 491 páginas. doi:10.2307/4613224 
  3. «John H. Manley». Atomic Heritage Foundation (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.