Linda Martín Alcoff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Linda Martín Alcoff
Nascimento 25 de julho de 1955 (65 anos)
Panamá
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade Brown
Ocupação filósofa
Empregador Hunter College, Universidade de Syracuse
Página oficial
http://www.alcoff.com

Linda Martín Alcoff (nascida em 25 de julho de 1955, no Panamá) é uma filósofa na Universidade da Cidade de Nova York, especialista em epistemologia, feminismo, raças e existencialismo. De 2012 a 2013, ela atuou como presidente da American Philosophical Association (APA).[1] Alcoff tem clamado por uma maior inclusão de grupos historicamente sub-representados na filosofia.[2][3] Para isso com Paul Taylor e William Wilkerson, ela começou o Guia Pluralista para a Filosofia.[4] Ela obteve seu Doutorado em Filosofia pela Brown University. Ela recebeu o Prêmio de Mulher de Destaque na Filosofia, em 2005, pela Sociedade de Mulheres na Filosofia e na APA. Ela começou a ensinar na Hunter College e na City University de Nova York no início de 2009, depois de ensinar por muitos anos na Universidade de Syracuse.

Educação e carreira[editar | editar código-fonte]

Alcoff começou a estudar filosofia na Georgia State University, obtendo o bacharelado com honras, em 1980, e o mestrado em 1983. Ela fez o seu trabalho de doutoramento na Universidade de Brown, sob a direção de Ernest Sosa, Martha Nussbaum, e o concluiu em 1987. Ela, então, passou um ano como professora assistente de filosofia em Kalamazoo College. Ela então se mudou para a Universidade de Syracuse, onde ela ensinou por dez anos. Foi nomeada e promovida ao posto de professora adjunta em 1995 e professora titular em 1999. Em 2009, ela se mudou para sua atual posição como professora de Filosofia na Hunter College e na CUNY Graduate Center.[5]

Alcoff recebeu uma série de homenagens e prêmios, incluindo o doutoramento honoris causa pela Universidade de Oslo em setembro de 2011 e o prêmio Frantz Fanon em 2009 por seu livro Visible Identities: Race, Gender and the Self. 

Áreas de pesquisa e publicações[editar | editar código-fonte]

Alcoff tem escrito extensamente sobre assuntos tais como a obra de Foucault, a violência sexual, a política da epistemologia, gênero e raça. É autora de dois livros: Real Knowing : New Versions of Coherence Theory (1996) e Visible Identities: Race, Gender and the Self (2006). Ela também editou dez volumes e escreveu um grande número de artigos revisados por pares.

Outras publicações[editar | editar código-fonte]

  • Alcoff, Linda (1997), «Cultural feminism versus post-structuralism: the identity crisis in feminist theory», in: Nicholson, Linda, The second wave: a reader in feminist theory, ISBN 9780415917612, New York: Routledge, pp. 330–355. 
  • Alcoff, Linda; Kittay, Eva (2007). The Blackwell guide to feminist philosophy. Malden, Massachusetts Oxford: Blackwell Publishing. ISBN 9780631224273 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «APA Divisional Presidents & Addresses» 
  2. Mann, Bonnie; Center, Philosophy Documentation (1 de novembro de 2013). «Three White Men Walk into a Bar». Radical Philosophy Review. 16 (3): 733–746. doi:10.5840/radphilrev201316354 
  3. Wilson, Robin (2013-01-18). "Women Challenge Male Philosophers to Make Room in Unfriendly Field". Chronicle of Higher Education59 (19): A1–A6. 3p.
  4. «The Philosophers Magazine Issue # 56 Page 6» (em inglês) 
  5. «Curriculum Vitae». Consultado em 28 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2018