Lectorium Rosicrucianum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lectorium Rosicrucianum
Orientação Cristianismo Gnóstico
Fundador Jan Leene (1896-1968) e Zwier Willem Leene (1892-1938)
Origem 1924
Sede Haarlem, Holanda
Líder Espiritual J. van Rijckenborgh e Catharose de Petri
Página oficial www.rosycross.org

O Lectorium Rosicrucianum (ou Escola Espiritual da Rosacruz Áurea) fundamenta-se no cristianismo gnóstico e possui fortes influências do catarismo e do hermetismo. Divulga a possibilidade da libertação da roda da vida e da morte por meio de um processo de purificação e subsequente transfiguração - a qual se inicia com a revivificação da centelha divina adormecida no coração dos homens.

O Lectorium Rosicrucianum tem sede em Haarlem,[1] Holanda, e possui núcleos em diversos países da Europa, América do Sul e do Norte, África e Oceania. No Brasil, existem diversos Centros de Conferência, Núcleos e salas de contato, que realizam semanalmente atividades abertas para o público em geral, onde a filosofia dessa Escola é apresentada.


História[editar | editar código-fonte]

Os primórdios do Lectorium Rosicrucianum datam de 1924, na Holanda, com os trabalhos dos líderes espirituais J. van Rijckenborgh e Catharose de Petri.

A pedra fundamental do Lectorium Rosicrucianum foi lançada em 1924. Nesse ano, os irmãos Zwier Willem Leene (1892-1938) e Jan Leene (1896-1968) entraram para o ramo holandês da Fraternidade Rosacruz (Max Heindel) (Oceanside, Califórnia, EUA) fundada por Max Heindel em 1909. Em pouco tempo os dois irmãos se destacaram na organização, sendo empossados como dirigentes em 1929.

Em 1930, foi a vez da Sra. Henriette Stok-Huizer (1902-1990) juntar-se aos irmãos Leene. Juntos começaram uma intensa busca espiritual que culminou, em 1935, com a decisão de prosseguirem no caminho espiritual com seu próprio grupo, separando-se da Fraternidade Rosacruz de Max Heindel.

Reedição dos Manifestos dos Rosacruzes clássicos[editar | editar código-fonte]

Em 1935, os irmãos Leene, juntamente com Cor Damme, viajaram para Londres, onde visitaram a Biblioteca Britânica. Foi lá que descobriram os esquecidos manifestos dos Rosacruzes clássicos do século XVII: Fama Fraternitatis R.C., Confessio Fraternitatis Rosae Crucis e Núpcias Alquímicas de Christian Rozenkreuz. Traduziram esses manuscritos cuidadosamente e os republicaram em 1936, em holandês, sob o título “O Livro M”. Assim, disponibilizaram novamente esses tesouros espirituais para um público maior no século XX. Vários anos depois, foram publicadas novas edições dos manifestos clássicos – já com a inclusão de seus comentários espirituais completos. Atualmente, estão disponíveis em várias línguas.

Após a morte de Z. W. Leene, em 1938, Jan Leene e H. J. Leene Stok-Huiser continuaram seu trabalho.

Através dos nomes-alma “Jan van Rijckenborgh” e “Catharose de Petri”, eles publicaram vários livros e, ao longo de muitas décadas, construíram uma escola espiritual internacional.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as forças de ocupação perseguiram o grupo e o interditaram, impedindo-o de promover reuniões. Então, tiveram de se retirar da vida pública e, temporariamente, trabalhar de forma encoberta. Após o fim do conflito, a comunidade adotou o nome de “Lectorium Rosicrucianum”.

A herança dos cátaros[editar | editar código-fonte]

Em 1946, Jan van Rijckenborgh e Catharose de Petri viajaram para a cidade de Albi (França), um dos maiores redutos cátaros existentes no sul da França. Fizeram contato com a herança espiritual da antiga fraternidade cátara, que ali viveu e ensinou há cerca de 700 anos. Suas experiências espirituais durante essa viagem e seu encontro em 1954 com “o último Cátaro”, o sr. Antonin Gadal,[2] levaram à reafirmação da antiga Tríplice Aliança da Luz: Cátaros, Graal e Rosacruz.

O Lectorium Rosicrucianum como uma escola espiritual gnóstica[editar | editar código-fonte]

Durante esse tempo, os líderes espirituais estabeleceram um novo impulso espiritual que ultrapassava a visão anterior.

O ensinamento gnóstico referente à transfiguração adquiriu a primazia. Esse ensinamento baseia-se na ideia de que o homem é uma entidade multidimensional que contém uma centelha espiritual imortal – a semente de um novo microcosmo (mundo em miniatura). Sendo um microcosmo, o homem tem um destino específico: o caminho do retorno para a ordem de natureza divina original. É assim que ele conseguirá ultrapassar o mundo mortal e seu estado de consciência atual, limitado pelo espaço-tempo. Durante esse processo, o ser humano parte de sua realidade como ser mortal e adquire uma percepção espiritual sobre a causa da existência da mortalidade nesta natureza. Ele também se torna mais autoconsciente ao vivenciar a tensão que se estabelece entre a natureza transitória e a força criadora original.

Portanto, o Lectorium Rosicrucianum constitui uma “Escola Espiritual Gnóstica”, uma vez que a palavra grega Gnosis significa “conhecimento”. Assim, logo que o ser humano começa a empreender o caminho da ressurreição da alma, o conhecimento divino é revelado pela “Rosa” – a centelha imortal do Espírito instalada em seu coração.

A partir de 1946 até os dias de hoje, o impulso gnóstico tem se espalhado sobre o mundo como um aspecto do poder espiritual da nova era de Aquário. Em muitos países foram estabelecidos centros de conferência e núcleos, tanto para os alunos da Rosacruz como para todo o público interessado.

Organização[editar | editar código-fonte]

Centro de Conferência Renova, Bilthoven, Holanda

A Escola Espiritual da Rosacruz Áurea mantém inúmeros Centros de Conferência em todo o mundo. É aí que a comunidade se reúne nos finais de semana para realizar atividades espirituais mais longas. As administrações das sub-regiões geralmente se localizam nesses Centros de Conferência.

Além disso, em muitas grandes cidades, há núcleos da Escola da Rosacruz Áurea nos quais os alunos se reúnem regularmente para diferentes atividades.

Além da organização da Rosacruz Áurea, existem fundações independentes em atividade em vários países. Elas apoiam a divulgação dos ensinamentos rozacruzes, herméticos e gnósticos. Essas fundações organizam simpósios e palestras em cooperação com outras instituições espirituais e especialistas em ciências, artes e religiões.

A literatura dos fundadores do Lectorium Rosicrucianum, bem como obras de outros mestres espirituais históricos ou atuais são publicadas pela própria editora do Lectorium Rosicrucianum em vários idiomas em diversos países. No Brasil, existem o Instituto Civita Solis[3] e a Editora Pentagrama Publicações[4]

Ensinamentos[editar | editar código-fonte]

Alguns pontos importantes de seus ensinamentos são:

  • Existem duas ordens de natureza. O mundo transitório, onde tudo está sujeito a uma transformação constante, e o reino imutável.
  • Existe uma centelha divina adormecida no coração humano, chamada pelos rosa-cruzes de rosa do coração ou átomo centelha do espírito.
  • O homem é um microcosmo ou “pequeno mundo”, do qual o corpo físico é apenas um aspecto. Em seu centro, encontra-se a centelha divina. O microcosmo é de origem divina e eterno, mas devido a um acidente cósmico denominado "queda" em antigos mitos, ele encontra-se mutilado e preso à matéria.
  • O microcosmo pode conquistar completa libertação da “roda da vida e da morte” que é a existência no mundo transitório, por meio da revivificação da centelha divina que se encontra em seu centro. Isso é iniciado mediante a compreensão da natureza transitória de todas as coisas nesse mundo pela personalidade, que, com base nessa compreensão, abre espaço para que o microcosmo siga o "caminho de retorno" à sua condição divina.
  • As escrituras sagradas, inclusive a Bíblia e mais particulamente os Evangelhos, são representações simbólicas desse processo espiritual de libertação que será vivenciado por todos os homens - portanto, não devem ser compreendidas como meros relatos históricos.

As duas ordens de natureza[editar | editar código-fonte]

A ordem em que vivemos atualmente é uma ordem de emergência, uma morada transitória. Ela inclui tanto o mundo dos vivos quanto o reino dos mortos. Tudo nesta natureza está sujeito ao ciclo do nascer, crescer, envelhecer, morrer e renascer. A outra ordem é o mundo da eternidade, o Reino dos Céus. Os homens estão ligados a esse reino por meio da centelha divina, ou botão de rosa, latente no coração do homem como um último vestígio de uma glória perdida. Esse princípio faz surgir nos pesquisadores um anseio indefinido, uma vaga recordação de um estado original perdido, de um estado de ser unido a Deus no reino da imortalidade.

O despertar do Cristo interno[editar | editar código-fonte]

No homem que possui em seu coração um botão de rosa ativo, surge o anseio de retornar à ordem divina original. O Lectorium Rosicrucianum ensina que isso só pode ser realizado através do processo de "renascimento da água e do Espírito". Esse renascimento ou "transfiguração" é um processo em que a velha natureza do homem, sua consciência eu, "morre diariamente", para dar lugar à natureza divina: o Cristo interno, que retorna à vida.

O homem como microcosmo[editar | editar código-fonte]

O ser humano é visto como um microcosmo, um pequeno mundo: um "campo magnético" limitado por um "firmamento microcósmico" ou "lípika", que contém dentro de si a personalidade. A personalidade não consiste apenas do corpo físico visível, mas também de três outros corpos invisíveis, o corpo etérico, o corpo astral e a faculdade mental.

O caminho da Transfiguração[editar | editar código-fonte]

O caminho da transfiguração pode ser dividido em 5 fases:

  • Compreender o atual estado de queda do ser humano e da natureza (adquirir discernimento e auto-conhecimento).
  • Desejar a salvação, o retorno à condição divina.
  • Permitir que a natureza egocêntrica seja substituída por uma nova natureza, divina.
  • Adotar um novo comportamento ou atitude de vida, sob a direção da centelha divina.
  • Por fim, despertar conscientemente para uma condição de vida absolutamente nova.

Livros publicados em português[editar | editar código-fonte]

De autoria de J. van Rijckenborgh[editar | editar código-fonte]

  • O Chamado da Fraternidade da Rosacruz (análise esotérica da Fama Fraternitatis R.C., um manifesto dos rosacruzes do século XVII, publicado em 1614)
  • A Confissão da Fraternidade da Rosacruz (análise esotérica da Confessio Fraternitatis R.C., um manifesto dos rosacruzes do século XVII, publicado em 1615)
  • As Núpcias Alquímicas de Christian Rozenkreuz (Obra em dois tomos - análise esotérica do texto rosacruz publicado em 1616)
  • Christianopolis (comentários sobre a obra de Johann Valentin Andreae)
  • A arquignosis egípcia (Obra em quatro tomos - baseada na Tabula Smaragdina e no Corpus Hermeticum de Hermes Trismegisto)
  • Os mistérios gnósticos da Pistis Sophia (Comentários do Livro I da Pistis Sophia)
  • A Gnosis em sua atual manifestação
  • A Luz do mundo
  • O mistério iniciático cristão - Dei Gloria Intacta
  • Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna
  • Não há espaço vazio
  • O novo homem
  • O mistério das bem-aventuranças
  • O novo sinal
  • O Nuctemeron de Apolônio de Tiana
  • Um novo chamado
  • O remédio universal
  • O Mistério da Vida e da Morte

De autoria de Catharose de Petri[editar | editar código-fonte]

  • Transfiguração
  • O Selo da Renovação
  • Sete Vozes Falam
  • O Verbo vivente
  • A Tríplice Aliança da Luz

De autoria de J. van Rijckenborgh e Catharose de Petri[editar | editar código-fonte]

  • A Gnosis Chinesa (comentários sobre os 33 primeiros aforismos do Tao Te King)
  • O Caminho Universal
  • A Gnosis Universal
  • A Grande Revolução
  • Reveille!(Desperta!)
  • A Veste-de-Luz do Novo Homem
  • A Fraternidade Mundial da Rosa-Cruz
  • Os sinais poderosos do conselho de Deus
  • A senda libertadora da Rosa-Cruz
  • O Novo Caduceu de Mercúrio
  • O novo sinal
  • A Fraternidade de Shamballa

De outros autores[editar | editar código-fonte]

  • O livro de Mirdad (Mikhail Naimy)
  • No caminho do Santo Graal (Antonin Gadal)
  • O Triunfo da Gnosis Universal (Antonin Gadal)
  • Algumas palavras do mais profundo do ser (Karl von Eckartshausen)
  • Do castigo da alma (atribuído a Hermes Trismegistus)
  • O evangelho dos doze santos (Gideon Jasper Ouseley)
  • A Rosa e a Cabala (Benita Kleiberg)
  • Transfiguração e Transmutação (Francisco Casanueva Freijo)
  • Jacob Boehme - Pensamentos (J.L.H. de Hartog Meyjes)
  • O Único Necessário (J.A. Comenius)
  • Das Forças Mágicas da Natureza (Karl Von Eckartshausen)
  • Algumas Palavras do Mais Profundo do Ser (Karl Von Eckartshausen)
  • Paracelso - Sua Filosofia e Sua Medicina Atemporais (Klaus Bielau)
  • Chamados pelo Coração do Mundo (Peter Hujis)

Do Próprio Lectorium Rosicrucianum[editar | editar código-fonte]

  • Os Sete Raios do Espírito e a Transformação da Vida Humana
  • O Caminho da Rosacruz nos Dias Atuais
  • O Livro Secreto de João (Também conhecido como Apócrifo de João - texto original e comentários)
  • O Conhecimento que Ilumina (texto original e comentários do Evangelho da Verdade e do Evangelho de Maria)
  • O Graal e a Rosacruz
  • Histórias do roseiral
  • João Ultimonascido
  • Rosa-Cruzes ontem e hoje
  • Os Animais dos Mistérios
  • Gnosis, Religião Interior

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Introvigne, Massimo (1997). «Lectorium Rosicrucianum: A Dutch Movement Becomes International — Paper read by Dr Massimo Introvigne at CESNUR 97 International Conference, Free University of Amsterdam». CESNUR. Consultado em 27 janeiro de 2018. 
  2. Gadal, Antonin (2017). O Triunfo da Gnosis Universal. São Paulo: Pentagrama Publicações. p. 46. ISBN 978 - 85 - 679 - 9218 - 1 
  3. «Instituto Civita Solis». Consultado em 29 de janeiro de 2018. 
  4. «Home - pentagrama». pentagrama. Consultado em 26 de janeiro de 2018.