José Gil Barbosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Gil Barbosa
Deputado estadual pelo  Piauí
Período 1964-1967
Prefeito de Bandeira de altos.jpg Altos
Período 1º: 11 de abril de 1955
até 31 de janeiro de 1959
2º: 31 de janeiro de 1967
até 31 de janeiro de 1971
3º: 1º de janeiro de 1983
até 1º de janeiro de 1989
Vice-prefeito de Bandeira de altos.jpg Altos
Período 1º de janeiro de 1955
até 11 de abril de 1955
31 de janeiro de 1973
até 1º de fevereiro de 1977
Vereador de Bandeira de altos.jpg Altos
Período 2001-2005
Dados pessoais
Nascimento 27 de novembro de 1918
Altos, Piauí
Morte 30 de abril de 2013 (94 anos)
Teresina, PI
Primeira-dama Luzanira Barbosa
Partido PTB, ARENA, PMDB
Religião Católico
Profissão Professor, Tabelião Público, Advogado e Político
linkWP:PPO#Brasil

José Gil Barbosa, mais conhecido como Zé Gil (Altos, 27 de novembro de 1918 - Teresina, 30 de abril de 2013) foi um professor e político brasileiro que foi prefeito de Altos por três mandatos, vice-prefeito duas vezes, deputado estadual e por último vereador.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de João Gil de Almeida e Maria Saraiva Barbosa (Maroca Barbosa), nasceu na localidade Preás, que na época pertencia ao município de Campo Maior, com a emancipação em 1922 do município de Altos, passou a ele integrar e hoje pertence ao município de Coivaras. Cursou o primário nas Escolas Particulares do seu tempo, onde pegou as primeiras letras, concluindo-o no Grupo Escolar Antonio Freire, em Teresina. Fez o curso ginasial no Colégio Estadual Zacarias de Góis, o "Liceu Piauiense", e o curso Clássico no Colégio São Francisco de Sales - Diocesano. Formou-se em Ciências Físicas e Biológicas na Universidade Federal do Ceará, Ciências na Universidade do Piauí e direito pela antiga Faculdade de Direito do Piauí.

Bacharel em Direito e professor trabalhou como agente municipal de estatística, Procurador Tesoureiro da Prefeitura de Altos, professor de Ciências e Educação Moral e Cívica no Ginásio Estadual Pio XII, e ainda Tabelião Público do Cartório de Altos.

Casou-se, em 1949, com Francisca Alves Gil Barbosa, com quem teve 7 filhos: José Gil Barbosa Júnior, Gilson Gil Barbosa (falecido), Maria das Graças Gil Barbosa, Elisete Gil Barbosa, João Gil Barbosa, José Olindo Gil Barbosa e Antônio Francisco Gil Barbosa. Fica viúvo 07 de setembro de 1972, e, em dezembro de 1977, casa-se pela Segunda vez com Luzanira Rosendo Máximo Barbosa.

Seu filho mais jovem, Antônio Francisco Gil Barbosa (PMDB), foi eleito vice-prefeito de Altos em 2000, juntamente com a jornalista Elvira Raulino (PSDB), eleita prefeita. Pela primeira e única vez na história da cidade, as duas maiores famílias tradicionalmente adversárias no município, uniram-se para disputar uma eleição saindo vitoriosas, obtendo a maior vitória proporcional já vista no município.

A família Barbosa (ARENA) comandou por muito tempo a situação política do município de Altos, duelando e alternando o poder sempre com a família Raulino (UDN) ou seus representantes.

Vida política[editar | editar código-fonte]

Estreou na vida pública como candidato a vice-prefeito na chapa de Domingos Félix do Monte, eleitos em 1954. Assumiria o mandato de prefeito poucos meses depois, em abril de 1955, devido a problemas de saúde do titular, que viria a falecer. Governou o município até 31 de janeiro de 1959. Essa seria a sua primeira das três passagens pelo executivo altoense.

[2] Em 1962 foi eleito suplente de deputado estadual[1] pelo PTB sendo efetivado após a cassação de Themístocles Sampaio em decorrência do Golpe Militar de 1964. Permaneceu até o fim do mandato em 1966, quando saiu para candidatar-se a prefeito de Altos.

Estando na condição de suplente de deputado, teria recebido proposta de José Alexandre Caldas Rodrigues ex-prefeito de Parnaíba e irmão do ex-governador Francisco das Chagas Caldas Rodrigues, assumir o mandato mediante licença do titular, desde que dividisse ato contínuo o salário de parlamentar com o licenciado, o que de pronto recusou fazer. Depois veio a ditadura e cassou o mandato tanto de José Alexandre quanto de um outro parlamentar.

Antes de eleger-se prefeito em 1966, findando seu mandato de deputado, o parlamentar conterrâneo Roberto Raulino queria saber aquilo que levaria Zé Gil trocar um mandato de deputado por um de prefeito municipal: "Todo altoense sonha em ser prefeito desta terra amada."

Eleito prefeito para o mantado que iniciaria a 31 de janeiro de 1967, governaria o município mais uma vez, até 31 de janeiro de 1971. Após a decretação do bipartidarismo ingressou na ARENA sendo eleito vice-prefeito de Altos em 1972 na chapa de José Barbosa, seu primo.[1] Em 1976, tenta sem contudo conseguir um novo mandato para prefeito, perdendo para seu opositor Felipe Raulino devido ao mandato "improdutivo" do primo-irmão.

Com o retorno ao pluripartidarismo foi eleito prefeito de Altos pela última vez, por uma sublegenda do PMDB[3] em 1982, numa disputa renhida contra o médico José Batista Fonseca, vice-prefeito à época e candidato sucessor do então prefeito Felipe Raulino.

[1] Tentou, sem sucesso, retornar ao cargo em 1992[1], perdendo para o candidato Cézar Leal, apoiado pelo prefeito José Batista Fonseca. Disputou sua última eleição no ano 2000 quando foi eleito vereador do município aos 83 anos de idade, com 563 votos.

Prefeito de Altos[editar | editar código-fonte]

- 11 de abril de 1955 a 31 de janeiro de 1959;

- 31 de janeiro de 1967 a 31 de janeiro de 1971;

- 01 de janeiro de 1983 a 01 de janeiro de 1989;


Ordem dos Advogados do Brasil[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de outubro de 2011, recebe das mãos do Presidente do Conselho Federal da OAB, Ophir Cavalcante, homenagem por ser o advogado em atividade de maior idade em atuação do Piauí. Mesmo com a idade avançada de 93 anos, José Gil exerce a profissão até os dias atuais.

Memória[editar | editar código-fonte]

Em sua honra, o hospital municipal de Altos, e uma Unidade Escolar Municipal, carregam seu nome.

Família[editar | editar código-fonte]

Casou-se em primeira núpcias com Francisca Alves Gil Barbosa, falecida em 7 de setembro de 1972, teve com ela sete filhos: José Gil Barbosa Júnior (Promotor de Justiça aposentado, atualmente exerce a advocacia); Gilson Gil Barbosa (médico, falecido em 2004); Maria das Graças Gil Barbosa (Professora e Bacharela em Direito); Elisete Gil Barbosa (falecida em 1977); João Gil Barbosa (Professor); José Olindo Gil Barbosa (Juiz de Direito, hoje titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, em Teresina, Estado do Piauí; e Antonio Francisco Gil Barbosa (Juiz de Direito, hoje titular da Vara Única Cível e Penal da Comarca de Nova Timboteua, Estado do Pará). José Gil Barbosa foi casado em segundas núpcias com Luzanira Rosendo Máximo Barbosa, com quem viveu até seu óbito ocorrido em 30 de abril de 2013.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí». Consultado em 17 de abril de 2011. Arquivado do original em 13 de abril de 2012 
  2. SANTOS, 1983; p. 540.
  3. Obteve 34,12% dos votos válidos num pleito onde concorreram quatro candidatos.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

SAMPAIO, Themístocles. Passado e Presente de Themístocles de Sampaio Pereira: Notas Biográficas, Teresina: 1990.

SANTOS, José Lopes dos. Novo Tempo Chegou. Brasília: Senado Federal, 1983.

RODRIGUES, Toni. Altos - Passado & Presente. Piauí: 1990.