Les enfants de Timpelbach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Les enfants de Timpelbach
A Cidade das Crianças (BR)
 França
2008 •  cor •  95 min 
Direção Nicolas Bary
Produção Dimitri Rassam
Coprodução Chapter 2
Luxanimation
Scope Pictures
Onyx Films
M6 Films
Roteiro Nicolas Bary
Nicolas Peufaillit
Elenco Raphaël Katz
Adèle Exarchopoulos
Léo Legrand
Gênero Comédia/aventura
Música Frédéric Talgorn
Cinematografia Axel Cosnefroy
Edição Véronique Lange
Distribuição Pathé Distribution
Idioma Francês
Orçamento 13 milhões[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Les enfants de Timpelbach (no Brasil: A Cidade das Crianças) é um filme francês de comédia e aventura infantil lançado em 17 de dezembro de 2008, dirigido por Nicolas Bary. O filme é baseado no livro de romance Timpetill: Die Stadt ohne Eltern (1937) de Henry Winterfeld.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O roteiro do filme segue fielmente a narrativa do romance em que se baseia:

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Manfred (Raphaël Katz) é um pequeno garçom da pequena Timple bache, uma aldeia que parece remota e onde as crianças fazem piadas e brincadeiras contra os seus pais e contra os adultos. Desesperados, eles querem ensinar uma lição às crianças, simulando abandoná-los à própria sorte para assustá-los e trazê-los à razão. Então, eles saem da aldeia discretamente durante a noite, alegando que os deixarão para sempre, mas com a intenção de retorno no final do dia. A experiência dos adultos transforma-se, no entanto, numa tragédia quando são detidos e presos por soldados estrangeiros, que os acusam de tentar realizar uma invasão ao seu país. Eles percebem então que realmente deixaram os seus filhos na aldeia por um longo tempo.

Em Timpelbach, as crianças, compreendendo o desaparecimento dos adultos, decidem aproveitar a experiência de alegria à sua liberdade excessiva. Contudo, a preocupação com as dificuldades que não sabem resolver, incluindo alimentos, começa a manifestar-se. Organizam-se, portanto, para voltar a aldeia e satisfazerem as suas necessidades, duas gangues rivais: uma conduzida por Oscar (Baptiste Bethouleau), vivendo em violência e excesso, e ao contrário, Manfred (Raphaël Katz) e Marianne (Adèle Exarchopoulos), mais razoáveis tentando recriar uma cópia moralista do sistema de seus pais. Rapidamente, intensificou-se o conflito entre os grupos, levando alguns dias, a um confronto grande e comum na praça da cidade. Os adultos então são finalmente liberados, em seguida, retornam para a aldeia, onde são recebidos por seus filhos com alegria, que restaura a situação para todos.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Gérard Depardieu interpreta um general.
  • Raphaël Katz como Manfred
  • Adèle Exarchopoulos como Marianne
  • Léo Legrand como Thomas
  • Gérard Depardieu como O general
  • Carole Bouquet como Mme Drohne
  • Armelle como Corbac, o professor
  • Éric Godon como Stettner
  • Baptiste Betoulaud como Oscar Stettner
  • Lola Créton como Mireille Stettner
  • Léo Paget como Robert Lapointe
  • Terry Edinval como Wolfgang
  • Florian Goutieras como P'tit Louis
  • Mathieu Donne como Gros Paul
  • Martin Jobert como Willy Hak
  • Ilona Bachelier como Charlotte
  • Julien Dubois como Barnabé
  • Marcus Vigneron como Charles Benz
  • Jonathan Joss como Jean Krög
  • David Cognaux como Kevin
  • Sacha Lecomte como Philibert
  • Tilly Mandelbrot como Erna
  • Maxime Riquier como Bobby, o escrivão
  • Manon Chevallier como Marion
  • Valentine Bouly como Paulette
  • Talina Boyaci como Zoé
  • Vanille Ougen como Kimy
  • François Damiens como o entregador
  • Philippe Le Mercier como o prefeito
  • Stéphane Bissot como a mãe de Manfred
  • Mayane Maggiori como Mme Hak
  • Odile Matthieu como o prefeito Krog

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 2001 o diretor do filme, Nicolas Bary, inciou a produção do filme, que é baseado no livro de literatura infantil Timpetill: Die Stadt ohne Eltern lançado em 1937, que se assemelha aos filmes, Grimm (2005) e La Guerre des boutons (1962), este relançado em 2011.[1]

Após dois anos escrevendo o roteiro com Nicolas Peufaillit, o diretor do longa conheceu o fundador da empresa Chapter 2, que ajudou a desenvolver e produzir o filme.[1]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens decorreram na maioria em Luxemburgo, nas cidades de Beaufort e Ansembourg, ele também foi rodado na região da valônia, na Bélgica.[1] Houve cerca de 100 horas de gravação, em uma determinada cena, o diretor disse que apenas uma parte do filme, o torneio, durou mais de 11 semanas para ser gravado.[1]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref
2009 César Awards Melhor Design de Produção Olivier Raoux Indicado [2]

Referências

  1. a b c d e Schmitt, Paul (dezembro de 2008). «Film/Video: Les Enfants de Timpelbach». Pixelcreation Cinema Audiovisuel. Consultado em 19 de março de 2013. 
  2. «Les enfants de Timpelbach (2008) Awards». whosdatedwho.com. Lucy Media. Consultado em 19 de março de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]