Manuel Holóbolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuel Holóbolo
Nascimento ca. 1245
Morte 1310/1314
Nacionalidade Império de Niceia Império de Niceia
Império Bizantino
Ocupação Oficial e monge
Religião Ortodoxia oriental

Manuel Holóbolo (em grego: Μανουὴλ Ὁλόβολος; transl.: Manouel Holóbolos; ca. 1245 – 1310/14) foi um orador e monge bizantino, o principal oponente da União das Igrejas no reinado do imperador Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1282).

Vida[editar | editar código-fonte]

Hipérpiro de Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1282)

Nascido ca. 1245, Holóbolo entrou ao serviço de Miguel VIII como gramático de seus filhos adolescentes, e compôs várias orações para os primeiros anos do reinado de Miguel VIII que são importante fonte primária. Em 1261, contudo, quando Miguel ordenou o cegamento e aprisionamento do imperador legítimo, João IV Láscaris (r. 1258–1261), Holóbolo expressou aflição pública, e seus lábios e nariz foram mutilados como punição. Holóbolo então retirou-se da vida pública e tornou-se monge no Mosteiro de Prodromo em Constantinopla, com o nome monástico Máximo.[1]

Em 1265/1266, através da intervenção do patriarca constantinopolitano Germano III, Holóbolo foi capaz de obter o cargo de professor, possivelmente no orfanato na Igreja de São Paulo. Devido a seu fervente anti-unionismo, foi exilado para o Mosteiro de Grande Agro no mar de Mármara em 1273, e não foi permitido retornar à capital até após a morte de Miguel VIII, quando seu filho e sucessor Andrônico II Paleólogo (r. 1282–1328) repudiou a união. Assim Holóbolo participou no Concílio de Blaquerna de 1285, que formalmente condenou a união, e foi restaurado ao favor imperial: recebeu o título de reitor e tornou-se protosincelo por 1299. Segundo um de seus alunos, Jorge Galesiota, ele continuou a lecionar até sua morte, em algum momento entre 1310 e 1314.[1]

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 940.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8