Kwangmyŏngsŏng-2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Current event marker.png
Este artigo ou seção contém material sobre uma missão espacial atual.
As informações podem mudar durante o progresso da missão.
CELstart-rocket.png

Kwangmyŏngsŏng-2 (em coreano: 광명성 2; "Estrela Brilhante 2") é um satélite de comunicações ou um míssil com carga desconhecida, lançado ao espaço em 5 de abril de 2009, da base de lançamentos costeira de Musudan-ri, no nordeste da Coréia do Norte.[1]

Entrando em órbita terrestre, a Coréia do Norte se tornará a décima nação do mundo a lançar com sucesso um satélite orbital. Também fará o país o primeiro dos dois da península coreana a completar um lançamento orbital, batendo a Coréia do Sul que também anunciou o lançamento de seu primeiro satélite em 2009. O Japão e os Estados Unidos suspeitam que o lançamento esteja sendo usado para desenvolvimento de tecnologia para foguetes nucleares de longo alcance.[2]

Com o anúncio do lançamento pela mídia sul-coreana, o Conselho de Segurança das Nações Unidas anunciou uma reunião de emergência no dia 6 de abril.[3]

Resposta internacional[editar | editar código-fonte]

Antes do anúncio oficial do lançamento, foi anunciado que a Coréia do Norte preparava um teste com um foguete de longo alcance, em violação à resolução 1718 do Conselho da Segurança das Nações Unidas, que impôs uma série de sanções econômicas e comerciais ao país, por causa do teste nuclear realizado em outubro de 2006. Após o anúncio de que haveria um teste de lançamento de um satélite por parte dos norte-coreanos, os Estados Unidos anunciaram a intenção de interceptar o foguete após o lançamento, caso parecesse que ele não entraria em órbita, enquanto o Japão anunciava que poderia lançar um interceptador, caso o foguete ameaçasse seu território.[4] O governo norte-coreano respondeu que consideraria esta ação japonesa um ato de guerra.[2] A Coréia do Sul, o Japão e os Estados Unidos, posicionaram seus vasos de guerra equipados com mísseis antibalísticos no Mar do Japão, enquanto a Rússia pressionava os coreanos a não realizarem o lançamento, por causa de tensão nas relações internacionais no nordeste da Ásia.

Detalhes do lançamento e controvérsias[editar | editar código-fonte]

No mapa, em vermelho, as duas áreas consideradas criticas para vôos comerciais durante o lançamento do foguete, em carta enviada à Organização da Aviação Civil Internacional, dias antes do lançamento, pelo governo norte-coreano.[5]

O lançamento ocorreu em boas condições de tempo, com o foguete sobrevoando as ilhas japonesas e alcançando o espaço sobre o Oceano Pacífico.[1] O primeiro estágio do foguete deveria cair no mar, 75 km a oeste do Japão, e o segundo estágio deveria mergulhar no Pacífico.

Navios de guerra dos três países aliados foram posicionados para monitorar o foguete durante o processo de lançamento. As autoridades japonesas anunciaram que não houve qualquer dano ao Japão como consequência do lançamento, e que os foguetes propulsores caíram no mar como havia sido esperado.

Esta passagem carece de fontes

De acordo com o USCN (Comando Nordeste dos Estados Unidos), os estágios remanescentes do foguete junto com a carga caíram no Oceano Pacífico. Militares e analistas em Seul disseram que o foguete voou pelo menos duas mil milhas, dobrando o alcance do foguete anterior, Kwangmyŏngsŏng-1, feito em 1998.[6] O governo norte-coreano, entretanto, afirma que o lançamento foi um sucesso e que o parâmetro orbital do satélite é de 490 km de perigeu e 1426 km de apogeu, com um período orbital de 104 minutos e 12 segundos e inclinação orbital de 40,6 graus.[7] [8] [9] [10] [11] [12] Foi informado que o satélite entrou em órbita nove minutos e dois segundos depois de lançado.[13]

Referências