Ateísmo judeu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Judaísmo ateístico)
Ir para: navegação, pesquisa

Judaísmo ateístico ou Ateísmo judeu refere-se ao ateísmo, tal como praticada por pessoas que são etnicamente e, em certa medida, culturalmente de origem judia. Porque o judaísmo engloba componentes étnicos e religiosos, o termo "ateísmo judeu" não implica necessariamente uma contradição. Com base na ênfase da lei judaica em descendência matrilinear, mesmo as autoridades religiosamente conservadoras do Judaísmo Ortodoxo aceitam um ateu nascer de uma mãe judia como sendo totalmente judeu.1 Um estudo recente descobriu que metade de todos os judeus americanos têm dúvidas sobre a existência de Deus, em comparação com 10-15% de outros grupos religiosos americanos.2

Teologia judaica[editar | editar código-fonte]

Mais recente a teologia judaica fez pouca ou quase nenhuma reivindicação metafísica então é, portanto, compatível com o ateísmo em um nível ontológico. O fundador da Judaísmo reconstrucionista, Mordechai Kaplan, defendia uma definição naturalista de Deus, enquanto algumas teologias pós-Holocausto também tem evitado um Deus pessoal.3 O filósofo judeu Howard Wettstein avançou uma abordagem não-metafísica de compromisso religioso, segundo a qual a metafísica ateísmo-teísmo não são a questão.4 Harold Schulweis, um rabino conservador treinado na tradição Reconstrucionista, argumentou que a teologia judaica deve mover-se de um foco de Deus, para uma ênfase na "piedade". Esta "teologia do predicado", enquanto usando uma linguagem teísta, mais uma vez faz poucas afirmações metafísicas que os não-crentes podem achar censuráveis.5

Cultura secular judaica[editar | editar código-fonte]

Muitos ateus judeus rejeitariam até mesmo esta identificação, em vez de abraçar um secularismo profundo e baseando seu judaísmo inteiramente em etnia e cultura judaica secular. As possibilidades para o judaísmo secular inclui uma identificação com a história judaica e seu povo, a imersão na literatura judaica (incluindo os autores judeus não-religiosos como Philip Roth e Amós Oz), o consumo de comida judaica e uma ligação com as línguas judaicas, como iídiche, hebraico ou Ladino. Uma elevada percentagem dos israelenses se identificam como seculares, rejeitando a prática da religião judaica (ver Religião em Israel). Enquanto alguns não-crentes de origem judaica não se consideram judeus, preferindo se definirem apenas como ateus, o judaísmo é sem dúvida uma cultura e uma tradição que se pode facilmente abraçar sem fé religiosa.6

Pessoas notáveis[editar | editar código-fonte]

Woody Allen, judeu ateísta

Um número de judeus conhecidos ao longo da história têm rejeitado a crença em Deus. Alguns negaram a existência de uma divindade tradicional, enquanto continuam a usar uma linguagem religiosa. Em 1656 o filósofo judeu do século XVII Baruch Spinoza foi excomungado pela sinagoga sefardita de Amesterdam depois de avançar uma noção panteísta de Deus que, segundo alguns observadores, não só é compatível como pavimentou o caminho para o ateísmo moderno.7 Deeply influenced by Spinoza, Albert Einstein used theistic language and identified strongly as a Jew, while rejecting the notion of a personal god.8 The astrophysicist Carl Sagan was born into a Jewish family and was a non-theist.9

Karl Marx nasceu em uma família de etnia judaica, mas foi criado como um luterano e está entre os pensadores ateus mais notáveis ​​e influentes da história moderna, ele desenvolveu a dialética e omaterialismo histórico que se tornou o base para sua crítica contra o capitalismo e suas teorias além de definir o socialismo científico. Marx tornou-se uma grande influência, entre outros intelectuais judeus proeminentes, incluindo Moses Hess. Em um de seus mais citado comentários sobre religião, ele declarou: "Religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração e a alma de condições desalmadas. É o ópio do povo".10

Muitos outros judeus famosos abraçaram o ateísmo rejeitando religiosidade completamente. Sigmund Freud escreveu O Futuro de uma Ilusão, no qual ele tanto evitou crença religiosa quanto delineou as suas origens e perspectivas. Ao mesmo tempo, ele pediu a um colega judeu para criar seu filho dentro da religião judaica, afirmando que "Se você não deixar o seu filho crescer como judeu, você vai privá-lo dessas fontes de energia que não pode ser substituídas por qualquer outra coisa ".11 A anarquista Emma Goldman nasceu em uma família judaica ortodoxa e rejeitou a crença em Deus, enquanto que a primeira-ministra israelense Golda Meir, quando perguntada se acreditava em Deus, respondeu: "Eu acredito no povo judeu, e o povo judeu acredita em Deus."12 More recently, the French Jewish philosopher Jacques Derrida stated somewhat cryptically, "I rightly pass for an atheist".13 No mundo do entretenimento, Woody Allen fez uma carreira fora da tensão entre o judaísmo e a dúvida religiosa ("Como posso acreditar em Deus, quando na semana passada fiquei com minha língua presa no rolo de uma máquina de escrever elétrica? ").14

Referências

  1. What Makes a Jew "Jewish"? – Jewish Identity
  2. Winston, Kimberly. "Judaism without God? Yes, say American atheists", September 26, 2011. Página visitada em July 14, 2013.
  3. Mordechai Kaplan, The Meaning of God in Modern Jewish Religion (New York: Behrman’s Jewish book house, 1937); Richard Rubenstein, After Auschwitz: Radical Theology and Contemporary Judaism (Indianapolis: Bobbs-Merrill, 1966).
  4. Howard Wettstein, The Significance of Religious Experience (Oxford University Press, 2012)
  5. Harold M. Schulweis. Evil and the Morality of God (Cincinnati: Hebrew Union College Press, 1984); For Those Who Can't Believe : Overcoming the Obstacles to Faith (Harper Perennial, 1995).
  6. An example of an atheist rejecting Jewish identification is cited in "Hipster Antisemitism," Zeek, jan/2005
  7. Christopher Hitchens, ed., The Portable Atheist (Philadelphia: Da Capo Press, 2007), 21.
  8. "The Religious Non-believer: Einstein and his God", Moment, April 2007.
  9. Sagan, Carl (February 12, 1986). "Chapter 23". Broca's Brain: Reflections on the Romance of Science. Ballantine Books. p. 330. ISBN 0-345-33689-5.
  10. COLLINS, Michael. História do cristianismo. Edicoes Loyola; ISBN 978-85-15-02089-8. p. 191.
  11. David S. Ariel, What Do Jews Believe? (New York: Shocken Books, 1995), 248.
  12. Emma Goldman, "The Philosophy of Atheism," in Christopher Hitchens, ed., The Portable Atheist (Philadelphia: Da Capo Press, 2007), 129–33; Golda Meir is quoted by Jonathan Rosen in "So Was It Odd of God?", The New York Times, December 14, 2003.
  13. Obituary for Jacques Derrida, Chronicle of Higher Education, 10/11/2004
  14. Woody Allen Quotes – The Quotations Page