Manuel Jacinto Coelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Manoel Jacintho Coelho)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde julho de 2016).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Manuel Jacinto Coelho
Nascimento 30 de dezembro de 1903
Rio de Janeiro
Morte 13 de janeiro de 1991 (87 anos)
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Líder religioso
Religião Cultura Racional

Manuel Jacinto Coelho[nota 1] (Rio de Janeiro, 30 de dezembro de 190313 de janeiro de 1991) foi o fundador da Cultura Racional.

Filho de músicos [1], o pai, Manuel, era maestro e a mãe, Rosa Maria, professora de piano. Ao completar treze anos, Manuel Jacinto já era violonista. O violão de sete cordas tornou-se uma de suas especialidades.

Aos dezoito anos entrou para o Exército Brasileiro. Ingressou na 1ª Companhia de Metralhadoras Pesadas, no quartel de Deodoro, no Rio de Janeiro. Trabalhou muitos anos no Ministério das Relações Exteriores, Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro.

Em 4 de outubro de 1935 iniciou a elaboração da enciclopédia de Cultura Racional composta de 1.000 livros, intitulada Universo em Desencanto, e a concluiu em 5 de dezembro de 1990. Os livros foram divididos em cinco partes, 1°- Obra, composta de 21 volumes, 2°- Réplica, composta de 21 volumes, 3°- Tréplica, composta de 21 volumes, 4°- Histórico, composta de 934 volumes e 5º - Amarelões, composta de 3 volumes editados entre 1935 e 1938. Universo em Desencanto, M. Jacinto Coelho Editora.

Recebeu ao longo de sua vida várias condecorações nacionais e internacionais, dentre elas a Medalha de Honra da Inconfidência, que a Presidência da República confere a um civil, o título de Comendador pela Ordem Internacional dos Jornalistas, e a Medalha Tiradentes, concedida pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Foi biografado pelo jornalista Jorge Elias, na obra intitulada Cavaleiro da Concórdia - O Homem do Outro Mundo.

Notas

  1. Na grafia da época, Manoel Jacintho Coelho.

Referências

  1. ELIAS, Jorge. O Cavaleiro da Concórdia, O homem de outro mundo. 1º ed, Racional Gráfica Editora LTDA, 1988, Belford Roxo, RJ. Pp.39
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.