Leuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Leuna é uma cidade no distrito de Saalekreis, no estado de Saxônia-Anhalt, no leste da Alemanha, a sul de Merseburg e Halle. Ela é conhecida devido um dos maiores complexos químicos industriais na Alemanha estar situado no município.[1] Em 1960, a população da cidade era de cerca de 10.000, mas as altas taxas de desemprego e más condições de vida, incluindo poluição das indústrias próximas, causou emigração significativa.

Origens[editar | editar código-fonte]

A primeira fábrica de produtos químicos em Leuna foi construída em 1916 pela BASF, e produzia amoníaco para utilização na fabricação de explosivos e depois de 1919, fertilizantes. O local foi escolhido por sua proximidade às minas de lignito. Em 1920, iniciou a hidrogenação comercial do lignito,[2] e a produção começou em 01 de abril de 1927.[3] O local (propriedade da IG Farben após 1926) foi expandido rapidamente nos anos 1920 e 1930, com fabricas produtoras de metanol e gasolina sintética, produzida a partir da hidrogenação do lignito.[4]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

As obras na IG Farben eram dirigidas por Heinrich Bütefisch.[5] Sendo a segunda maior da planta de óleo sintético da Alemanha nazista. Leuna foi a primeira planta a testar o processo Bergius que sintetizava derivados de petróleo a partir do lignito.[6] A fabrica estendia-se por uma área de três quilômetros quadrados, com 250 edifícios, incluindo edifícios de engodo fora da planta principal e empregava 35.000 trabalhadores (incluindo 10 mil prisioneiros e trabalhadores escravos). A Divisão Flak XIV, responsável por proteger Leuna, tinha 28.000 soldados, 18.000 pessoas do RAD, 6.000 auxiliares do sexo masculino e 3.050 do sexo feminino, 900 "voluntários" húngaros e italianos, 3600 Hiwis russos e 3.000 outras pessoas, totalizando 62.550 pessoas.[7] Mais de 19.000 dos trabalhadores da Leuna eram membros da organização de proteção a ataque aéreo, que operavam mais de 600 canhões de 88 mm, a força de combate a incêndio consistia 5.000 homens e mulheres.

Referências

  1. InfraLeuna
  2. «1920 - Hydrocracking». Consultado em tbd.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. http://books.google.com/books?id=akVem4E9XzEC&pg=PA18
  4. History at the InfraLeuna website
  5. Speer, Albert (1970) [1969 - em alemão: Erinnerungen (Recollections)]. Inside the Third Reich. New York and Toronto: Macmillan. p. 415. ISBN 978-0-684-82949-4. LCCN 70119132 
  6. http://www.fischer-tropsch.org/Bureau_of_Mines/info_circ/ic_7375/ic_7375.htm
  7. http://books.google.com/books?id=rVVeO4B985wC&pg=PA321