Logoterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2018)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Logoterapia e Análise Existencial é "uma abordagem psicoterapêutica reconhecida internacionalmente e que se fundamenta empiricamente no sentido da vida"[1]. Também é considerada como a terceira escola vienense de psicoterapia - ao lado da Psicanálise de Freud e da Psicologia Individual de Adler. Essa abordagem foi fundada pelo médico austríaco Viktor Frankl e amplamente divulgada depois que seu fundador sobreviveu a quatro campos de concentração nazistas.

Para a Logoterapia, a necessidade mais profunda do ser humano é de ter sentido na vida. Isso faz com que a "vontade de sentido" seja a maior força motivadora do ser humano.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

De acordo com Domingos (2017), o significado etimológico da palavra Logoterapia deriva do grego: "logos (sentido) e therapéia (terapia, cuidado). Assim, podemos dizer – grosso modo – que é a terapia a partir do sentido da vida"[2].

Definição[editar | editar código-fonte]

Logoterapia[editar | editar código-fonte]

"O logoterapeuta não busca persuadir o cliente pelo raciocínio lógico; em vez disso, ele ajuda os clientes a detectarem seu sentido específico e individual. A Logoterapia é uma terapia aplicada com base no modelo psicológico-antropológico desenvolvido por Viktor Frankl" [3].

Análise Existencial[editar | editar código-fonte]

"Análise Existencial pode ser entendida como a base filosófica e científica da Logoterapia, bem como uma parte essencial de uma terapia adequada. Basicamente, a Análise Existencial significa: análise em relação à existência, ou "explicação da existência" com consideração de uma vida auto-responsável, auto-realizada e humana.

Na "Análise Existencial Geral", a busca pelo sentido é discutida e identificada como uma motivação básica nos seres humanos, e são fornecidos argumentos que demonstram a possibilidade fundamental de encontrar sentido na vida. Com base nisso, os efeitos terapêuticos de uma busca bem-sucedida por sentido podem ser explicados.

Na "Análise Existencial Especial", a vida individual específica de uma pessoa ou de um grupo é investigada para as possíveis raízes existenciais de um distúrbio mental ou psicológico. Neste contexto, ela fornece a base para uma logo-terapia como uma terapia específica que ocorre através do "núcleo existencial". Assim, o valor terapêutico da Análise Existencial está na elucidação da situação existencial concreta e na preparação para dar assistência na - autônoma - busca por um sentido"[4].

Fundamentação[editar | editar código-fonte]

Toda a ciência logoterapêutica se fundamenta especificamente em três conceitos filosóficos e psicológicos: a liberdade da vontade, a vontade de sentido e o sentido da vida. O diretor geral do Instituto Viktor Frankl de Viena, Alexander Batthyány,Ph.D., explica cada um deles:

Liberdade da Vontade[editar | editar código-fonte]

"Os seres humanos não são determinados pelas condições, mas são basicamente livres para decidir e capazes de assumir sua posição em relação às condições internas (psicológicas) e externas (biológicas e sociais). A liberdade é aqui definida como o espaço para moldar a própria vida dentro dos limites das possibilidades dadas. Essa liberdade deriva da dimensão espiritual da pessoa, entendida como a realidade especificamente humana, acima das dimensões do corpo e da psique. Como pessoas espirituais, os seres humanos não estão apenas reagindo a organismos, mas são seres autônomos capazes de moldar ativamente suas vidas.

A liberdade da pessoa humana desempenha um papel importante na psicoterapia, na medida em que proporciona aos clientes espaço para ação autônoma, mesmo diante de doenças somáticas ou psicológicas. E é exatamente esse recurso que permite aos clientes, no contexto das técnicas da Intenção Paradoxal e da Derreflexão, lidar com seus sintomas e recuperar o controle e a autodeterminação"[5].

Vontade de Sentido[editar | editar código-fonte]

"Os seres humanos não são apenas livres, mas são livres para algo - isto é, para atingirem objetivos e propósitos. A busca por um sentido é vista como a principal motivação dos seres humanos. Quando uma pessoa não consegue perceber a "vontade de sentido" em suas vidas, ela experimentará uma sensação abismal de falta de sentido e de vazio. A frustração da necessidade existencial de objetivos significativos dará origem à agressão, dependência, depressão e tendências suicidas, e pode gerar ou aumentar doenças psicossomáticas e distúrbios neuróticos.

A Logoterapia /Análise Existencial ajuda os clientes a perceberem e removerem os fatores que os impedem de perseguir objetivos significativos em suas vidas. Os clientes são sensibilizados para a percepção das potencialidades de sentido; no entanto, não são oferecidos sentidos específicos. Em vez disso, eles são guiados e auxiliados na realização das possibilidades de sentido que eles próprios detectaram"[6].

Sentido da Vida[editar | editar código-fonte]

"A Logoterapia baseia-se na ideia de que o sentido é uma realidade objetiva, em oposição a uma mera ilusão que surge dentro do aparato perceptivo do observador. De acordo com a Logoterapia, os humanos são chamados, com base em sua liberdade e responsabilidade, para produzir o melhor possível em si mesmos e no mundo, percebendo e realizando o sentido do momento em cada situação. Neste contexto, deve-se ressaltar que esses potenciais de sentido, embora de natureza objetiva, estão ligados à situação e à pessoa específica e, portanto, estão continuamente mudando. Assim, a Logoterapia não declara ou oferece algum sentido geral da vida. Em vez disso, os clientes são ajudados a alcançarem a abertura e a flexibilidade que os capacitarão a moldar suas vidas cotidianas de maneira significativa"[7].

Logoterapeuta[editar | editar código-fonte]

O Logoterapeuta é um psicoterapeuta ou psiquiatra que tem capacitação para atuar com a Logoterapia como método psicoterapêutico.

Durante vários anos houve uma discussão entorno da definição do termo "logoterapeuta". Não existia um pronunciamento oficial que pusesse um ponto final na discussão. Diante dessa realidade, o professor e fundador do Instituto Gewissen, Thiago Domingos, entrou em contato com o diretor geral do Instituto Viktor Frankl, em Viena, Dr. Alexander Batthyány, que solucionou essa questão.

A resposta foi amplamente divulgada nas redes sociais pela Academia do Sentido. No texto divulgado podemos perceber que Domingos perguntou a Batthyány: “o logoterapeuta precisa ser um psicólogo ou psiquiatra?” Ao passo que o sucessor de Viktor Frankl respondeu: “o logoterapeuta deve ser um psicoterapeuta ou psiquiatra”, mas não apenas isso, esse profissional precisa “oferecer uma escala completa de Logoterapia como método psicoterapêutico”[8].

Segue a compilação da mensagem enviada por Batthyány a Domingos:


Dear Thiago,

Thanks for your mail. There are two answers to your question:

(1) The logotherapist should be a psychotherapist or psychiatrist if he offers a full scale of logotherapy as a psychotherapeutic method.

(2) Beyond that, logotherapy can be applied, and offered, in a wide variety of contexts, from pastoral psychology to counsellig for the dying, to education, etc. etc.

This is very much in keeping with the tradition of the other Viennese Schools, i.e. psychoanalysis and individual psychology. The core is psychotherapy, but the applications are much wider.

I hope this helps.

Kind regards,

Alexander Batthyány

Técnicas Logoterapêuticas[editar | editar código-fonte]

As técnicas clássicas utilizadas por Viktor Frankl em seus procedimentos logoterapêuticos são as bases para as demais técnicas desenvolvidas posteriormente. Atualmente, contamos com diversas técnicas, testes, instrumentais e métodos desenvolvidos nos mais diversos contextos onde a Logoterapia é aplicada. No Brasil, por exemplo, contamos com ferramentas desenvolvidas no contexto da Educação[9]; no contexto do coaching através do Método de Design Existencial e no contexto da psicoterapia através de instrumentais criados em grupos de pesquisa.
Nesse momento vamos abordar as técnicas clássicas desenvolvidas por Viktor Frankl:

Intenção Paradoxal[editar | editar código-fonte]

"Essa técnica é indicada para transtornos compulsivos e ansiedade, também para síndromes vegetativas.

Com a ajuda de um médico ou terapeuta, os clientes aprendem a superar suas obsessões ou ansiedades pelo autodistanciamento e exagero humorístico, quebrando assim o círculo vicioso de amplificação dos sintomas"[10].

Derreflexão[editar | editar código-fonte]

"É indicado para distúrbios sexuais e insônia, também para transtornos de ansiedade. Instintivos, os processos automáticos são impedidos e dificultados pela auto-observação exagerada. Da mesma forma, algumas sensações de ansiedade ou tristeza leves e bem fundamentadas serão aumentadas e amplificadas pela auto-observação, tornando-as mais perceptíveis e gerando uma observação ainda mais intensa. O propósito da derreflexão é romper esse círculo neurotizante, afastando a atenção do paciente do sintoma ou do fluxo natural do processo"[11].

Diálogo Socrático[editar | editar código-fonte]

"Certas atitudes e expectativas podem ser obstáculos para a realização do sentido. Elas podem alienar uma pessoa das potencialidades de sentido em sua vida, acentuando assim os distúrbios neuróticos, ou até mesmo produzindo-os através de repetidas decisões mal-tomadas e formação de padrões de comportamento".

Os clientes são orientados a perceber suas atitudes irreais e contraproducentes e desenvolver uma nova perspectiva que pode ser uma base melhor para uma vida plena.

O diálogo socrático é um método de conversação frequentemente usado pelos logoterapeutas. Questões específicas trazem à consciência a possibilidade de encontrar e realizar um sentido na vida. No cenário filosófico, essa técnica de guiar pelo questionamento foi introduzida por Sócrates, que a caracterizou como uma espécie de "obstetrícia espiritual".

Representantes Oficiais[editar | editar código-fonte]

O Instituto Viktor Frankl, com sede em Viena, é representante oficial da Logoterapia no mundo. No entanto, credencia - após um cuidadoso processo - representantes oficiais em diversos países. Os representantes oficiais em língua portuguesa são:

Brasil[editar | editar código-fonte]

  • AgirTrês: Núcleo de Logoterapia - São Paulo/SP
  • Associação Brasileira de Logoterapia e Análise Existencial (ABLAE) - Nacional
  • Associação Brasileira de Logoterapia e Análise Existencial Frankliana (SOBRAL) - São Paulo/SP
  • Centro Viktor Frankl de Logoterapia - Porto Alegre/RS
  • Colégio Viktor Frankl - Ribeirão Preto/SP
  • Instituto de Educação e Cultura Viktor Frankl - Ribeirão Preto/SP
  • Instituto Geist - São Luís/MA
  • Instituto Gewissen - Brasília/DF
  • Instituto de Logoterapia - Campinas/SP
  • Nous: Espiritualidade e Sentido - João Pessoa/PB

Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Associação Portuguesa de Logoterapia (A.P.L.) - Lisboa/PT

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Frankl, V.E.. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. São Leopoldo: Sinodal.
  • Frankl, V.E.. A vontade de sentido: fundamentos e aplicações da Logoterapia. São Paulo: Paulus.
  • Frankl, V.E.. Psicoterapia e sentido da vida. São Paulo: Quadrante.
  • Frankl, V.E..O que não está escrito nos meus livros: memórias. São Paulo: É Realizações.
  • Frankl, V.E.. Um sentido para a vida: psicoterapia e humanismo. São Paulo: Santuário.
  • Frankl, V.E.. O sofrimento de uma vida sem sentido: caminhos para encontrar a razão de viver. São Paulo: É Realizações.
  • Frankl, V.E.. A presença ignorada de Deus. Petrópolis: Vozes.
  • Frankl, V. & Lapide, P.. A busca de Deus e questionamentos sobre o sentido. Petrópolis: Editora Vozes.
  • Frankl, V.E.. Teoria e terapia das neuroses: introdução à logoterapia e à análise existencial. São Paulo: É Realizações.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  2. «O que é Logoterapia?». Academia do Sentido. 10 de maio de 2017. Consultado em 11 de abril de 2019 
  3. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  4. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  5. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  6. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  7. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  8. «Quem pode ser Logoterapeuta?». Academia do Sentido. 24 de março de 2019. Consultado em 11 de abril de 2019 
  9. Aquino, Thiago (2015). Sentido da Vida e Valores no Contexto da Educação. Uma Proposta de Intervenção à Luz do Pensamento de Viktor Frankl. [S.l.]: Paulinas. 96 páginas 
  10. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019 
  11. «VFI / Logotherapy and Existential Analysis». www.univie.ac.at. Consultado em 24 de março de 2019