Loitering munition

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
IAI Harop, uma munição vagante otimizada para supressão de defesas anti aereas, tarefa inicial das munições vagantes, fabricadoo pelas Indústria Aerospacial Israelense(IAI).

Uma loitering munition (munição vagante) (também conhecida como 'drone suicida'[1] ou 'drone kamikaze' [2]) é uma categoria de sistema de armas em que a munição perambula ao redor da área de destino por algum tempo, procura por alvos e ataca assim que um alvo é localizado. Munições vagantes permitem tempos de reação mais rápidos contra alvos ocultos ou ocultos que surgem por curtos períodos sem colocar plataforma de armas de alto valor perto da área do alvo, e também permitem um direcionamento mais seletivo, pois a missão de ataque real pode ser abortada.

As munições vagantes cabem no nicho entre os mísseis de cruzeiro e os veículos aéreos de combate não tripulados (VANT), compartilhando características com ambos. Eles diferem dos mísseis de cruzeiro porque são projetados para permanecer por um tempo relativamente longo ao redor da área-alvo, e dos UCAVs porque uma munição de espera se destina a ser usada em um ataque e tem uma ogiva embutida.

Armas vagantes surgiram pela primeira vez na década de 1980 para uso na função de supressão das defesas aéreas inimigas contra mísseis superfície-ar (SAMs) e foram implantadas para a função de supressão de defesas aéreas em várias das forças militares na década de 1990. A partir dos anos 2000, as armas de espera foram desenvolvidas para funções adicionais que variam de ataques de longo alcance e suporte de fogo até sistemas táticos de campo de batalha de curto alcance que cabem em uma mochila.

Munições vagantes proliferaram em uso por pelo menos 14 países, com vários tipos diferentes em uso a partir de 2017. A crescente proliferação e a capacidade de usar alguns sistemas como arma autônoma letal junto com preocupações éticas sobre esse uso levaram para pesquisa e discussão por acadêmicos e ativistas do Direito Internacional Humanitário.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiro desenvolvimento e terminologia[editar | editar código-fonte]

Northrop AGM-136 Tacit Rainbow em exibição no Museu Nacional da Força Aérea dos EUA em Dayton, Ohio

Inicialmente, as munições vagantes não foram chamadas como tal, mas sim como 'UAVs suicidas' ou 'mísseis de vadiagem'[3]. Diferentes fontes apontam para diferentes projetos como originadores da categoria de armas. As variantes iniciais israelenses de Delilah do início da década de 1980 ou o programa fracassado dos EUA AGM-136 Tacit Rainbow são mencionados por algumas fontes. Alternativamente, o final da década de 1980 IAI Harpy, que foi amplamente exportado, é considerado por alguns como o primeiro sistema de munição vagante.

IAI Harpy munição vagante de primeira geração para a tarefa de supressão de defesas antiaereas.

Os primeiros projetos não usavam a nomenclatura de "munição vagante", que surgiu muito mais tarde, e usaram a terminologia existente na época. Por exemplo, o AGM-136 Tacit Rainbow foi descrito como segue em 1988 na Air Force Magazine (Revista da Força Aérea) da Força Aérea dos Estados Unidos [4] :

The Tacit Rainbow unmanned jet aircraft being developed by Northrop to loiter on high and then swoop down on enemy radars could be called a UAV, a cruise missile, or even a standoff weapon. But it is most definitely not an RPV. (A aeronave a jato não tripulada Tacit Rainbow sendo desenvolvida pela Northrop para vaguear no alto e, em seguida, atacar os radares inimigos poderia ser chamada de UAV, míssil de cruzeiro ou mesmo arma de empate. Mas definitivamente não é um RPV.)

 Canan, James W. "Unmanned Aerial Vehicles." Air Force Magazine (1988), page 87

Tarefa inicial na supressão da defesa aérea inimiga[editar | editar código-fonte]

Parte de um sistema sírio 2K12 Kub com vista para o Vale do Beqaa, no início de 1982

A resposta à primeira geração de instalações fixas mísseis superfície-ar s (SAMs), como S-75 e S-125, foi o desenvolvimento do míssil anti-radiação, como AGM-45 Shrike e outros meios para atacar instalações fixas de SAM, bem como desenvolver doutrinas SEAD. A contra-resposta soviética foi o uso de SAMs móveis como o 2K12 Kub com o uso intermitente de radar. Portanto, a bateria SAM ficou visível apenas por um pequeno período de tempo, durante o qual também foi uma ameaça significativa para os lutadores de alto valor Wild Weasel. Em 1982 na Operação Mole Cricket 19, vários meios, incluindo UAV lançados pelo ar ADM-141 TALD, foram usados sobre áreas suspeitas de SAM para saturar as defesas inimigas e atraí-las para ativár seus sistemas de radar, que foram então atacados por mísseis anti-radiação.

Evolução para funções adicionais[editar | editar código-fonte]

XM501 protótipo americano do sistema XM 501 capaz de lançar loitering munition

A partir da década de 2000, as armas vagantes foram desenvolvidas para funções adicionais além da função inicial de supressão de fesas antiaereas, variando de ataques de longo alcance e apoio de fogo para uso tático em campo de batalha de curto alcance[5] [6][7][8][9] , como o AeroVironment Switchblade que é implantado em o nível do pelotão e cabe em uma mochila. Um uso documentado de munições vagantes ocorreu no Conflitos de Nagorno-Karabakh em 2016, no qual uma IAI Harop foi usado contra um ônibus que funcionava como transporte de tropas. [10]

Características[editar | editar código-fonte]

Munição vagante Delilah lançada do ar, controlada oficial de sistemas de armas embarcado no banco traseiro de aeronave de combate

Munições vagantes podem ser tão simples quanto um veículo aéreo não tripulado (UAV) com explosivos anexados que são enviados em uma potencial missão kamikaze e podem até mesmo ser construídos com quadricópteros comerciais prontos para uso com explosivos amarrados.[11]

Munições construídas especificamentes são mais elaboradas em termos de voo e capacidades de controle, tamanho e design de ogivas e sensores de bordo para localização de alvos.[12] Algumas munições vagantes usam um operador humano para localizar alvos, enquanto outras, como o IAI Harop, podem funcionar de forma autônoma, pesquisando e lançando ataques sem intervenção humana.[13][14]

Questões éticas e de direito humanitário internacional[editar | editar código-fonte]

Munições que são capazes de tomar decisões autônomas de ataque (man out of the loop) levantam preocupações morais, éticas e de direito humanitário internacional porque um ser humano não está envolvido na decisão real de atacar e potencialmente matar humanos, como é o caso com mísseis fire and forget em uso comum desde 1960. Considerando que algumas munições guiadas podem travar após o lançamento ou podem ser detonadas por sensores, seu tempo de voo é normalmente limitado e um ser humano as lança em uma área onde há forte suspeita de atividade inimiga, como é o caso do emprego de misseis fire and forget. Uma munição vagante autônoma, por outro lado, pode ser lançada em uma área onde a atividade inimiga é apenas provável, e vagar procurando por alvos por potencialmente horas após a decisão de lançamento inicial, embora possa ser capaz de solicitar autorização final de um humano para um ataque. O IAI Harpy e o IAI Harop são frequentemente citados na literatura relevante, pois estabelecem um precedente para um sistema aéreo (embora não necessariamente um precedente quando comparado a uma mina naval moderna) em termos de comprimento e qualidade da função autônoma, em relação a um míssil de cruzeiro, por exemplo. [15][16][17][18][19][20]

Comparação entre os tipos de engenhos aéreos de ataque[editar | editar código-fonte]

As munições vagantes se encaixam no nicho entre os mísseis de cruzeiro e os veículos aéreos de combate não tripulados .[21]

A tabela a seguir compara mísseis de cruzeiro de classe de tamanho semelhantes, munições vagantes e veículos aéreos de combate não tripulados:

Características Missil de cruzeiro Munições vagantes SARP Míssil ar-superfície
Custo apropriado para uso descartável de uma só vez Sim Sim Não, mas o alto custo permite uma plataforma de maior qualidade Sim
Recuperação possível após o lançamento Não Normalmente não Sim, o perfil típico da missão é ida e volta Não
Ogiva embutida Sim Sim Não Sim
Mergulho final furtivo para o alvo Normalmente Sim Normalmente Sim Normalmente Não Sim
Vagante Não ou limitado Sim Normalmente Sim Não
Sensores para aquisição de alvo Limitado Sim Normalmente Sim Sim
Comando e controle durante o voo Normalmente limitado Sim Sim Sim
Alcance Mais longo, otimizado para voo em velocidade constante Mais curto Mais curto, ainda mais curto para uma missão típica de ida e volta Curto
Velocidade Normalmente mais alta Normalmente mais baixa Depende da função Alta

Exemplos de engenhos aéreos de ataque[editar | editar código-fonte]

A tabela a seguir apresenta exemplos de mísseis de cruzeiro de classe, munições vagantes, veículos aéreos de combate não tripulados e mísseis ar-superfície:

Características Missil de cruzeiro Munições vagantes SARP Míssil ar-superfície
Arma
Tomahawk Block IV. A superfície alar é otimizada para cruzeiro de alta velocidade.
IAI Harop uma munição vagante otimizada para a função de supressão das defesas aéreas inimigas
Modelo do míssil AGM-114 Hellfire Longbow.
Alcance 1.600 km 1.000 km 1.100km 11,01 km
Velocidade máxima alto sub-sônico, 880 km/h 190 km/h 217 km/h 1.601 km/h
Autonomia de voo c. 2 horas 6 horas 24 horas curtíssima
Motor Motor turbofan F107-WR-402 de 3.1 kilonewtons (700 lbf) Motor Wankel de 37 hp Motor Rotax 914F de 115 hp Thiokol TX-657 foguete de combustível sólido[22]
Peso do sistema carregado 1.588 kg 135 kg 1.020 kg 45–49 kg[23]
Carga útil Cabeça de guerra de 450 kg Cabeça de guerra de 23 kg 2 mísseis ar-superfície AGM-114 Hellfire ou 6 mísseis ar-superfície AGM-176 Griffin Cabeça de guerra 8 kg
Comprimento 6,25 m 2,5 m 8,22 m 1,63 m
Envergadura 2,67 m [24] 3,0 m [12] 16,8 m [25] 0,33 m
Munições vagantes HERO (UVision Air Ltd, Israel), DSEI 2019, London

Ao passo que alguns mísseis de cruzeiro, como o Tomahawk bloco IV, têm a capacidade de demorar e ter alguns recursos sensoriais e de controle remoto,[26]sua missão principal é tipicamente atacar e não a aquisição de alvos. Os mísseis de cruzeiro, como o nome indica, são otimizados para voos de longo alcance em velocidade constante, tanto em termos de sistemas de propulsão quanto de design asas ou fuselagem. Freqüentemente, eles são incapazes de permanecer em baixa velocidade de baixo consumo de combustível, o que reduz significativamente o tempo potencial de espera, mesmo quando o míssil tnha alguma capacidade de espera.[27]

Por outro lado, quase qualquer VANT poderia ser pilotado para colidir com um alvo e a maioria poderia ser equipada com uma ogiva explosiva improvisada.[11] No entanto, o uso principal de um VANT seria para operações de voo recuperáveis transportando equipamento de reconhecimento e / ou munições. Embora muitos VANT sejam explicitamente projetados com ociosidade em mente, eles não são otimizados para um ataque de mergulho, muitas vezes sem câmeras voltadas para a frente, falta de controle de velocidade de resposta que é desnecessária em voos regulares de UAV e são barulhentos durante o mergulho, potencialmente fornecendo um aviso para o alvo. Os VANT, sendo projetados como plataformas multiuso, geralmente têm um custo unitário que não é apropriado para o uso regular em uma missão descartável.[28][21]

NCSIST Chien Hsiang, um exemplo de uma munição vagante descartável

A missão principal de uma munição vagante é alcançar a área do alvo suspeito, aquisição do alvo durante uma fase de ociosidade, seguida por um ataque autodestrutivo, e a munição é otimizada a este respeito em termos de características (por exemplo, vida útil do motor muito curta, silêncio na fase de ataque, velocidade de mergulho de ataque, otimização para tempo de espera em vez de alcance / velocidade) e custo unitário (apropriado para uma missão de ataque único).[29][30]

Um míssil ar-terra ou ASM (sigla do Inglês: air-to-surface missile) é um míssil projetado para ser lançado por uma aeronave militar contra objetivos de superfície (em terra ou no mar). As suas variantes destinadas a ser lançadas exclusivamente contra objetivos em terra também são conhecidas como "mísseis ar-terra" ou "mísseis ar-solo".

Países usuários e fabricantes[editar | editar código-fonte]

Em 2020, munições vagantes estão em uso em vários países, incluindo:


Referências

  1. US army may soon use Israeli-designed ‘suicide drones’, Jerusalem Post, June 2016
  2. Kamikaze drone loiters above, waits for target, CNET, June 2009
  3. Loitering Weapons are making a Comeback, Defense Update, June 2009
  4. Canan, James W. "Unmanned Aerial Vehicles." Air Force Magazine (1988)., page 87
  5. British Army Sets to Deploy Fire Shadow Loitering Weapons to Afghanistan by Early 2012 Defense Update, September 2011
  6. Military Investigates Killer Drones That Can Fit in Rucksacks National Defense, July 2011
  7. A Tiny Missile That Waits Overhead—Silent, Patient and Deadly, WarIsBoring, January 2014
  8. AeroVironment producing Switchblade missiles for Army UPI, October 2016
  9. Loitering Autonomous Weapons Arquivado 2013-02-05 no Wayback Machine, Defense Update, January 2007
  10. a b Israeli-made kamikaze drone spotted in Nagorno-Karabakh conflict, Washington Post, April 2016
  11. a b c ISIS Using Kamikaze Drones in Iraq, Popular Mechanics, October 2016
  12. a b iClean – Loitering Attack UCAV, Artzi Dror, Technion Institute of Technology, 2012
  13. Israel Unveils Loitering Anti-Missile Drone Arquivado 2018-03-15 no Wayback Machine, Defense Update, 2009
  14. Harpy Air Defense Suppression System, Defense Update, 2006
  15. Garcia, Denise. "Killer robots: Why the US should lead the ban." Global Policy 6.1 (2015): 57–63.
  16. Sharkey, Noel. "Saying 'no!' to lethal autonomous targeting." Journal of Military Ethics 9.4 (2010): 369–383.
  17. «Mortensen, Erika Steinholt. Autonomous weapon systems that decide whom to kill. How international humanitarian law and international human rights law regulate the development and use of offensive autonomous weapon systems during international armed conflicts. MS thesis. UiT Norges arktiske universitet, 2016.» (PDF) 
  18. Alston, Philip. "Lethal robotic technologies: the implications for human rights and international humanitarian law." JL Inf. & Sci. 21 (2011): 35.
  19. «Crootof, Rebecca. "The Varied Law of Autonomous Weapon Systems." (2015).» (PDF) 
  20. Evan Wallach and Erik Thomas (2016). «The Economic Calculus of Fielding Autonomous Fighting Vehicles Compliant with the Laws of Armed Conflict» (PDF). Yale Journal of Law & Technology. 18: 1–25 
  21. a b Gilli, Andrea, and Mauro Gilli. "The Diffusion of Drone Warfare? Industrial, Organizational and Infrastructural Constraints: Military Innovations and the Ecosystem Challenge." (2015)., pages 21–22, 25–31
  22. Parsch, Andreas. «Boeing/Lockheed Martin (Rockwell/Martin Marietta) AGM-114 Hellfire». Directory of U.S. Military Rockets and Missiles. The AGM-114B also introduced the Thiokol TX-657 (M120E1) reduced-smoke rocket motor 
  23. AGM-114 Hellfire Variants Arquivado 2009-03-01 no Wayback Machine. GlobalSecurity.org, 25 de novembro de 2005. Retrieved 14 de agosto de 2009.
  24. RGM/UGM-109 Tomahawk, fi-aeroweb, Novembro 2014
  25. MQ-1B Predator factsheet, US Air Force, July 2010
  26. The U.S. Navy Has Big Plans for the Lethal Tomahawk Missile, The National Interest, Kris Osborn, 18th May 2016
  27. Takahashi, Timothy, et al. "A multi-disciplinary survey of advanced subsonic tactical cruise missile configurations." 43rd AIAA Aerospace Sciences Meeting and Exhibit. 2005.
  28. «Franklin, Michael. "Unmanned combat air vehicles: opportunities for the guided weapons industry?." RUSI Occasional Paper, www. rusi. org/downloads/assets/Unmanned_Combat_Air_Vehicles. pdf (29.3. 2011) (2008).» (PDF). RUSI.org. Consultado em 15 de junho de 2017 
  29. «Liu, Xuancen, et al. "Optimal Design of Loitering Munition Trajectory in Complex Battlefield Environment." (2016).». Atlantis Press 
  30. Snyder, Derek J. (25 de abril de 2017). «Design Requirements for Weaponizing Man-Portable UAS in Support of Counter-Sniper Operations» – via Defense Technical Information Center 
  31. «Armenian manufacturer boasts cutting-edge multifunctional combat UAVs and loitering munitions». armenpress.am (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2020 
  32. «Artsakh to mass produce combat drones, trials successfully completed». Public Radio of Armenia (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2020 
  33. «STM'nin yerli kamikaze İHA'sı KARGU Azerbaycan'da görüldü» (em turco). 29 de outubro de 2020 
  34. «İlk kez Libya'da kullanılmıştı! Bu kez Azerbaycan'da görüntülendi» (em turco). CNN Türk. 28 de setembro de 2020 
  35. DSA 2016: China details CH-901 UAV and loitering munition, Janes, April 2016
  36. IDEX 2017: CATIC reveals details about Harpy-type loitering munition, Janes, March 2017
  37. Germany signs contract for Harop loitering munition, FlightGlobal, September 2009
  38. Harop Loitering Munitions System for the IAF, India Defence Review, January 2014
  39. «Laser weapons, swarm drones on DRDO menu». The Hindu (em inglês). 12 de agosto de 2019. ISSN 0971-751X. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  40. Iran's navy touts 'suicide drone', USA Today, October 2016
  41. Iran Tests 'Kamikaze' Suicide Drone, The National Interest, December 2014
  42. Iranian army tests home-made suicide drone, Trend news agency, December 2016
  43. Papers Offer a Peek at ISIS' Drones, Lethal and Largely Off-the-Shelf, New York Times, January 2017
  44. Portable Attack Drones or Loitering Munitions, SP'S Landforces, September 2016
  45. Elbit announces new SkyStriker loitering munition Yaakov Lappin, Tel Aviv - IHS Jane's Defence Weekly 08 September 2016
  46. SINGAPORE: IAI reveals new family of loitering munitions, FlightGlobal, February 2016
  47. UVision loitering munitions to undergo anti-tank testing, Flight Global, April 2016
  48. Israeli companies pitching loitering munitions for US Army programme, FlightGlobal, April 2016
  49. Aeronautics introduces Orbiter 1K loitering munition, FlightGlobal, May 2015
  50. Elbit announces new SkyStriker loitering munition, Jane's Defence Weekly, September 2016
  51. Vietnam Eyes Israel's Delilah Standoff Missile, and F-16s Could Be Next, The Warzone, March 2017
  52. a b Loitering Munitions - In Focus, Center for the Study of the Drone, Feb 2017
  53. Warmate expendable UAV in production for two customers, Flight Global, April 2016
  54. South Korea's Kamikaze UAV Could Scare the Ojom Out of Kim Jong-un, Gizmodo, October 2012
  55. South Korea developing 'kamikaze' attack drone, Fox News, October 2012
  56. Wong, Kelvin. «TADTE 2019: Taiwan's NCSIST rolls out indigenous anti-radiation loitering munition». www.janes.com. Janes. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  57. «Turkey's STM delivering Kargu loitering munitions to TSK | Jane's 360». www.janes.com. Consultado em 23 de março de 2020 
  58. IAI Gets $100 Million Contract for HAROP Killer Drones, Defense Update, 2009
  59. Surface Navy 2017: Coyote earmarked for ISR and offensive roles, Janes, January 2017
  60. Suicide Drones Have Migrated To The Conflict In Yemen, The Warzone, March 2017