Lagoa do Congro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lagoa do Congro, sombras, Ilha de São Miguel, Arquipélago dos Açores, Portugal.

A Lagoa do Congro é uma lagoa localizada na área central da maior ilha do arquipélago dos dos Açores, a Ilha de São Miguel.

A lagoa está localizada a poucos quilómetros da Vila Franca do Campo e a cerca de 5,5 quilómetros da Lagoa do Fogo. Apresenta um perímetro de 1,25 quilómetros.

Esta lagoa ocupa uma cratera de explosão do tipo "maar", resultado de uma erupção freática, situada numa das mais activas falhas geológicas da ilha de São Miguel. A particularidade desta cratera de explosão formada há cerca de 3.900 anos reside no facto de ter origem em explosões freatomagmaticas em que houve contacto do magma em ascensão com níveis freáticos existentes nas formações subjacentes. Devido à sua génese a lagoa do congro apresenta características que a distinguem da maioria das lagoas da ilha de S.Miguel. A sua principal característica é a de estar encaixada na região circundante, relativamente plana, sob a forma de um grande buraco aberto na zona envolvente, ao contrário de ocupar o topo de um cone vulcânico bem definido.

A fauna ictiologica desta lagoa tem variado ao longo da história. Barrois, em 1986, registou a presença de peixes vermelhos (Carassius auratus). Em 1890, José Maria Raposo de Amaral introduziu carpas (Cyprinus carpio e Cyprinus specularis) e, em 1941, a junta geral procedeu à introdução de truta arco-íris (Salmo irideus). Actualmente, estão referenciadas duas espécies – Cyprinus sp. e Perca fluviatilis (perca do rio). Em 1873, Fouqué, na sua obra, “Voyages Géologiques aux Açores”, descreveu os terrenos circundantes da lagoa, de matas de criptomerias, pinheiros marítimos, eucaliptos e acácias, mandadas plantar por José do Canto, seu proprietário, que ajardinou também a parte sul da propriedade e construiu uma casa de campo.

Nos dias de hoje, embora ainda possam ser observadas espécies da vegetação natural dos Açores tais como Laurus azorica (louro), Juniperus brevifolia (cedro-do-mato), Lysimachia azorica, Osmunda regalis (feto real) e woodwardia radicans, predominam as espécies exóticas: criptomerias, hortênsias, azáleas, eucaliptos, incensos, conteiras, etc. É de realçar a presença de uma espécie endémica da madeira – o til (Ocotea foetens). Dado que esta zona é densamente florestada, é frequente observarem-se diversas espécies de aves, das quais se destacam: a estrelinha (Regulus regulus azoricus), o milhafre (Buteo buteo rothschildi), a alvéola ( Motacila cinérea) e o pombo torcaz (Columba palumbus azorica).


Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.