Máscara N95

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Uma máscara N95 ou um respirador N95 é uma máscara respiratória com filtro de partículas que atende ao padrão N95 da classificação de filtragem de ar do Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos EUA (NIOSH), o que significa que filtra pelo menos 95% das partículas transportadas pelo ar, embora não seja resistente para óleo como a P95. É a máscara facial respiratória com filtro de partículas mais comum.[1] Esse tipo de máscara protege contra partículas, mas não gases ou vapores.[2]

As N95 são consideradas funcionalmente equivalentes a certos respiradores regulamentados sob jurisdições fora dos EUA, como os FFP2 da União Europeia e os KN95 da China. No entanto, critérios ligeiramente diferentes são usados para certificar seu desempenho, como a eficiência do filtro, o agente de teste e a vazão e a queda de pressão permitida.[3][4]

A máscara N95 requer uma malha fina de fibras de polímero sintético, também conhecida como tecido não malhado de polipropileno,[5] que é produzido através de um processo altamente especializado chamado sopro por fusão que forma a camada de filtragem interna que filtra as partículas perigosas.[6]

Uso[editar | editar código-fonte]

Infográfico sobre os três principais fatores necessários para que uma máscara respiratória seja eficaz
Orientação para a realização de uma verificação de selo do usuário, necessária sempre que uma máscara respiratória é colocada

Nos Estados Unidos, a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) exige que os profissionais de saúde que realizem atividades com pacientes com suspeita ou confirmação de infecção pelo COVID-19 usem proteção respiratória, como uma N95. Ao contrário de uma máscara respiratória, uma máscara cirúrgica não possui uma vedação hermética e, portanto, não protege seu usuário contra partículas transportadas pelo ar, como material de vírus.[7]

Referências