Luciana Hidalgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luciana Hidalgo
Nascimento 1965
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileira
Ocupação Escritora
Principais trabalhos Rio-Paris-Rio
Prémios Prêmio Jabuti (1997)
Página oficial
http://www.rocco.com.br/autor/?cod=306

Luciana Hidalgo (Rio de Janeiro, 1965) é uma escritora brasileira.

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, é pesquisadora-associada à Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3, na França, onde fez seu pós-doutorado.

A autora já deu palestras sobre seus livros e temas na programação principal da Festa Literária de Paraty (Flip), na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em universidades como UERJ, UFRJ, USP, UFMG, e em diversos centros culturais no Brasil. Na França, deu palestras na Sorbonne (Université Paris 3 e Paris 4) e no Centre Culturel International de Cerisy-la-Salle, bem como na Universidade de Viena, na Áustria, entre outros centros culturais e universitários europeus.

Carreira literária[editar | editar código-fonte]

Luciana Hidalgo lançou seu primeiro livro Arthur Bispo do Rosário – O senhor do labirinto (ed. Rocco) em 1996, pelo qual ganhou um prêmio Jabuti na categoria reportagem. Grande sucesso de mídia e crítica, a obra trata da história de Arthur Bispo do Rosário, um homem que viveu 50 anos num hospício do Rio de Janeiro e lá criou bordados, assemblages e objetos posteriormente inseridos no circuito internacional da arte contemporânea, tendo representado o Brasil na Bienal de Veneza de 1995. Esse livro se tornou obra de referência nos estudos acadêmicos sobre Bispo e em 2011 ganhou versão atualizada pela autora. Em 2012, virou filme, O senhor do labirinto, lançado nos cinemas pela Tibet Filmes.

Em 2008 a autora lançou Literatura da urgência – Lima Barreto no domínio da loucura (ed. Annablume), que lhe valeu outro Jabuti, desta vez na categoria teoria/crítica literária. Nesse ensaio, a escritora aproxima literatura e loucura na obra de Lima Barreto, criando a ideia de "literatura da urgência" para designar narrativas criadas por autores em situações-limite.

Em 2011 Luciana Hidalgo migrou do ensaio para a ficção ao lançar O passeador (ed. Rocco), contemplado com a Bolsa Funarte de Criação Literária e finalista dos prêmios Jabuti, Portugal Telecom e São Paulo de Literatura 2012. Unindo elementos reais e ficcionais, a autora cria uma ficção em torno de Afonso (o jovem escritor Lima Barreto), personagem que flana pelo Rio de Janeiro da belle époque, em idas e vindas, entre a cidade concreta e imaginária, entre ficção e História.

Em 2016 a autora lançou Rio-Paris-Rio (ed. Rocco), romance sobre alegrias e angústias de dois jovens brasileiros exilados em Paris em 1968, fugidos da ditadura no Brasil, em busca de um lugar intermediário entre esquerda e extrema-direita, selvageria e civilização.

Todos os livros da autora inspiraram artigos e resenhas em vários veículos (ler em REFERÊNCIAS).[1][2][3][4][5][6]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Arthur Bispo do Rosário: o senhor do labirinto (1996)
  • Literatura da urgência: Lima Barreto no domínio da loucura (2008)
  • O passeador (2011)
  • Rio-Paris-Rio (2016)

Referências

  1. CARDOSO, Fabio Silvestre. As pegadas do gênio. Jornal Rascunho, abril de 2012
  2. VICTOR, Fabio. Luciana Hidalgo lança romance sobre Lima Barreto. Artigo publicado no Jornal Folha de S. Paulo, reproduzido no Jornal da Paraíba, 3 de novembro de 2011
  3. BASTOS, Pedro Paulo. O passeador: o Rio de Lima Barreto e dos francófilos. Veja-Rio, 2 de dezembro de 2011
  4. OLIVEIRA, Fernando de. Duas trajetórias em comum. Diário Regional, 30 de janeiro de 2012
  5. CASTELLO, José. Lima Barreto nos dias de hoje. A literatura na poltrona, O Globo, 15 de fevereiro de 2012
  6. Estante Virtual - Obras de Luciana Hidalgo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]