Ladislau de Nápoles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ladislau I, dito o Magnânimo, conhecido também como Ladislau d'Anjou-Durazzo e Ladislau de Durazzo (Nápoles, 15 de fevereiro de 1377 - 6 de agosto de 1414)[1] foi um Rei de Nápoles e detentor dos títulos de Rei de Jerusalém, o Rei da Sicília, o Conde de Provença e Forcalquier (1386-1414), e os títulos de Rei da Hungria (1390-1414) e príncipe da Acaia (1386-1396). A partir de 1406 ele também tornou-se príncipe de Taranto. Foi o último descendente masculino do ramo principal da dinastia de Anjou.

Segundo filho de Carlos III de Durazzo e Margarida, tornou-se órfão aos 9 anos de idade, quando Nápoles passou a ser governada por sua mãe, como regente. Este período foi agitado e cheio de turbulências devido à fraqueza de Margarida. Havia a disputa entre os partidários de Ladislau, que defendiam sua dinastia e os partidários da Casa de Anjou da França, incluindo o papa Urbano VI, que nomeara Luis de Anjou o rei de Nápoles. Em meio aos tumultos, Margarida e Ladislau fugiram para a fortaleza Gaeta.[2] Em 1389 o novo Papa Bonifácio IX, um napolitano, reconheceu Ladislau como rei de Nápoles, pois enxergava que dessa forma contribuiria para acelerar o fim do Grande Cisma do Ocidente. Bonifácio se mostrou um grande aliado de Ladislau nos anos futuros.[1]

Em setembro de 1389 casou-se com Costanza, filha do conde de Modica, Manfredi Chiaramonte, um senhor da Sicília. Mas o casamento foi rapidamente anulado. Em 1390 sofreu uma tentativa de envenenamento por parte de um arcebispo de Arles, provavelmente a mando de Luis de Anjou. Ladislau sofreu com algumas sequelas ao longo de sua vida.[1]

Ladislau conseguiu derrotar Luis de Anjou definitivamente em 1399, quando Luis foi expulso de Nápoles.[3] Como era pretendente ao trono húngaro, foi proclamado rei da Hungria em novembro 1401 por sua mãe, em oposição ao rei Sigismundo, e coroado em 5 de agosto de 1403. No entanto o exército de Sigismundo obrigou-o a voltar para Nápoles, embora ele tenha mantido o controle de partes da Dalmácia, que vendeu a Veneza em julho 1409.[4]

Enquanto empreendia algumas campanhas militares em Roma Ladislau ficou doente, tendo que retornar à Nápoles, onde morreu em 6 de agosto de 1414.[5]



Referências

  1. a b c Kiesewetter, A. «LADISLAO d'Angiò Durazzo, re di Sicilia». Dizionario Enciclopedico degli Italiani. Enciclopedia Italiana. Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  2. http://www.treccani.it/enciclopedia/ladislao-d-angio-durazzo-re-di-sicilia_%28Dizionario-Biografico%29/ Página acessada em 16 de janeiro de 2016.
  3. http://fmg.ac/Projects/MedLands/ANJOU,%20MAINE.htm#LouisIIAnjoudied1417B Página acessada em 16 de janeiro de 2016.
  4. http://fmg.ac/Projects/MedLands/SICILY.htm#_Toc375379580 Página acessada em 16 de janeiro de 2016.
  5. http://cronologia.leonardo.it/storia/aa1405a.htm Página acessada em 16 de janeiro de 2016.