Lago Tanganica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Tanganica
Pescadores no Lago Tanganica
Localização
País Tanzânia
 República Democrática do Congo
 Burundi
 Zâmbia
Características
Área * 32900 km²
Comprimento máximo 673 km
Largura máxima 50 km
Profundidade máxima 1470 m
Volume * 18900 km³
Bacia hidrográfica 231000
Afluentes rio Ruzizi, rio Malagarasi
Efluentes rio Lukuga
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.
Lago Tanganica (da Universidade do Texas em Austin - Perry-Castañeda Library Map Collection
O lago Tanganica visto do espaço, Junho de 1985

O lago Tanganica, ou Tanganhica (do seu nome em suaíli Tanganyika) é o segundo maior lago da África e é partilhado pela Tanzânia, República Democrática do Congo, Burundi e Zâmbia.[1]

Está localizado no braço ocidental do Grande Vale do Rift, a uma altitude de 782 m, estende-se por 673 km numa direcção aproximadamente norte-sul – é o lago mais longo do mundo sem contar o Mar Cáspio -, com uma largura média de 50 km e tem uma profundidade máxima de 1470 m (entre 3° 20' to 8° 48' S e 29° 5' to 31° 15' E). Estima-se que este lago seja o segundo mais antigo e mais profundo do mundo, depois do Lago Baikal na Sibéria (e o mais profundo de África). Cobre uma área de 32.900 km², tem uma linha de costa de 1.828 km e uma profundidade média de 570 m; o seu volume é estimado em cerca de 18.900 km³.

Existem quatro áreas protegidas nas suas margens: a Reserva da Natureza de Rusizi, no Burundi (um sítio Ramsar), o Parque Nacional de Gombe Stream (onde se encontram os chimpanzés de Jane Goodall), o Parque Nacional das Montanhas Mahale, na Tanzânia e o Parque Nacional de Nsumbu, na Zâmbia.

Para além de ser um excelente meio de comunicação entre os países e povoações ribeirinhas, o Lago Tanganica é rico em peixes, sendo uma importante fonte de proteínas para os povos da região. Estima-se que cerca de 45 mil pessoas estejam directamente envolvidas nas pescarias, operando de quase 800 centros de pesca; no entanto, pensa-se que mais de um milhão de pessoas dependam desta actividade.

O lago foi “descoberto” pelos europeus em 1858, quando os exploradores Richard Francis Burton e John Speke o atingiram, quando buscavam a nascente do rio Nilo. Speke continuou as suas pesquisas para norte e realmente encontrou uma das suas nascentes, o Lago Vitória.

Limnologia e pescas[editar | editar código-fonte]

O lago Tanganica tem como afluentes principais o rio Ruzizi, que entra pelo seu extremo norte, trazendo-lhe água do lago Kivu, e o Malagarasi, que é o segundo maior rio da Tanzânia e que entra no lago pela sua margem oriental. Desta maneira, estima-se que a sua bacia hidrográfica cubra cerca de 231000 km². O principal efluente é o rio Lukuga, mas apenas quando o nível do lago Tanganica é muito alto. O rio Malagarasi é mais antigo que o lago Tanganica e já esteve ligado ao rio Congo.

Devido à sua enorme profundidade e localização tropical, as águas do lago não sofrem a viragem sazonal própria dos lagos das regiões frias e, como consequência, as suas águas profundas são consideradas “água fóssil” e são anóxicas (sem oxigénio).

No lago encontram-se pelo menos 300 espécies de ciclídeos – 98 % dos quais endémicos - e 150 doutros grupos de peixes, a maioria dos quais vive na zona bêntica (junto ao fundo); no entanto, a maior parte da biomassa de peixes vive na zona pelágica (águas abertas) e é dominada por seis espécies – duas de “sardinhas do Tanganica" e quatro do predador Lates (relacionado, mas não a espécie conhecida como perca-do-nilo que devastou a ictiofauna indígena do Lago Vitória). O elevado endemismo encontra-se também entre numerosos invertebrados do lago que são conhecidos pela sua convergência com espécies marinhas, especialmente moluscos, caranguejos, copépodes, etc.

A pesca comercial no lago começou em meados da década de 1950 e teve um crescimento rápido até finais da década de 1970, quando parece ter atingido o rendimento máximo sustentável; em 1995 a captura total atingiu cerca de 180000 toneladas, mas têm-se verificado grandes flutuações inter-anuais (o que é normal em peixes pelágicos). Existem dois projectos internacionais para a gestão das pescarias do Lago Tanganica, um organizado pela FAO e outro pela IUCN e Banco Mundial, para a gestão da biodiversidade.

Referências

  1. «AFRICA - Lago Tanganica». alphabeto.it. Consultado em 11 de novembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]