Manuel de Azevedo Gomes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel de Azevedo Gomes (Santo Amaro (São Roque do Pico), 19 de Outubro de 1847Parede, 14 de Julho de 1907) foi um oficial da Armada Portuguesa que fez carreira em várias províncias ultramarinas portuguesas e nos Açores, tendo-se distinguido pelo seu brio e pelas suas qualidades como comandante.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Manuel de Azevedo Gomes nasceu na freguesia rural açoriana de Santo Amaro do Pico, filho de António de Ávila Gomes e de sua mulher Maria José de Azevedo e Castro. Foi irmão de Amaro de Azevedo Gomes, ministro do Governo Provisório da República Portuguesa. Foi pai do silvicultor, botânico e professor universitário Mário de Azevedo Gomes (1885-1965).

Azevedo Gomes destacou-se pelo seu brio enquanto oficial naval. O seu prestígio foi reforçado quando em 1862, em plena Guerra Civil Americana, como jovem tenente ao comando da corveta D. Estefânia obrigou a corveta USS Kearsarge, dos Estados Unidos da América, a respeitar a neutralidade portuguesa não atacando o navio corsário dos Estados Confederados CSS Alabama quando este se encontrava fundeado na Baía de Angra, nos Açores.

Foi chefe de gabinete do ministro Jacinto Cândido da Silva, ele também açoriano, no período em que aquele ministro liderou o programa de construções navais de 1896, o maior investimento em material naval feito pelo Estado português nos séculos XIX e XX.

Chefiou a missão da Armada Portuguesa que recebeu nos estaleiros do Havre os cruzadores São Gabriel e São Rafael, construídos no âmbito do plano de construções navais de 1896. Foi ajudante honorário do rei D. Carlos I de Portugal quando em 1901 aquele monarca visitou os Açores.

Comandou o Cruzador São Gabriel e, no final da sua carreira, o Cruzador D. Carlos I, então a mais prestigiosa unidade naval portuguesa.

Terminou a sua carreira naval no posto de capitão-de-mar-e-guerra chefiando a Divisão Naval do Oceano Índico (1902).

Foi casado com Alice Hensler, filha de Elise Hensler, a condessa de Edla, que entretanto casara com o rei D. Fernando II de Portugal.

Foi condecorado com o grau de comendador da Ordem da Torre e Espada e grande oficial da Ordem de São Bento de Avis. Recebeu também diversas condecorações estrangeiras, entra as quais a da Ordem do Elefante Branco, do Reino do Sião. Conhece-se uma colaboração póstuma da sua autoria no semanário Academia Portuguesa (1933)

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Joaquim José de Barros, "Manuel de Azevedo Gomes – glorioso marinheiro". Anais do Clube Militar Naval, volume XCIV (1964), 1: 7-9, 10-12.
  • Gonçalo Nemésio, Azevedos da Ilha do Pico. Lisboa: edição do autor, 1987.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]